Arquivo do mês: julho 2016

Silêncio Benevolente

silencio-blog

 

Sempre agradeço a todas as pessoas que explicitamente gostam de mim, em especial aquelas que já expressaram isso. Não são muitas, bem sei, essencialmente por culpa minha. Como já disse anteriormente, nasci sem o dom da simpatia, uma das virtudes que mais admiro e invejo. A pessoa simpática é acima de tudo corajosa e segura, pois sabe que seu sorriso pode ser confundido com fragilidade ou fraqueza; mesmo assim sorri e expõe sua alegria e brilho interiores. Nunca tive essa segurança a essa força para poder ser simpático e doce.

Mas hoje lembrei das pessoas que NÃO gostam de mim, as que não me aceitam e que não me suportam. Sempre penso que, no lugar delas, teria infinitos argumentos para justificar tal antipatia e rechaço. Não é preciso muita imaginação ou criatividade; basta me conhecer por pouco que seja para ver uma plêiade multicolorida de defeitos aparecerem no meu rosto como o brotar instantâneo de uma acne adolescente. Entretanto, é para estas pessoas que vai meu agradecimento.

O Mestre nazareno já dizia que “os inimigos são teus verdadeiros amigos”. De fato, são eles que nos mostram os tantos defeitos que carregamos, mas como sabê-los sem que nossos desafetos os apontem a nós? Para isso nossos inimigos são essenciais e indispensáveis.

Porém, há um tipo de desafeto que, ao perceber seu momento de dor e angústia, refreia seu impulso de lhe criticar e …. se cala. Silencia por caridade e consideração, mesmo nutrindo verdadeiro desamor por você. Ele sabe que a crítica mordaz, mesmo que justa, neste momento seria um exagero de crueldade. Diante disso, aguarda um momento melhor para oferecer o beneplácito da ofensa pedagógica.

Aos que me desgostam e silenciam, meu agradecimento sincero e emocionado. Vocês são verdadeiros amigos, os melhores que se pode ter.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Entrevista em Portugal

portugal-1-750x400

 

Acabo de assistir a manifestação de uma obstetra de outro país (sim, uma mulher) sobre a humanização do nascimento em que ela inicia sua fala dizendo que “não existem partos naturais; existem apenas partos eutócicos ou distócicos“. Achei interessante essa frase porque ela revela claramente a forma de traduzir um fenômeno humano sem levar em consideração seus elementos… humanos. Ela basicamente desconsidera o parto na perspectiva de quem o está incorporando, e o classifica por quem o observa e intervém. Nesta concepção não há sujeito no parto, o qual se restringe apenas a um fenômeno que ocorre em uma pessoa sem que esta tenha qualquer interferência sobre ele. Esse é o retrato fiel do modelo médico da atenção ao parto.

Entrevistas como esta são sinalizadores inequívocos dos estertores do velho paradigma. Elas escancaram a desconexão do discurso médico com a cultura dinâmica e mutante. Não há mais como separar as intervenções médicas das expectativas e valores dos pacientes, em especial das mulheres que passaram – e ainda estão passando – por uma profunda transformação em seu papel social. A dissimetria de poderes – que ainda é vista por muitos médicos como o elemento central da ação médica – perde espaço para uma atitude que tende à igualdade e à cooperação. Se a confiança no conhecimento e capacidade dos profissionais sempre será essencial, a prepotência e a desconsideração das dimensões humanas e subjetivas do paciente vai perdendo sua força a olhos vistos pelo surgimento de uma cultura que não aceita mais a alienação como forma de relação entre os diferentes atores sociais.

Construir uma atenção ao parto sem garantir o protagonismo à mulher como a pedra fundamental da atenção ao nascimento ficará em nossa memória como a lembrança desconfortável de uma época de prepotência que por muito tempo regulou as relações entre os médicos e seus pacientes.

Veja aqui a entrevista: http://media.rtp.pt/praca/rubricas/saude/parto-normal-ou-cesariana-socorro-ja-nao-me-lembro-como-se-faz/

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo

Rochedo

Rochedo

“Os homens livres são um perigo para os déspotas; as mulheres livres o são para os chauvinistas. O livre pensador é – pelo simples pensar – uma ameaça ao dogmatismo e à irracionalidade. O sincero ameaça de morte o falso e o dissimulado. Todavia, o maior perigo está naquele que perdoa; este será sempre o rochedo a impedir o avanço do oceano de ódios.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Devaneios juvenis

Eu não passava de 14 anos e tinha uma vida inteira e incerta pela frente. Não sabia exatamente como era o mundo, como se construíam suas tensões e nem como se organizavam seus caminhos.

Sentado no banco do ônibus sentia os tapas estroboscópicos da luz que driblava os prédios e as árvores para encontrar meu rosto de menino. O ar frio matutino arejava meu pensamento colegial, e fazia minhas ideias volitarem por sobre o cabelo desgrenhado.

De súbito um corpo de aproxima do banco onde eu sentava. Não lhe pude ver pois que estava atrás da linha dos meus olhos, mas seu braço se projetou defronte meu rosto para se apoiar na guarda do assento em frente ao meu.

Foto de Ricardo Herbert Jones.

Uma moça. Só o que podia ver era seu braço coberto por uma fina lâmina de tecido branco que se ajustava às suas voltas e reentrâncias. O tecido terminava com uma delicada renda no punho, que cobria parcialmente sua mão pequena. Os dedos esquálidos terminavam em pequenas unhas vivamente coloridas com esmero e cuidado. A pele era morena, o que fazia contraste com a alvura do tecido da blusa, num contraponto instigante. A renda se movia com os solavancos do coletivo, fazendo uma estranha dança sobre a mão pequena e firme. No dedo anular um delicado anel, cuja luz refletida pintava de amarelo minha retina.

Fiquei olhando para aquele fragmento de pessoa, tentando imaginar o que se escondia para detrás do meu campo de visão. Como seria seu rosto, seu corpo, seus lábios e seios? Qual seria sua voz? Que pensamentos carregava em sua mente naquela manhã? Estaria, como eu, indo à escola? Seria mais velha do que eu?

Quanto mais eu brincava mentalmente com essas perguntas mais me fascinava ao olhar aquele braço à minha frente. Entretanto, percebi que este fascínio era muito mais pelo que eu não via do que pelo que se apresentava à minha frente. O que me excitava os sentidos era imaginar para onde corriam as veias que eu via plúmbeas na mão apertada contra respaldar do banco. O não sabido era o mais interessante; o que eu não via era o que mais me atraía.

Repentinamente a mão se desprega do banco e se recolhe, aproximando-se do corpo que eu não via. O chiado da porta se abrindo anunciou a parada. O corpo da moça é ultrapassado por outro vulto e seu braço escapa da minha visão. Quando crio coragem de voltar minha cabeça para trás e já não mais ela está ali. Envolta num emaranhado de corpos com pressa ela sai pela porta sem que eu tivesse a oportunidade de admirar o resto de si.

Com outro chiado e a porta do ônibus novamente se fechou. A moça da blusa de renda se foi sem deixar vestígios, e não ser a ferida viva em minha memória, a sensação inebriante de encantamento que me acompanha há quatro décadas.

Talvez ali, naqueles momentos de pura fantasia durante uma viagem matinal de ônibus, eu tenha me aproximado de forma definitiva do mistério e do encantamento que constituem o feminino. A esta moça a minha dívida por ter me oferecido uma amostra discreta do infinito que uma mulher representa.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais