Arquivo do mês: março 2019

Leçons de Mardi

“Uma jovem chegou em coma. A mãe dela avisou de cara que tinha brigado com o namorado e resolveu tomar um copo de manga com leite. De plantão, o cirurgião residente Delmonte Bittencourt, que viria a ser braço direito de Zerbini, pioneiro da cirurgia cardíaca no Brasil, tranquilizou-a:

– Não se preocupe. Recentemente, dois médicos alemães, Billie e Park, estudaram o veneno da manga com leite, e desenvolveram uma injeção que temos aqui.

Aplicou-lhe, então, uma pequena dose de soro glicosado, e a moça recuperou-se em um segundo, serelepe. A mãe cobriu o médico de beijos, agradecida. Assim, os médicos do Pronto Socorro adotaram a expressão Billie e Park (piripaque) em vez do HY (histeria) para os casos de exagerada reação psicossomática, relata o professor Meirelles no Suplemento Cultural da APM.”

Apesar da genealogia duvidosa da palavra “piripaque” (creio mesmo que a palavra já existia e os médicos do Pronto-socorro a usaram para fazer uma brincadeira com o som de dois nomes americanoides) ela demonstra de forma muito clara a crueldade e o desrespeito ancestral que os médicos sempre tiveram com os sintomas emocionais dos pacientes, em especial os fenômenos histéricos. Essa sempre foi a regra em salas de emergência, e pelo visto os relatos são muito semelhantes com os que escutamos ainda hoje: escárnio, deboche, ironia e uma postura de tola superioridade do discurso médico, caracteristicamente pedante, empolado e cientificista. Ao invés de acolher – o que se esperaria de quem respeita a dor alheia – o tratamento se baseia ainda hoje na infantilização do paciente, com procedimentos agressivos, discursos falsos e falas enganosas, mas que servem para ludibriar os pacientes e suas famílias, cujas doenças e sintomas de caráter psíquico desconhecemos o sentido, a historia e seu mecanismo de ação.

“O médico se aproxima lentamente da paciente que jaz imóvel sobre a maca. Seu corpo esquálido comprime o colchonete de curvim surrado que o sustenta abaixo, onde as mãos, como garras, o prendem na maca. Os músculos do rosto retesados e as pálpebras fechadas tremem e enchem de vincos a cobertura dos olhos, enquanto sua respiração vem como um gemido a se misturar com os barulhos estridentes da pequena sala de atendimentos. O médico, parado como um totem ao seu lado, lhe aplica um beliscão no externo, sem que ela pareça reagir. Incomodado com a inação da paciente, olha para a enfermeira e pede que lhe traga “flor de maçã”. Volta o rosto para mim e com um sorriso sarcástico dispara “Quero ver até aonde vai esse espetáculo”. Havia um certo ódio em seu rosto, ainda absolutamente incompreensível.”

A histeria, no conceito freudiano, sempre foi assim tratada nos hospitais de pronto atendimento. Quando eu era estudante de medicina e passava por tais ambientes, os beliscões em pacientes “falsamente desmaiadas” e a “flor de maçã” (um composto extremamente cáustico a base de amoníaco) eram os instrumentos mais utilizados para retirá-las da “simulação” que nos apresentavam. Para nós, seus sintomas não eram “verdadeiros”, como um corte na cabeça ou um braço quebrado; eram mentiras que escondiam suas histórias, simulações grosseiras e encenações grotescas. Era assim que pensávamos, não muito distantes dos conceitos machistas e desrespeitosos do prof. Charcot em sua clínica em Salpêtrière, onde Freud elaborou os primeiros passos de sua teoria da histeria e, por fim, as bases da própria psicanálise.

Tanto quanto a exuberância enigmática dos sintomas histéricos, chama a atenção a resistência em reconhecê-los como sintomas verdadeiros, sofrimento legítimo e manifestação de desequilíbrio do sujeito. Apesar da distância que nos separa das “Leçons de Mardi” onde Freud escutava atentamente as aulas de neurologia de Charcot, nosso medo e ignorância sobre a corporificação de conteúdos afetivos ainda nos causa medo e repulsa.

Mais ainda, nossa reação a um corpo de mulher “descontrolado”, sem prumo, retorcido ou inerte nos angustia exatamente por sabermos, mesmo que de forma intuitiva, que este corpo cruamente erotizado está além de nossa compreensão e controle. Um corpo de mulher livre das amarras sociais e morais é uma ameaça ao patriarcado.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

O Corpo da Mulher

O Corpo da Mulher, por Dráuzio Varella

“Mas, é na gravidez que fica demonstrada a superioridade fisiológica do organismo feminino. Produzem apenas um óvulo, enquanto nos obrigam a ejacular 300 milhões de espermatozoides, para que se deem ao luxo de escolher o mais apto.”


Desculpem, não consigo ver nada de positivo vindo desse sujeito, e não é de agora. Falar que o organismo feminino é “superior” ao masculino é uma profunda tolice. Em verdade, dizer que um gênero (ou uma etnia) é superior ao outro tem o mesmo sentido de discriminação que tanto combatemos. Isso é sexista, mesmo que pareça beneficiar o gênero que em nossa sociedade é vítima de tantas violências. Dizer que o organismo das mulheres é “superior” ao corpo dos homens significa o mesmo que dizer que o corpo do leão é superior ao da leoa por ser “maior”, ou que o do elefante é superior pelas portentosas presas de marfim que ostenta.

Isso é absurdo, e a luta pelo respeito às mulheres e sua fisiologia não pode usar este tipo de argumento – que mais tarde pode cobrar caro ao exigir coerência. Não existe “superioridade”, mas complementaridade no que se refere aos gêneros. Para enaltecer a fisiologia feminina não é necessário comparar com o organismo masculino e desmerecê-lo. Bastam cinco minutos de estudo sobre a fisiologia da espermatogênese e os efeitos da testosterona para ver a maravilha do corpo masculino, tão perfeito quanto o feminino.

Ninguém se torna mais rico chamando de pobres os que o cercam. As maravilhas do corpo feminino não se tornam mais fulgurantes depreciando as características físicas e psíquicas dos corpos e mentes masculinos.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Tango

A Humanização do Nascimento, como qualquer movimento social que desafia sistemas de poder alicerçados sobre o patriarcado e o capitalismo, caminha dois passos para frente e um para trás. Sua diversidade e complexidade, albergando em seu seio correntes e visões bastante diferentes, são suas maiores virtudes, ao mesmo tempo que são seus maiores entraves. Apenas a brutalidade do autoritarismo é capaz de fazer um movimento assim se apressar, mas suas conquistas se tornam frágeis – como nossa democracia – se não tiverem a lhe sustentar a maturação lenta produzida pelo choque incessante (e por vezes enfadonho) do contraditório.

A esperança de um porvir radiante para o parto e nascimento, onde o protagonismo da mulher será garantido por uma visão interdisciplinar e uma prática baseada em evidências, ficará para as próximas gerações. Por enquanto ainda teremos que debater muito sobre papéis, funções, direitos e lugares. Enquanto isso, a violência continuará sendo combatida com tenacidade e perseverança, enquanto os progressos serão como o vai-e-vem dos passos lentos e sensuais de um tango.

Como exemplo dessa dança de idas e vindas faz alguns dias eu li sobre uma médica ginecologista do norte do Brasil que resolveu investigar a possibilidade de o relaxamento produzido pela música auxiliar em casos de apresentação pélvica (bebês sentados). Analisou seis casos na sua clínica nos quais quatro deles mostraram resultados positivos (os bebês migraram para a posição cefálica). Entusiasmada com os resultados dessa abordagem, e perseguindo a ideia de que a posição fetal se estabelece pela presença ou não de sintonia entre mãe e bebê, ela inscreve este estudo de casos em um congresso no estrangeiro para apresentá-lo.

Quando da aceitação desse trabalho foi entrevistada por um jornal de sua cidade. Certamente que, por estar distante do centro do país em uma cidade de pequena expressão, sua presença como expositora em um congresso internacional foi uma notícia de maior relevância local.

Quando a notícia atingiu os defensores da humanização do nascimento ela foi, para a surpresa de alguns, mal recebida. A razão para essas críticas foi que o pressuposto de que a posição fetal era determinada por questões maternas aumentaria nas mulheres a carga que elas precisam carregar. A interpretação de algumas ativistas foi: “querem aumentar a carga de culpa das mulheres, algo que já é por demais pesado”.

A recepção depreciativa do trabalho dessa pesquisadora me deixou inquieto. Afinal, qual o crime de investigar uma forma suave e não intervencionista de virar bebês dentro do útero? Fiquei intrigado com tamanha má vontade pelo tema.

Curiosamente, algumas das manifestações me soaram extremamente parecidas com as opiniões expressas por médicos reacionários a respeito da influência das doulas nos aspectos emocionais e psicológicos das mães durante o trabalho de parto e do parto. Diziam eles: “Agora era só o que me faltava botar uma desqualificada para fazer massagem e vir me dizer que isso vai resolver um transverso persistente. Pufff…”

Fiquei impressionado com o grau de preconceito que (ainda) viceja na humanização do nascimento. Percebi que uma parcela expressiva dos profissionais humanistas não acredita que o estado emocional de uma gestante tem influência em aspectos absolutamente grosseiros do estado físico dela e do seu bebê. Pareceu a mim existir um consenso cartesiano de que os estados emocionais e os aspectos somáticos são vasos incomunicáveis e estanques. Todavia, eu lembro que se apostamos tanto no conceito “mãebebê” não seria de se pensar que as questões que afligem a mãe também se refletiam no bebê? E a forma como o bebê reage a estas emoções – que são estudadas há décadas por psicólogos – não poderia se refletir em sua adaptação no útero a partir de uma adaptação postural reativa à atitude corporal da mãe?

Assim, por que tanta resistência em aceitar as relações entre questões emocionais e físicas? Por que negar com tanta veemência que bebês respondem, já dentro do útero, às manifestações de angústia, medo, apreensão e até alegria de sua mãe? Se alegamos em alguns momentos a unicidade entre mãe e bebê porque a negamos quando as coisas não ocorrem da forma como desejamos?

Eu me pergunto: quem não ficaria entusiasmado caso tivesse no consultório seis pacientes de apresentação pélvica para as quais fosse utilizado música e QUATRO delas virassem o bebê? Mesmo sabendo que isso não tem valor estatistico, não seria motivo de euforia? Não seria um estímulo para se aprofundar no tema? Já vi gente abandonar práticas comprovadamente seguras para a assistência ao parto após o aparecimento de apenas UM caso funesto…

Outra pergunta que me atingiu: por que tamanha insistência no tema da culpa? Será realmente necessário usar essa palavra SEMPRE? Eu creio que continuamos a confundir “culpa” com “responsabilidade” por razões diversas e até mesmo inconscientes, todavia, a insisteência de livrar a mulher da culpa por sua situação acaba produzindo um desagradável parefeito: a alienação. De fato, se acreditamos que as mulheres nunca tem responsabilidade pelo que lhes acontece, já que tudo é imposto a elas pela natureza ou pelo modelo social que as manipula, então jamais poderão ser protagonistas. Isto é: sem assumir a possibilidade de arcar com responsabilidades as mulheres não poderarão alcançar o protagonismo. Não há como ser passiva e exigir o controle de suas vidas.

E, só para terminar, era mesmo necessario mesmo fazer uma queimação pública – com pitadas de escárnio – de uma profissional que se aproxima de muitos temas que nos são caros? Precisava rotular como charlatanismo? Não seria justo lembrar que este foi o tom usado contra a humanização durante 30 anos? Vamos repetir este modelo cibernético de “fritagem de reputações” sempre que discordamos do trabalho de alguém?

Ela é cesarista? Ela promove abuso de tecnologia? Ela objetualiza pacientes? Ou ela pesquisa uma forma de deixar as mulheres mais livres colocando em suas mãos o poder (ou a possibilidade) de mudar a posição do seu bebê?

Será mesmo que haverá um dia em que viraremos o jogo, tomaremos as rédeas, assumiremos a narrativa hegemônica do parto, com plena comprovação de nossas teses mestras e agiremos como perfeitos opressores vingativos contra qualquer proposta dissidente que nos ameace?

Parece que o mestre Thomas Kuhn tinha razão e clarividência.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Linchadores

“Na internet há sempre um linchador de plantão cheio de esqueletos escondidos no armário pronto para jogar acusações vazias em algum personagem que possa absorver suas culpas e aliviar suas angústias”.

Kathleen Papaniakos, “Media, Love and Hate”, Ed. Jasper, pag 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações, Violência

Invasões Bárbaras

As manifestações de médicos atacando os avanços do protagonismo feminino – em especial planos de parto – são parte do velho modelo anacrônico, carcomido, ultrapassado e embolorado da obstetrícia misógina brasileira. Tais profissionais usam a retórica oportunista de se vitimizar, colocando-se como perseguidos e injustiçados por uma horda de mulheres enfurecidas e cheias de “sangue nos olhos”. Posso garantir que mulheres que fazem planos de parto não são movidas por ódio, mas são as pontas de lança da idéia de “gestação participativa”

As acusações contra as mulheres que se informam e reivindicam são pura balela. Quem já passou 5 minutos dentro de um centro obstétrico de hospital privado sabe como acontecem as pressões e os constrangimentos a elas impostos. Estes sequer se iniciam ali; em verdade são o corolário de um processo que começa no primeiro comentário sobre a “bacia pequena”, a pouca (ou muita) idade, os riscos de sofrer todo o processo e não “ter passagem”, a segurança da medicina “moderna” (tecnológica), a crueldade dos partos “animais” e os riscos de ocorrer algo muito grave num parto pela vagina. Sem falar no “estrago” que uma criança é capaz de fazer ao “parquinho de diversões” do marido.

O discurso da obstetrícia nacional ainda é uma expressão de poder que, em cada detalhe – do excesso de exames à forma depreciativa como se descreve o processo de parir – traduz a visão diminutiva que ela (a obstetricia) cultiva sobre a mulher e sua fisiologia. É o que chamo de “misoginia estrutural”

A fala desses sujeitos apenas reproduz o que se escuta na Escola Médica e nos corredores e cafezinhos do hospital. Os médicos são descritos por si mesmos como vítimas de pacientes obcecadas e transtornadas, sem que possam entender de onde vem tanta ingratidão. Não raro culpam a Internet e as “ativistas loucas”.

Ingratas….

Sim, porque para eles cada mulher que vai parir não deve ao seu obstetra menos de que a mais absoluta gratidão por salvá-la de uma natureza má e cruel, que ofereceu como veículo de sua alma nada mais do que uma “máquina defeituosa e ineficiente”.

É contra essa imagem deturpada do corpo das mulheres e o questionamento radical de quem verdadeiramente o controla que se faz um Plano de Parto. É para que os médicos saibam que seu conhecimento tem valor e merece respeito, mas que não está acima da soberania que todos nós temos sobre nossos corpos e almas.

A história lembrará desse tempo como a invasão bárbara sobre o território dos corpos femininos. Lembraremos dessas falas reacionárias como os estertores do domínio espúrio sobre a sexualidade das mulheres. A partir daí um novo tempo surgirá, onde as parcerias serão feitas de forma mais livre e justa, garantindo o respeito pela autonomia, que se manterá pairando impávida sobre todas as palavras e gestos.

E que assim seja.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto