A Primeira Vez

 

Li o texto de uma jovem mãe de adolescente descrevendo sua liberalidade ao se defrontar com a primeira relação sexual do filho de 15 anos (???) com sua namorada de 17.

A justificativa que ela usa para facilitar – ou colaborar – para o encontro sexual do filho (não vou nem mencionar o fato de ele ser menor de idade para não misturar os assuntos) é o fato de ela ter sido criada por uma família muito conservadora (um clichê previsível) em que as primeiras experiências sexuais foram cercadas de tabus, angústia e sensação de culpa. Tudo precisava ser feito às escondidas, “rapidinhas” na escada do prédio, beijos roubados, sempre com medo de ser descoberta e tudo cercado de muita ansiedade. Por essa razão ela decidiu que com seus filhos seria diferente.

Percebi que muitas moças comentaram o texto saudando a postura “moderna” e “descolada” da jovem mãe. Muitas entendem que essa facilitação seria uma atitude que “descriminaliza” o sexo, tornando-o menos culposo, portanto, mais prazeroso.

Talvez na ideia de “prazer” tenha se estabelecido o meu desconforto definitivo com o texto.

Primeiramente, sua descrição dos “problemas” encontrados para seus encontros sexuais iniciais são as mais cálidas, intensas e eróticas lembranças que eu carrego. Acredito que muitos outros leitores daquele texto também pensam assim. É exatamente a dificuldade e toda a planificação necessária para esse encontro rápido e furtivo que conferiam àquele momento sua significação. Da mesma forma, é a brevidade da vida o que lhe confere o valor. O sentido erótico desses encontros é posto pela conquista, não tem valor isolado. Aí está o gozo envolvido, e por isso meu desconforto com a busca pelo “prazer”, pois não é dele que lembramos hoje, tantos anos passados.

Outro fator que me incomodou foi a tentativa amorosa, porém ingênua, de facilitar a vida dos filhos, o que configura a atitude das mães em especial. Freud dizia serem elas o “princípio do prazer”. O texto da articulista deixava para mim explícito a cada linha que essa decisão era exclusivamente dela e que não havia na casa um homem para ajudá-la a decidir; houvesse um e talvez a história fosse diferente. Duas cabeças sempre vão pensar melhor que uma só.

Sim, eu discordei do teor do texto de forma peremptória. Não vejo razão alguma para facilitar a vida sexual de um filho (em especial para um menino de 15 anos!!). Pelo contrário; vejo boas razões para dificultá-la – dentro de alguns limites. Também não acho adequado facilitar a vida profissional deles, pelas mesmas razões.

Para dizer isso invoco alguns princípios que considero importantes. O início da vida sexual de um adolescente é uma TRAIÇÃO ao amor parental e deve ser encarado com essa gravidade. A primeira transa de uma menina é uma ato de rebeldia e de ruptura com os laços afetivos com seu pai e por isso é significativo. Para um menino representa a ruptura da sua relação edipiana com o primeiro amor de sua vida – a mãe. Esses passos em direção à maturidade devem ser CONQUISTAS e não concessões. É pela dificuldade da ruptura que eles adquirem seu valor e importância. Temo muito pelo desejo de quem não precisou mentir um pouco, ludibriar e enganar seu “antigo amor” na busca por uma relação mais madura. Que valor se estabelece sobre algo que se ganha sem esforço?

Apesar de reconhecer exageros do patriarcado – como castigos, humilhações (públicas ou privadas), rupturas, etc – eu me nego a discutir este aspecto do problema, pois não é isso que me move. Para isso existe a lei e o bom senso. Quero debater apenas a facilitação sobre um ato que, ao meu ver, NÃO deve ser ajudado, mas conquistado e batalhado. Afinal, ele estabelece uma ruptura grave com um modelo afetivo que sustentou o sujeito por toda a infância.

Para finalizar eu creio que não existe nada mais excitante ou estimulante do que recordar as dificuldades envolvidas nestas primeiras experiências. É exatamente isso, e não a relação sexual em si (muitas vezes dificultosa, pela inexperiência), que mantém essas lembranças como quadros perenes na parede de nossas emoções mais significativas.

Facilitar uma conquista dessa envergadura para os filhos pode lhes oferecer uma visão errada do sentido e da importância do passo que estão dando.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s