Arquivo do mês: julho 2017

Free Palestine

Eu posso entender quando algumas pessoas se deixam seduzir pelas idéias carregadas de propaganda sionista por uma razão bem singela: quando eu era jovem pensava como eles. Acreditava nos mitos que eram trazidos pela mídia sobre Israel, em especial “a land without people for a people without a land”, ou “blossoming the desert”, “a Villa inside the jungle” e o pior, mais nefasto e mais mentiroso de todos: os “escudos humanos com crianças”.

Todas mentiras plantadas para justificar o Nakba, a expulsão de 750 mil palestinos de suas casas para criar uma colônia europeia racista e etnocrática na região. Eu acreditava nesses mitos até assistir há uns 10 anos um documentário no Festival de Cinema do Rio sobre a invasão do Líbano feita por um cineasta árabe. A conversa de 5 minutos que tive com ele depois da apresentação da película foi reveladora. Isso me acordou para uma nova realidade.

Um tempo depois assisti o fabuloso documentário (tem no youtube) “Reel Bad Arabs – How Hollywood Vilifies a People” e pude ver como os americanos inventaram a islamofobia .

Vejam aqui: Reel Bad Arabs – Completo

Depois comecei a escutar George Galloway – parlamentar britânico – e seu inglês impecável denunciando as atrocidades de Israel. Logo depois vi tudo de Norman Finkelstein (Holocaust Industry) e cheguei em Ilan Pappe (Ethnic Cleansing of Palestine). A partir daí comecei a ler os jornalistas que falavam dos massacres, e o melhor de todos é Max Blumenthal (51 Days War). Com isso pude entender a manipulação midiática sobre o sofrimento dos palestinos, da qual somos vítimas também. O grande problema para Israel é que o mundo inteiro está acordando para as atrocidades cometidas em no Oriente Médio e cada cidadão palestino que mora é um cineasta com uma câmera na mão e uma dor em sua alma.

Quando assisti “5 câmeras quebradas” pude finalmente entender a brutalidade da ocupação pelos olhos dos palestinos. Tenho esperança que, como eu e Miko Peled – ativista e escritor (The Son of the General) – muitos ainda poderão acordar.

Infelizmente, por causa da propaganda odiosa de Hollywood, ainda somos obrigados a testemunhar islamofobia à granel. Muitos, para acusar o islã, usam o argumento dos direitos das mulheres, o que é bizarro em se tratando de Brasil. Sabe como uma mulher palestina se sente ao ser espancada pelo marido? Ora, da mesma forma que uma cristã evangélica brasileira se sente ao ser massacrada pelo marido ao voltar do culto. Essa história de invocar a Sharia é para tolos ou sionistas; olhem como o Brasil mata gays e mulheres e parem de dizer que esse é um problema islâmico. Um pouco de informação não faz mal a ninguém.

Eu realmente viajei pelo mundo todo, mas NÃO visito Israel da mesma forma como não visitaria a África do Sul enquanto Mandela estivesse preso. Quando houver a libertação palestina serei o primeiro a visitar e celebrar a Palestina Livre.

Acho cômico alguém dizer que uma parte do mundo lhe pertence por “direito divino”, enquanto expulsa as pessoas que vivem há séculos no local. Eu conheço a história, as condenações da ONU, os massacres, as 550 criancas mortas no último ataque a Gaza. Também não estive no holocausto, mas isso não invalida os milhões de judeus mortos pela mesma lógica que agora massacra palestinos.

Provando que o planeta é redondo e dá voltas, hoje vemos mais uma vez o mesmo discurso fascista e de limpeza étnica de 1940. Quando se pedia ao mundo para olhar pelos judeus sob o controle nazista também virávamos as costas. “Eles que se entendam”, dizíamos. Milhões morreram pela nossa negligência.

Para confirmar que a espécie humana não tem gente superior ou inferior, agora é a vez dos colonialistas israelenses fascistas atacarem as populações palestinas, produzindo genocídio e limpeza étnica, com massacres contra Gaza que se repetem num período pré estabelecido e cíclicos. “Aparar a grama“, como disse um general israelense. Apoiar o genocídio é desumanizar-se, tratar a população original daquele lugar como sub humana e indigna de viver é crime contra a humanidade. Não sei a opinião de todos os pensadores israelenses sobre o conflito, mas sempre que vejo um israelense defendendo a ocupação covarde que lá impera eu lembro das pessoas que julgam brigas onde há um marido espancador dizendo: “os dois lados tem as suas razões”.

Não, genocídio planejado, colonialismo, expropriação de terras, limpeza étnica…. nada disso se justifica. A resposta do mundo civilizado só pode ser o BOICOTE sistemático a qualquer iniciativa israelense. Produtos, indústria, serviços, produção agrícola. Tudo, da mesma forma como foi feito com o Apartheid da África do Sul.

O apartheid da Palestina vai acabar quando cada um de nós perceber que o massacre dos palestinos (assim como no holocausto judeu) é um crime contra TODOS NÓS.

FREE PALESTINE!!!

: https://youtu.be/pIXOdCOrgG4

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Palestina

Liberdade. liberdade

 

Recordo que há alguns anos escrevi um artigo que falava criticamente do racismo que sobrevive no nosso meio e das suas conexões com a escravidão no Brasil. Para ilustrar o texto coloquei uma imagem da internet com um torso negro masculino envolto em uma grossa corrente. Recebi alguns elogios pela iniciativa (um obstetra falando de racismo institucional não é muito comum), mas no dia seguinte um famoso grupo identitário virtual me escreveu dizendo terem gostado do texto, mas que não aprovavam a imagem. Disseram que era hora de desvincular os negros da escravidão. Respondi explicando que o texto falava explicitamente da escravidão e suas repercussões, quase um século e meio após sua abolição, mas elas ficaram irredutíveis em sua proposta.

Eu troquei a imagem por outra (achei que não valia a pena a animosidade por um detalhe). Coloquei uma barriga grávida e negra, mas percebi o risco que havia nessa proposta de censura (que se limitou a um pedido). E se eu tivesse me negado? E se eu insistisse na imagem? Que tipo de represália eu poderia sofrer?

Quando escrevi meu capítulo no livro “Birth Models that Work“, da antropóloga Robbie Davis-Floyd, recebi um “sinal de luz” da revisora que achava que meu texto “essencializava” a mulher ao exaltar suas capacidades de gestar e parir, e isso podia incomodar algumas feministas. Desta vez bati pé e tive uma áspera discussão ao telefone que terminou com “então pode retirar o capítulo do livro“. Não foi necessário e minha contribuição nunca fui criticada por ter essa característica.

Liberdade de expressão é uma falta que eu vejo de maneira muito clara no discurso das esquerdas. As estúpidas expulsões de bolsominions de manifestações, ou mesmo negando-lhes o direito de falar, mostram a face autoritária que ainda sobrevive nesse meio. Cabe a nós, do campo progressista, eliminar qualquer forma de autoritarismo e censura, e para isso precisamos pagar o preço que se fizer necessário.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos

Pós-verdades

 

Olhando pela imprensa nacional aqui na internet percebo que TODOS os veículos inicialmente compraram a história do sequestro; a Globo foi apenas a gota d’água. Mais ainda: aqueles que questionaram a veracidade de uma história absurda – em vários aspectos, totalmente inverossímil e impossível – eram automaticamente considerados como “racistas”.

Este é mais um exemplo de pós-verdade, uma construção contemporânea nietzschiana, em que a realidade desaparece sob o manto pesado das interpretações. As causas encampam os fatos, independente da realidade. O real passa a ser um detalhe, uma poeira minúscula tragada no tufão dos discursos contemporâneos. Não é sequer necessário investigar muito: a versão já está suficiente para os nossos propósitos. Os linchamento são imediatos e a destruição de pessoas, instituições e negócios também.

Esse caso, em especial, reunia gênero, raça e maternidade. Um prato cheio. A pressa e o desejo de construir uma narrativa heroica nos fez errar feio nos pré-julgamentos. Agora que fique o ensinamento, para o nosso cambaleante jornalismo e para todos: nossos sentimentos são traiçoeiros. Eles nos fazem acreditar prontamente nas versões que tocam em nossas fragilidades e medos. Sem o controle frio e duro da razão sobre estes fatos sociais estamos condenados a criar injustiças por julgamentos apressados. A próxima vitima pode ser qualquer um de nós.

Como eu disse anteriormente, no mundo cibernético desconfiem de TUDO. Desconfiem principalmente quando uma postagem produz uma identificação imediata com você. Desconfiem quando pessoas dizem que encontraram uma espancadora de crianças, um marido abusador, uma sequestradora, um homem pobre injustiçado, um ato de racismo ou uma misoginia porque estes casos mexem com nossas emoções, produzem imediata identificação e sintonizam com nossas próprias dores, o que nos impede de pensar racionalmente.

Cada vez que receber uma notícia dessas respire fundo e tente raciocinar, evitando pré-julgamentos, análises enviesadas ou pensamentos recheados de preconceitos de cor, gênero ou religião.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos