Arquivo do mês: setembro 2018

Dois amores

 

No colégio havia aquelas duas meninas que você olhava com o rabo do olho todo santo dia, deixando de prestar atenção nas hipotenusas enigmáticas da professora de matemática. Uma delas era a gostosa da turma, livre, decidida, sedutora, “cheia dos anel e dos batom”, cujas pernas lhe hipnotizavam e a cor do sutiã era motivo de debates na hora do recreio com a cafajestada da aula. Sentava no fundo e tinha admiradores e seguidoras. Uma “pin up girl” na parede da minha memória.

No outro lado da sala sentava aquela menina meiga, delicada, sensível e que você imaginava seria a mãe ideal para os seus (quatro) filhos. Inteligente, CDF, mignon, esperta. Sua inteligência emoldurada pelos óculos eram uma flechada no coração.

Sofria de torcicolo procurando cruzar meu olhar timido com minhas paixões juvenis tão distantes, tanto no mundo quanto na imagem que delas fazia. Sempre que eu olhava para uma sentia a culpa pela outra, como se a estivesse traindo com meus olhares e minha imaginação lasciva.

Ok… casei com uma mistura de ambas e ponto final. Mas o que eu queria dizer é que uma sensação muito próxima dessa se abate sobre este velho coração ainda hoje, quando vejo as disputas dos candidatos anti-coiso. Cirão é pura volúpia e intensidade. Fala, grita, esperneia e aponta o mal com coragem. Já Haddad é profundidade, franqueza, sensibilidade. Com um quero me emocionar; com o outro quero sonhar, mas não deixo de sentir culpa por este para cada momento em que os meus olhos se fixam no que aquele outro fala.

Não me critiquem por sofrer por dois amores. Só vou me decidir no altar. Até lá manterei essa minha atitude oferecida e assanhada.

PS: meu sonho sacana? Uma lua de mel com os dois…

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Psicanálise

 

“A psicanálise nos mostra, em essência, a fragilidade de nossas escolhas. Somos governados por um núcleo de medos coberto por uma camada de crenças irracionais sobre as quais se assenta uma fina camada de racionalidade, quase insignificante, mas que nos oferece a ilusão de termos suplantado nossos atávicos temores. Freud nos revelou não apenas os conteúdos sexuais da vida infantil mas, além disso, a estrutura infantil da nossa sexualidade madura.”

Pierre Garbois “Le jeune avenir” Ed. Roquefort, pág. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Religião e conservadorismo

As mensagens de espíritas preocupados com a ascensão do fascismo e com a popularidade de um candidato que elogia torturadores só faz sentido porque historicamente a cúpula do espiritismo nacional é reacionária e autoritária. De Chico a Divaldo, passando pelos generais da FEB (Federação Espírita Brasileira), nunca tivemos um espiritismo brasileiro que não fosse próximo e admirador dos poderes instituídos, da ditadura à lamentável “República de Curitiba”. As demonstrações de afeto de Chico com a ditadura de 64 e de Divaldo com a turma de magistrados que golpearam a democracia estão acima de qualquer dúvida.

Com exceção das religiões de matriz africana – umbanda, candomblé, nação – as grandes religiões brasileiras são dos colonizadores; religiões brancas, de classe media, burguesas e conservadoras, incluindo-se aí o espiritismo. Nas três décadas em que circulei pelo universo dos espíritas brasileiros nada reconheci de diferente dos modelos de outras seitas cristãs. O mesmo moralismo, um machismo sutil, meritocracias, hierarquias, aristocracias, espíritos “do bem” – semelhantes aos “cidadãos de bem” deste plano – culto às personalidades, entidades das trevas, seres angelicais e um número sem fim de informações subliminares que nos conduziam a reconhecer os “espíritos superiores” como a elite branca e aburguesada da nossa sociedade.

Para além disso convivi com o ufanismo infantil propagado entre os espíritas pela obra “Brasil, coração do mundo, pátria do Evangelho” que descrevia o nosso país de 60 mil homicídios por ano, feminicídios e estupros incontáveis e a distribuição de renda mais perversa do hemisfério sul como “a nação escolhida por Jesus para carregar no coração sua mensagem de amor”.

As religiões são construções humanas e refletem seus valores e crenças.  Uma “religião” como o espiritismo (não é, mas se expressa como se fosse) surgiu no seio da classe média brasileira e obrigatoriamente viria a refletir sua visão de mundo e suas perspectivas. A umbanda, nascida do sincretismo entre o cristianismo e os ritos africanos, surgiu na marginalidade (à margem) da classe média do país, trazendo para o seu seio as populações pobres, negras, os homossexuais e os desvalidos. Se existem cultos no Brasil que têm a nossa cara e nosso jeito, sendo representante dos mais elementares valores populares, estes são os afro-brasileiros.

Inobstante a mensagem espírita pretender-se mais moderna e abrir espaço para a permeabilidade de seus postulados com a ciência, seu veículo – a classe média branca e urbana – acabou lhe conferindo um aspecto conservador e moralista que em nada se diferencia das seitas cristãs em nosso meio.

Não é de surpreender, portanto, que meus amigos espíritas de ontem venham hoje a abraçar as bandeiras conservadoras, em um direitismo que se aproxima do antipetismo mais radical e onde suas ideias encontram eco nas palavras do inominável líder fascista.

A modernidade da “fé raciocinada” que Kardec propunha esbarrou na caretice de quem levou adiante suas propostaa. Infelizmente, o espiritismo jamais conseguiu mudar a imagem conservadora e moralista do cristianismo tupiniquim.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Lacração

 

Vivemos em tempos obscuros, onde a “lacração” mais grosseira ocupa o lugar que o humor sempre teve por direito. Antigamente as “sacadas” bem humoradas, satíricas e sarcásticas eram a maneira mais rebuscada de responder, mesmo as agressões. Hoje você “lacra”, o que basicamente significa arrasar, destruir o opositor, usar um argumento que fecha a questão (pelo menos na opinião da sua torcida).

A diferença entre as duas estratégias é a mesma entre um decote insinuante num filme de Vitório de Sicca e uma cena pornô de Rocco Sifredi.

“Sutileza e perspicácia, onde andam vocês?”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Snow flake

 

Uma das minhas manias mais radicais é com a questão da liberdade de expressão; sou fanático por isso. Não aceito de forma alguma cerceamento de consciência. Não vejo erro em defender vacinas, putaria, homeopatia, transexualismo, futebol, parto humanizado, homem, mulher, gays, nazismo, comunismo e neoliberalismo. Tudo, literalmente tudo, e sempre no terreno das idéias.

Infelizmente vemos a censura da geração “overly woke”, ou “snowflake” que nao suporta que determinados grupos ou ideias possam ser submetidos a críticas e – muito pior do que isso – ao humor.

Ontem assisti dois espetáculos de stand up que tratam exatamente dessa questão: Rick Gervais e Brimbilla. Ambos traziam uma temática provocativa sobre temas complexos, passando dos transgêneros aos abusos sexuais. Evidentemente, com graça e humor, mas sem fugir do tema e sem sacralizar grupos e sujeitos.

Sim…. é possível fazer humor com qualquer tema. Morte, estupro, mulher, homem, gay, judeus ou palestinos. A questão é a forma, a circunstância e o contexto. Se a piada visa humilhar um grupo, sendo apenas um veículo desse ataque, somente os preconceituosos serão parceiros nas risadas. Porém, se a piada serve para puxar o tapete de nossas certezas e nossa arrogância – para qualquer sujeito ou grupo – essa piada precisa ser PROTEGIDA dos batalhões snowflake, pois ela está na essência humanizadora do humor, a mesma que percorria o coração dos menestréis quando ridicularizavam a vida palaciana e apontavam a nudez dos soberanos.

Uma vida onde o humor é sufocado pela simples possibilidade de ferir suscetibilidades é uma vida onde os poderes são estanques, a existência imutável e o sorriso criminalizado.

Quem se leva muito a sério e não consegue rir de si mesmo está condenado a jamais entender sua própria existência, sufocado pelo mau humor e por uma falsa idéia de proteção.

Para exercício de alteridade aconselho refletir sobre os perigos de uma postura pusilânime em relação aos grupos minoritários. E claro, assistam “Humanidades” de Rick Gervais.

E sobre o humor, invoco Belchior:

 

“Não me peça que eu lhe faça

Uma canção (piada) como se deve

Suave limpa, muito linda muito leve

Sons e palavras são navalhas

E eu não posso cantar (contar) como convém

Sem querer ferir ninguém”

Salve o humor.
O humor não morrerá jamais.
Chega de caretice.
Abaixo toda forma de racismo.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos