Arquivo do mês: dezembro 2017

Sobre o mundo virtual

Sobre continuar…

(…ou snowflake activism)

Desculpem a breve intromissão, mas vocês realmente achavam que poderia ser diferente? Acreditavam mesmo que iam mexer nas inseguranças sexuais das mulheres, seus remorsos e culpas, suas alegrias, suas angústias e medos e ninguém ia reclamar? Achavam mesmo que iam tocar no abelheiro dos “podres poderes” da corporação e os “senhores da guerra” não iam atacar com violência desproporcional?

O problema não é a ofensa, nem a grosseria. Também não é a violência de quem não suporta o contraditório. O problema é a ingenuidade de querer fazer omelete sem quebrar a casca do ovo. “Mercenário“, “frio”, “dinheirista, “fingido”? Ora… isso é ofensa? Achavam mesmo que às pessoas iriam respeitar? E por quê? Por serem mães e cuidarem de filhos, portanto “mulheres de bem“?

Ingenuidade. Mexer nas questões do parto é “tiro, porrada e bomba”. Foguete de todos os lados. As mulheres que fizeram cesariana, as que não podem pagar, os cesaristas ofendidos, os neo-humanistas em busca de espaço, os verdadeiramente mercantilistas que acharam um nicho pra grana, as doulas feridas e as abençoadas, enfermeiras e obstetrizes, quem odeia médico e quem os ama demais.

Construir esse caminho é para quem consegue levantar todo ensanguentado, tirar a poeira do corpo, limpar o sangue, cuspir o dente quebrado, levantar a cabeça e seguir em frente no caminho do protagonismo garantido à mulher.

Resiliência.

Não se iludam; um patife virtual é um canalha na vida real. Não me refiro a ninguém em especial mas esta definição está em sintonia com o que vivi nos últimos 20 anos de redes virtuais. Esperar que o mundo virtual seja melhor e mais civilizado que o mundo real é a mais suprema das ingenuidades. Pelo contrário: aqui no Império duro e inexorável dos signos a vida tem muito menos matiz. E o dilema para a manutenção de comunidades temáticas é sempre esse: de um lado o “princípio primordial” (porque estamos aqui? que pode ser parto humanizado, vacinas, amamentação ou tipos de cabelos) e do outro lado “minha expressão subjetiva, meus direitos e minhas necessidades“.

Já participei de grupos que questionam as vacinas em que pessoas entravam para debater o calendário vacinal e onde fazer “aquela nova vacina do HPV”. Em outros grupos de apoio à amamentação algumas mães perguntavam qual o melhor NAN para uma criança de 1 ano. Quando eu (geralmente) ou outro participante questionava a pertinência de tal debate em grupos que combatem o modelo vacinas, fórmulas lácteas e desmames as respostas eram exatamente estas conhecidas por todos. “Eu tenho o direito, não sejam radicais, isto é um culto, é uma religião, não me sinto respeitada etc“. Outra resposta (das mulheres) era: “Vocês precisam ser mais acolhedores com quem traz esses questionamentos“.

Max diria: “Proselitismo equivocado. Seleção pobre de participantes. Excesso de bondade. Falha de função paterna”.

Acho que precisamos acolher tanto quanto educar e colocar limites… mas de qualquer forma a minha larga experiência no assunto determina que ser maleável neste nível ou ser acolhedor e amoroso em demasia só tem um resultado previsível: a morte do grupo. Quando o núcleo duro dos princípios norteadores de qualquer grupo ou associação é atingido então o grupo naturalmente se desfaz; sua razão de existir se destrói. É a explosão da pequena e delicada parte central no coração da Estrela da Morte, mas que constitui sua identidade e seu sentido essencial.

Por esta razão gosto de grupos com administradores sem culpa e que mandam os chatos tomar no fiofó. Eles percebem que mais do que problema pessoal de uma mocinha com “medo de parto normal mas que consulta com o Dr Frotinha” existe a questão da própria sobrevivência de um canal para a difusão de uma determinada ideia ou perspectiva.

No fundo, a dinâmica dos grupos e comunidades sempre será o enfrentamento entre o os ensejos do coletivo e as necessidades individuais.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo

A Execução

Os olhos fechados sobre o inox recebiam da mesa gelada o reflexo das lâmpadas que se penduravam do teto. Nenhum movimento, nem mesmo quando a furtiva mosca pousou sobre o contorno da sua orelha esquerda. Os lábios cerrados mantinham encarcerada a última palavra, ainda repousando sobre a língua descolorida.  Os cabelos já não os tinha faz tempo e a pele há muito perdera sua cor rosada, substituída por uma palidez marmórea.

Seu rosto duro encarava a lâmina giratória à sua frente de forma impassível. As rugas no contorno dos olhos se mantinham estáticas, apontando para a comissura dos olhos de uma serenidade aterrorizante. Nenhuma lágrima e nenhum remorso aparente. Seu crime seria pago com indiferença.

Subitamente o negro manco de avental amassado apertou o botão vermelho na parede ao lado e fez a lâmina girar, e nos assaltou um som de agudo de marcenaria – ou açougue. A sala acanhada se encheu com o ruído fino e envolvente da máquina giratória, enquanto os dentes da lâmina brilhavam ao nosso olhar incrédulo. A execução se iniciava.

Com a mão na nuca do homem ele fez um delicado movimento, empurrando-o em direção à serra circular. Esse nada disse, sequer resistiu. Seus olhos se mantiveram fechados assim como sua boca, talvez por pressentir que seu momento derradeiro se aproximava. O ruído ficou mais intenso enquanto nós, aglomerados no lado oposto da mesa, sentimos os pelos do braço retesarem à espera do inevitável. Aguardamos por um grito, uma resistência, uma queixa que nunca chegaria. Talvez para nós a passividade do homem se mostrava mais brutal do que a pena a ele imposta.

O giro da máquina parecia se intensificar à medida em que se aproximava da face lívida do pobre homem. Nossa respiração há muito parou e as batidas surdas de nossos corações retumbavam pela sala, numa batucada de medo e horror, mas também nos envolvendo em uma excitação inquestionável. Enquanto isso, os lábios pareciam querer beijar a lâmina que se aproximava e, mesmo assim, ele nada disse. Meus ouvidos escutavam o guinchar histéricos dos violinos de Psicose em sinistra repetição.

A loucura foi seu crime. A insanidade levando ao isolamento e ao martírio de uma vida infeliz. Resgatado dos porões do manicômio agora estava ali diante de nós para pagar sua derradeira pena.

A serra impiedosa encostou finalmente seu nariz, bem ao centro. Nenhum movimento, nenhuma sílaba, sequer um apertar de pálpebras. Seguindo seu ritmo ela cortou a cartilagem do nariz enquanto feria o lábio inferior, seguindo-se o superior. O negro executor manteve-se mudo, sem dizer palavra. Havia respeito ou insensibilidade? Ajeitou seu pé manco sob a mesa e imprimiu mais força na nuca do homem, deixando o aço frio atingir a testa, o queixo e separando definitivamente seus olhos. Enquanto a lâmina atingia o pescoço alguém ao meu lado levou a mão à garganta, e a sala inteira pôde escutar seu soluço involuntário.

Mais um minuto e a mão firme do carrasco cortou a última fibra de pele da nuca. Com a mão enluvada apertou novamente o botão e a máquina se calou. De imediato o homem caiu para os dois lados ao mesmo tempo; uma parte de si para cada borda da mesa, exibindo seus miolos, sua mente insana, sua loucura e suas memórias. Fragmentos da sua infância, vida adulta, seus amores e dramas salpicaram na mesa, mas não havia sangue, apenas silêncio.

O jovem funcionário juntou as metades do condenado e as colocou em uma bacia. Nenhuma explicação do que seria feito. Ainda com as máscaras no rosto saímos em fila da sala carregando conosco a certeza de que não há nada que nos ensine mais sobre a vida do que olhar um corpo que ela abandonou, despudoradamente exposto em uma aula de anatomia.

John Avery Smith “The Day When They Sort it Out”, Ed. Printemps,  pág 135

John A. Smith nasceu em Augusta, divisa da Georgia com a Carolina do Sul no auge da depressão americana pós “crack da bolsa”, em 17 de agosto de 1930. Filho de agricultores, muito cedo desenvolveu o gosto pela escrita, sendo o editor chefe do jornal de sua escola o “Old College” em Athens, que posteriormente se tornou a University of Georgia. Foi nessa universidade que ele cursou medicina, tendo se formado em 1956, vindo a praticar em diversas cidades na Georgia e na Carolina do Sul. Seu primeiro livro foi “Amidst the Battle Roar”, um romance sobre um soldado negro desertor na “Batalha de Atlanta” ocorrida na Georgia em 1864. Recebeu o “Prêmio Maccabee de Literatura” por esta obra, o que o estimulou a continuar seu trabalho como escritor ao lado de sua prática médica. Morreu em Atlanta em 1997, aos 67 anos, vítima de um infarto fulminante, logo após escrever seu derradeiro livro (para alguns seu “canto do cisne”e sua obra prima) chamado “Love, Peace and Truth”, dedicado a sua esposa Meggy Weinsbaugh, conhecida novelista. Não teve filhos.

Deixe um comentário

Arquivado em Citações, Livro de Citações

Invasões Midiáticas

Marcel Proust viveu em uma Paris de profundas transformações. Ele testemunhou chegada da eletricidade, da água encanada e dos elevadores. Também viu a troca de bondes puxados a cavalo por carros a vapor e depois eletricidade. Estava na Cidade Luz durante a construção da Torre Eiffel na Exposição Universal de 1889 e na construção da primeira linha de metrô. Não há como duvidar do entusiasmo com a modernidade que inundava o coração dos habitantes de Paris.

Um relato, todavia, sempre me chamou a atenção em um texto de Proust sobre a introdução de uma tecnologia inovadora nos primórdios do século XX. Ele se referia à instalação das primeiras linhas telefônicas na cidade. Curiosamente, ao contrário de tantas outras inovações recentemente introduzidas – como a iluminação pública e os carros – o telefone foi recebido com reservas. Cabe a pergunta: como pode um artefato quase imprescindível no mundo contemporâneo ter sido introduzido na cidade mais mais culta e mais rica do mundo com desconfiança e tão pouco entusiasmo?

A resposta para essa pergunta não está tão distante da nossa compreensão. É fácil entender que o telefone era um artigo caro na época de sua disseminação, sendo apenas instalado nas mansões de pessoas muito abastadas. Nessas casas era comum aos visitantes se anunciarem a um mordomo que posteriormente perguntaria ao dono da casa da possibilidade de atendê-los; esse era o protocolo. Assim sendo, o telefone era visto como uma invasão aos domínios íntimos do domicílio. De posse de uma combinação de números qualquer um passaria a ter o acesso garantido, estaria apto a “entrar” na mansão outrora inexpugnável da elite parisiense. O telefone era visto, então, como uma “bugiganga de novos ricos”.

Hoje em dia o mesmo desconforto nos atinge, e pela mesma sensação de invasão. Repetindo o fenômeno do rádio – e depois da TV – que penetrou nos lares e em nossas consciências, as  redes sociais nos atropelam de informações e publicidades, invadindo nossos lares pelos olhos e ouvidos. A mesma retórica volta, recheada de augúrios catastróficos pela perda completa da privacidade. Talvez um dia isso venha a ser verdade, e um avanço tecnológico seja o portal para a nossa destruição. Por enquanto, com o acúmulo de experiências das quais somos sobreviventes no passado, cultivo ainda um saudável ceticismo.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Estratégia suicida

Que estratégia absurda da República de Curitiba e seus asseclas!!!!!

É óbvio que o ataque insano e imoral, sob a forma de lawfare, contra Lula colocará o judiciário num dilema terrível. Se prenderem Lula – contra a lei e contra as provas – ele será um preso político e a eleição de 2018 será uma fraude. Por outro lado, se ele for inocentado pelas Inúmeras irregularidades e provas de inocência no inquérito, isto significará a total desmoralização de Moro, que ficará para a história como um grande embusteiro e um magistrado comprometido com a corrupção.

Minha impressão é que o TRF4 vai preferir correr o risco da humilhação internacional e o escancaramento do golpe do que desmoralizar Moro e eleger Lula em primeiro turno. O corporativismo vira-lata e a amizade entre os juizes falarão mais alto. A decisão será absolutamente política e nada terá a ver com os autos do processo. A decisão irá confirmar o absurdo de uma condenação sem provas e vai afundar o Brasil no estado de exceção e no golpe.

Em nível internacional nosso país vai despencar vertiginosamente no conceito das nações e o rótulo de “República de Bananas” será definitivamente selado em um país que há pouco mais de uma década era protagonista entre as nações e um exemplo para os emergentes.

Acima de tudo uma grande ironia: quem agora está acusado é exatamente o homem que tornou o Brasil o foco de atenção do mundo inteiro. Lula passará a ser  se um preso político cuja liberdade será requisitada pelas massas na rua em clamor popular.

Dias de revolta, dias de destruição nos aguardam.

FENÔMENO?

Pesquisadores estão inquietos com a nova façanha de Lula: o ex-presidente avança também na classe média; pelo menos três institutos nacionais já detectaram queda da rejeição e alta da aceitação a Lula no eleitorado mais instruído.

No Ipsos, único a divulgar dados, a aprovação ao petista já chega a 35% na classe AB (o índice era de 14% há seis meses) e a 42% nos estratos com ensino superior (26% antes); ao mesmo tempo, sua desaprovação cai em todos os grupos.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Irmão

Concordo…. um dos melhores presentes que uma menina pode receber na vida é a convivência com um irmão (sim, do sexo masculino).

Digo isso porque a experiência com o masculino e a forma de pensar dos meninos e homens vai oferecer a estas meninas-mulheres um antídoto contra o crescente preconceito – falso e artificial – que confunde masculinidade com opressão.  Uma relação saudável, mesmo que conflituosa, com o sexo oposto oferece às ferramentas fundamentais à compreensão empática do outro. Os sentimentos negativos de muitas mulheres contra os homens (e contra o masculino) repousam em experiências negativas ou mesmo na privação de contato com a forma específica de como funciona o pensamento e as emoções masculinas.

Estou falando nessa direção do vetor, mas inequivocamente funciona também para a direção aposta, quando homens são expostos desde cedo ao contato com suas irmãs. A falta dessa experiência primitiva cria o estranhamento – que facilmente se transforma em ódio – na relação com o outro, o diferente.

Aprendizado é bem diferente de boa convivência e muito distinto de dividir tarefas. Muito dos sentimentos negativos das mulheres em relação aos homens no mundo contemporâneo se dá pela falta de compreensão que elas têm de como pensam e sentem os homens. Por isso tantas mulheres dizem para os homens “mudarem” apenas porque não aceitam uma forma diferente de pensar e agir. Vejo isso com tristeza cada vez que uma mulher diz a dois meninos em suas brincadeiras “porque vocês dois vivem brigando?” simplesmente porque não entende a forma física como meninos se relacionam. Também quando olham para os maridos brincando de luta com os filhos e dizem “para que essa brutalidade?”

Ora… isso é a total incapacidade de entender o masculino e suas raízes ancestrais. Uma menina exposta a esse discurso e a corporalidade dos seus irmãos terá mais elementos para entender os homens e sua específica perspectiva de mundo. Pode até ser que se ressinta (quem não??), mas ao menos entenderá como é o funcionamento psíquico dos garotos.

Repito: direi o mesmo para os homens que tiveram irmãs e aprenderam com elas a olhar o mundo pelos seus olhos. Falo mais dos homens apenas porque sinto que as mulheres são mais arrogantes ao pensar que podem entender os homens, enquanto os homens parecem mais convencidos que, inobstante qualquer esforço, é impossível “entender” (e não compreender) as mulheres de forma completa. As diferenças do sexo e da gestação nos afastam de qualquer possibilidade nesse sentido.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Zebras

Uma ideia que escutei em uma palestra do professor Jordan Peterson da Universidade de Toronto a respeito das zebras pode explicar o funcionamento de muitos dos grupos que participamos. As zebras tem listras que poderiam ser entendidas como “camuflagem”, produzidas pelo processo evolutivo para se esconderem dos predadores. Entretanto, é fácil perceber o quão inútil seria essa camuflagem no lugar onde elas vivem, a savana. Uma zebra pode ser vista a centenas de metros em contraste com a vegetação verde ou amarelada de seu pasto. Não parece ser razoável que o processo evolutivo determinasse esta função para as listras.

O leão, sim. O maior dos felinos tem um corpo camuflado que se metamorfoseia com o ambiente, ficando da mesma cor da grama seca.

Há alguns anos, o mistério das listras das zebras parece ter encontrado uma explicação. Estudiosos que investigavam o comportamento social destes animais tinham enorme dificuldade em acompanhar o seu comportamento individual porque, quando tentavam segui-las em seu trajeto, logo as perdiam de vista, confundidos pela semelhança com outros elementos da manada. A solução encontrada foi capturar os animais e colocar neles uma marca, uma pintura na perna ou um piercing na orelha, para que assim diferenciados pudessem ser identificados e acompanhados de longe.

O resultado foi surpreendente e dramático. Os animais marcados eram exatamente aqueles escolhidos pelos leões para serem atacados, e a conclusão óbvia era de que as marcas os deixavam mais facilmente identificáveis pelos predadores. Assim, perceberam que as listras da zebra funcionam como um elemento de confusão para os grandes felinos, e não de camuflagem com o meio ambiente circundante. Os leões perseguiam as zebras diferentes, as reconhecíveis, as que se destacam da paisagem hipnótica das listras.

Os humanos também se comportam assim. Assumimos posições ideológicas e discursos hegemônicos muitas vezes contra as nossas próprias crenças, mas movidos por um sentimento de auto preservação. Adotamos determinados discursos e práticas que nos garantem proteção pelos nossos iguais, pois uma opinião que destoa – ou desagrada – essa maioria pode nos colocar em evidência, levando a ataques tanto de dentro quanto de fora dos nossos grupos.

Assumir posturas contra-hegemônicas demanda coragem e sacrifício. Significa colocar em sua fala a marca da diferença e da afronta ao senso comum, o que torna o sujeito o alvo perfeito para os mais diversos ataques. Por outro lado, são exatamente estes sujeitos que, no relógio lento da cultura, produzirão os saltos quânticos de progresso, mesmo que às custas da dor e da segregação a que inevitavelmente serão submetidos.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

A Rosa

Eu escuto Gênesis, Yes, Chico Buarque. Sou velho. Não, eu não reparei em celulite e nem o rebolado de ninguém ultimamente, mas não é moralismo, é umidade. Quando se tem umidade avançada a gente fica exigente e chato. Como diria Brizola, “eu vim de longe”. Eu estava entrando na puberdade quando apareceu a banda Secos e Molhados com um cara que cantava com voz de mulher. Muito bizarro.

Sabem qual o nome original da banda? “Frescos e Molhados”, mas vetaram o nome para não chocar a sociedade conservadora dos anos de chumbo. Mas lá pelas tantas, vencido pela curiosidade, resolvi escutar o long play (eu avisei que era velho) e uma música me atingiu os tímpanos de forma dramática, deixando uma cicatriz melódica da qual nunca me recuperei totalmente. A música, cuja melodia é de Vinicius de Moraes, dizia assim:

Pensem nas crianças
Mudas, telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas, inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas, alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh! Não se esqueçam
Da rosa, da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor, sem perfume
Sem rosa, sem nada

O cara que cantava era um magricelo “fresco”. Era assim que a gente chamava os caras afeminados, mais tarde chamados de homossexuais, isso tudo antes da eclosão da diversidade, a partir de quando eles ficaram perigosamente próximos. Nada pode ser mais perigoso para as nossas certezas do que a proximidade com o desigual. O respeito ao diferente não é inato; natural é o rechaço. O respeito é aprendido, por bem ou por mal.

Secos e Molhados poderiam ser um sucesso de verão, como tantos que passaram, e os rebolados do Ney estariam hoje nas coletâneas de bizarrices dos anos 70. Porém, havia mais do que trejeitos e performance, havia arte e transgressão, e talvez não haja mesmo arte transformadora que não se arrisque a ofender. Um camarada amigo meu dizia há tempos dizia “não me peça que eu lhe faça uma canção como se deve, suave limpa, muito linda e muito leve. Sons e palavras são navalhas, e eu não posso cantar como convém, sem querer ferir ninguém”

Talvez esses novos transgressores possam ser o portal de uma nova estética que nos oportunize rever conceitos e abrir nossas mentes. Por enquanto permitam-me ser um pouco cético até que surja uma Rosa de Hiroshima para me deslocar o queixo e deliciosamente estuprar os tímpanos.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Presentes

Eu sempre achei a correria de presentes de fim de ano uma angústia maléfica, mais do que desnecessária, que se oferece às crianças. Não é segredo que as pessoas felizes não consomem. Sua realização pessoal e a harmonia de seus sentimentos não gera a necessidade de artifícios externos. Desta maneira,  o trabalho árduo dos publicitários é criar a infelicidade nos consumidores, para imediatamente lhes vender o remédio: “cargo”, a coisa, o produto.

Somos assim guiados por um hipnotismo social consumista que se inicia inoculando a sensação de impotência, falha e falta. O pior é que este padrão se inicia na infância, onde suas raízes são fincadas no solo fértil da personalidade nascente. Não existe nenhum consumista que não tenha o princípio do seu vício muito precocemente estabelecido na primeira infância. Por essa razão eu acredito que afastar as crianças deste tipo de ciclo vicioso de falta – saciedade – frustração é uma tarefa que cabe aos pais iniciar o quanto antes.

Nossa decisão – minha e de Zeza – de abolir os presentes de Natal, dia das crianças e até aniversário, tem uma história. Meus filhos foram os primeiros netos por parte dos meus pais e quando tinham uns 7 e 4 anos começaram a perguntar o que ganhariam de Natal. A partir disso se iniciou um “zunzum” por parte dos avós e das tias sobre quem daria o quê para quem. A Zeza notou que isso passou a ser, além de um assunto entre eles, uma fonte de ansiedade e expectativa.

Havia uma espécie de “cobrança” antecipada, como se as pessoas tivessem que pagar um pedágio pela alegria que o convívio com meus filhos lhes oferecia. Para além disso, havia um comércio velado. “Se você me der um presente eu lhe pago com uma demonstração calorosa de amor“. Quem resiste?

Porém, a pergunta que eu me fazia era: o que, em verdade, era “o presente”? Seria o brinquedo (afeto materializado) ou o amor encenado que eles nos ofereciam em troca? 

Zeza percebeu esse distúrbio e decretou, com seu jeito sempre meigo (irony mode on) de fazer essas comunicações: “Não quero nenhum presente para os meus filhos, senão não viremos à ceia”.

Sargentona… mas hoje acho que a sua decisão foi de profunda sabedoria. Ela sabia que essas atitudes nos pequenos geram comportamentos que muito dificilmente eliminamos na vida adulta. Ela intuía que precisava cortar o mal do consumismo pela raiz e assim fizemos.

Claro que meus filhos ganharam presentes na vida, até hoje, mas nunca determinados por uma data ou por uma obrigatoriedade. Se houvesse necessidade ou vontade isso seria feito, mas procuramos retirá-los o quanto antes de uma vida que ligava felicidade ao consumo de coisas.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos

Não pude evitar

Esse livro é sobre um assassino que estuprava e matava a facadas senhoras idosas em várias cidades da América do Sul. “As véias abertas…” é um libelo em prol da pena de morte e em favor das medicações que controlam os sintomas da menopausa. Henriqueta, a protagonista, sofria de fogachos terríveis e que limitavam suas atividades quando consultou Dr. Mendoza Estibarriga, renomado ginecologista de Santa Cruz de la Sierra.

Todavia, jamais poderia imaginar que ao encontrá-lo encararia a morte de frente, pois ele era nada mais que a outra personalidade do famoso “estripador galante”, que deixava velhas senhoras com ventres abertos enquanto escutava música andina e tocava maracas. Um clássico de terror, suspense e folclore boliviano.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Os Arquivos

Gideon Levy, israelense, jornalista judeu e ativista pela Palestina disse que, apesar da surdez de seus colegas em Israel para o drama palestino, mesmo assim ele não ousa esmorecer em sua luta por justiça, e que diante da aparente inutilidade de seus escritos, escreve para os “arquivos”. Estarão lá, sua vida, seus depoimentos, suas ideias e suas propostas. Um documento para a posteridade, para ser lido talvez após um século, mas um testemunho de luta e de fé.

Eu também escrevo porque sei que serei esquecido. Não tenho a menor dúvida da minha insignificância e da brevidade do tempo que me resta. Escrevo para os “arquivos”, para a ingênua miragem de um velho escriba de barbas brancas que um dia, escavando as profundezas da internet, descobrirá uma voz que se insurgia contra a indignidade da expropriação do nascimento.

Portanto, não é necessário ler, apenas permitam que se guarde.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos