Ofensas e injúrias

(Texto de resposta no Facebook)

Fiquei sabendo por terceiros de graves ofensas e injúrias a que fui submetido por um vídeo postado na internet por uma moça com a qual tive uma discussão pública há alguns dias.  No vídeo ela me trata com inúmeros palavrões e outras palavras de baixo calão, mas acrescenta mentiras graves, sendo a principal delas a de que eu a teria ameaçado assim como a amigas suas. Escrevi tudo publicamente na minha página da internet e em nenhum momento ofendi a honra de quem quer que seja. Tive uma postura clara de discordância mas em momento algum baixei o nível ou ofendi os que discordaram de mim.

Em função disso estou acionando na delegacia de crimes cibernéticos a senhora em questão por ofensa grave à honra.

Tive dois contatos em privado com ela. Eu procurei conversar com ela desta forma para que ela não fosse exposta, e nem seu filho. Na primeira expliquei que não era inimigo dela, mas que expor a vida sexual de um filho menor de idade podia ser problemático. Disse explicitamente “não sou seu inimigo”. Pedi que tivesse cuidado e mostrei artigos do ECA para ela ver que isso é algo muito delicado. Nessa altura já sabia que ela mora em outro país, mas talvez lá a lei seja até mais severa. Não falei de forma ameaçante e sequer irritado. Estava preocupado com os desdobramentos das suas atitudes. Tenho no meu celular esse texto e levarei à delegacia para análise e para que conste nos autos.

A segunda mensagem inbox foi para tentar interromper sua escalada de ódio. Entendi que poderia escrever algo que encerrasse a discussão e parassem as ofensas. Também temia por ela. O segundo texto é esse:

“Sabrina… Eu queria escrever um texto para me desculpar de algumas coisas e acho que deveria ser público. Para isso eu queria te mostrar e ver se você se sente contemplada com ele. Você pode vetar ou sugerir uma modificação em que você se sinta bem. Se você achar que vale a pena eu escrevo e peço a sua licença para publicar.”

Minha ideia era escrever algo como “Desculpe se você se ofendeu. Não era pessoal e eu estava debatendo um fato, nao a sua pessoa. Não desejava colocar dúvidas na sua condição de mãe. Não conheço você mas me desculpe se isso a feriu de alguma forma”. Era um texto genérico para apatar palavras asperas que surgem em qualquer debate, mesmo quando se mantém a discordância do tema central.

Ela não respondeu nenhuma mensagem.

Infelizmente ela fez um vídeo com acusações graves e terá que comprovar isso. Tenho a cópia das duas únicas mensagens privadas a ela.  NUNCA AMEACEI A ELA OU QUALQUER AMIGA SUA. Se ela me acusa disso terá que provar, e as provas de minha inocência as tenho comigo e no post da Internet.

Infelizmente serei obrigado a uma ação enérgica e isso acabará repercutindo de uma maneira que nunca quis (por isso queria terminar o embate em ambiente privado, exatamente por envolver menores de idade).

Obrigado pela compreensão.

Abaixo um resumo do caso.

Há dois dias passados escrevi um texto em resposta a um artigo que li no Facebook de uma moça que falava de sua experiência com o filho de 15 anos. Este queria ter relações sexuais com a namorada de 17 anos e pediu que fosse na casa que mora com sua mae.

Achei que a iniciação sexual de menores de idade podia ser um tema interessante para debater e pensei que muitas pessoas podiam contribuir com ideias e posicionamentos. Não citei a pessoa em nenhum momento, nem mesmo a cidade, o país ou qualquer outro elemento que a pudesse identificar. Também não critiquei a mãe, mas critiquei sua decisão por achar – está é minha tese, bem simples – que a vida sexual se constroi por conquista e não por concessões, e que um menino menor de idade deveria ser protegido.

Fiquei surpreso ao ver que a autora do texto adentrou meu Facebook profundamente indignada dizendo que eu não tinha o direito de critica e sua decisão. Eu discordei e expliquei porque não concordava com sua decisão. A partir de então houve uma chuva de críticas e – certamente – ofensas pessoais, mas achei que essas coisas são naturais no ambiente cibernético e por tocar em pontos delicados como sexo, infância, educação e mulheres. Depois de 24 horas de argumentos eu solicitei que a conversa se encerrasse porque os argumentos estavam se repetindo – contra e a favor – e não havia nada mais a ser dito.

Infelizmente meu filho me avisou que ela publicou um vídeo recheado de ofensas e acusações e distribuiu pela internet e ter suas seguidoras. Entre as ofensas há a acusação de que eu a teria “ameaçado” e também suas amigas. Na verdade eu até mandei uma mensagem inbox (veja abaixo) mas está longe de ser uma ameaça, pois é uma tentativa clara de conciliação.

Diante do exposto esclareço que:

1- Nunca expus publicamente esta moça e nem sabia seu nome, nem mesmo de onde escreveu. Escrevi sobre um FATO: como lidar com a iniciação sexual de menores de idade e me posicionei em desacordo com sua ideia. Não há no meu texto qualquer ataque pessoal a ela, nenhuma forma fácil e simples de identificá-la e – obviamente – nenhuma ameaça ou ofensa pessoal.

2- Não fiz nenhum tipo de ameaça a ela mas escrevi em privado para que ficasse atenta com o que publica na internet pois o tema é muito delicado. Enviei a ela um trecho do ECA para que ela ficasse alerta e deixei claro: “não sou seu inimigo”.

3- Não considero o texto machista porqueTODOS os personagens no texto poderiam ter o gênero trocado e minha opinião seria a mesma.  Disse – em sua defesa – que o fato de não ter um homem para dividir essa decisão a obrigou a tomá-la sozinha. “Duas cabeças pensam melhor que uma”, e que se tivesse ajuda talvez fosse diferente. Não fiz nenhuma crítica a sua qualidade como mãe ou à sua maternagem.

4- Usei um termo feio no início do texto e imediatamente o retirei, pois poderia  gerar confusão. Pedi desculpas pela comparação imediatamente. Foi um erro, mas foi corrigido muito no início.

Por outro lado aceito que errei

Eu deveria ter no mínimo esperado mais para debater o tema. Creio que se trata de um tema importante para mães, país e até avós como eu. Esse tipo de dilema que ela enfrentou muitos irão se deparar e em idades até mais precoces. Acho que ela se ofendeu por ter lido o meu texto como uma crítica às suas qualidades como mãe. Mesmo que eu não tenha feito isso, imagino que ela tenha se sentido mal e por isso a explosão de indignação.

Por fim peço desculpas a ela e espero que ela tome as atitudes adequadas com o vídeo ofensivo que injurioso que postou. Gostaria que a solução fosse a mais branda civilizada possível, sob pena de termos que discutir em outros patamares.

Deixo o meu pedido de desculpas para todos se no debate houve algum excesso de minha parte. Se eu o fiz peço humildemente perdão e o farei explicitamente a quem se sentiu ofendido.

Obrigado
Ric

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo

Mais ecografias

 

Sobre o abuso cada vez mais descarado de ultrassonografias na gravidez:

Não existe NENHUMA base científica para justificar essa barbárie ultrassônica. Isso é uma mistura de capitalismo abusivo com ignorância ancorada na insegurança. Esta insegurança, por sua vez, é produzida pela cultura e amplificada pelo discurso médico, porque os médicos se fortalecem e empoderam quanto mais alienada e assustada estiver uma gestante.

Todos ganham: médicos, clínicas, especialistas, enfermeiras, hospitais, indústria farmacêutica e de equipamentos (a que mais lucra) e a medicina como biopoder. Só perdem mães, bebês e a sociedade. Justo, não lhes parece?

É um absurdo. Cada vez que um médico chefe ou um gestor estabelece esse protocolo insensato e sem embasamento o seu Toshiba e o seu Siemens abrem uma garrafa de Champagne Moet Chandon e caem na gargalhada.

Quando uma mulher chora ao ver seu bebê no aparelho de ultrassom ela quase sempre chora de alívio, e não de emoção. O trabalho de destruir sua autoconfiança como mulher e gestante a leva a depender das máquinas para construir uma segurança que a medicina e a cultura retiram dela.

Peço licença para fazer uma analogia: Se houvesse um leite que fosse absolutamente igual ao leite materno sem NENHUMA diferença entre as composições, acreditas que não faria diferença alguma entre essa variedade e a natural?

Existe muito mais do que um exame em qualquer exame. Um exame, assim como o ato de amamentar carregam significados que extrapolam sua operacionalidade. Eles agem no simbólico, ultrapassando os limites de sua ação física e funcional. Dar uma mamadeira e fazer ecografias simbolizam a defectividade essencial da mulher, que precisará dos recursos outros (a tecnologia) para dar conta de suas questões fisiológicas de gestar e maternar. Esses simbolos REFORÇAM a imagem diminutiva da mulher na cultura por colocá-la como essencialmente incompetente para dar contas, por si mesma, dos seus desafios de mulher.

Não se trata de permitir ou não a realização de um exame. Nesse aspecto é igual ao abuso de cesarianas. É óbvio que existem malefícios nesses abusos e que precisam ser criticados à exaustão, mas ainda prefiro mulheres livres para tomar decisões erradas e tolas (na minha perspectiva e na da ciência). O texto não tangencia a questão de cercear escolhas, mas infere que essa “escolha” NUNCA é totalmente livre e sofre condicionamento da cultura e do médico enquanto significante. E este médico tem muito a lucrar com isso, por esta razão estas opções tem aspectos éticos relevantes.

Uma ultrassonografia expropria simbolicamente a gestação de uma mulher ao colocar esta relação intermediada por uma máquina. Tudo o que ocorre depois disso é marcado por essa intervenção invasiva, em maior ou menor grau.

O discurso médico é a tradução da visão de mundo da medicina ocidental contemporânea com a qual convivemos. Mesmo sendo diverso e plural não é difícil traçar uma linha que nos conduz à fala da Medicina na cultura. O mesmo e pode dizer do discurso jurídico ou político.

Dizer que não existe um discurso médico dominante – que é iatrocêntrico, etiocêntrico e tecnocrático – porque existem médicos que “respeitam pacientes e evidências” é o mesmo que negar a supremacia da visão alopática porque conhece alguns homeopatas; é o mesmo que negar o machismo porque alguns amigos lavam a louça…

Na obstetrícia a existência de hospitais com 90% de cesarianas sepulta essa discussão. Houvesse respeito pelos pacientes como DISCURSO HEGEMÔNICO e isso jamais seria admitido ou tolerado.

Eu entendo o cuidado para não afastar os bons médicos com essa perspectiva e esse conceito mas na minha opinião os bons profissionais são capazes de fazer mea culpa e exercitam a autocrítica. Nenhum bom médico que conheço nega a crise ética da medicina, que nada mais é do que um dos milhares de braços da crise do capitalismo mundial.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

A Primeira Vez

 

Li o texto de uma jovem mãe de adolescente descrevendo sua liberalidade ao se defrontar com a primeira relação sexual do filho de 15 anos (???) com sua namorada de 17.

A justificativa que ela usa para facilitar – ou colaborar – para o encontro sexual do filho (não vou nem mencionar o fato de ele ser menor de idade para não misturar os assuntos) é o fato de ela ter sido criada por uma família muito conservadora (um clichê previsível) em que as primeiras experiências sexuais foram cercadas de tabus, angústia e sensação de culpa. Tudo precisava ser feito às escondidas, “rapidinhas” na escada do prédio, beijos roubados, sempre com medo de ser descoberta e tudo cercado de muita ansiedade. Por essa razão ela decidiu que com seus filhos seria diferente.

Percebi que muitas moças comentaram o texto saudando a postura “moderna” e “descolada” da jovem mãe. Muitas entendem que essa facilitação seria uma atitude que “descriminaliza” o sexo, tornando-o menos culposo, portanto, mais prazeroso.

Talvez na ideia de “prazer” tenha se estabelecido o meu desconforto definitivo com o texto.

Primeiramente, sua descrição dos “problemas” encontrados para seus encontros sexuais iniciais são as mais cálidas, intensas e eróticas lembranças que eu carrego. Acredito que muitos outros leitores daquele texto também pensam assim. É exatamente a dificuldade e toda a planificação necessária para esse encontro rápido e furtivo que conferiam àquele momento sua significação. Da mesma forma, é a brevidade da vida o que lhe confere o valor. O sentido erótico desses encontros é posto pela conquista, não tem valor isolado. Aí está o gozo envolvido, e por isso meu desconforto com a busca pelo “prazer”, pois não é dele que lembramos hoje, tantos anos passados.

Outro fator que me incomodou foi a tentativa amorosa, porém ingênua, de facilitar a vida dos filhos, o que configura a atitude das mães em especial. Freud dizia serem elas o “princípio do prazer”. O texto da articulista deixava para mim explícito a cada linha que essa decisão era exclusivamente dela e que não havia na casa um homem para ajudá-la a decidir; houvesse um e talvez a história fosse diferente. Duas cabeças sempre vão pensar melhor que uma só.

Sim, eu discordei do teor do texto de forma peremptória. Não vejo razão alguma para facilitar a vida sexual de um filho (em especial para um menino de 15 anos!!). Pelo contrário; vejo boas razões para dificultá-la – dentro de alguns limites. Também não acho adequado facilitar a vida profissional deles, pelas mesmas razões.

Para dizer isso invoco alguns princípios que considero importantes. O início da vida sexual de um adolescente é uma TRAIÇÃO ao amor parental e deve ser encarado com essa gravidade. A primeira transa de uma menina é uma ato de rebeldia e de ruptura com os laços afetivos com seu pai e por isso é significativo. Para um menino representa a ruptura da sua relação edipiana com o primeiro amor de sua vida – a mãe. Esses passos em direção à maturidade devem ser CONQUISTAS e não concessões. É pela dificuldade da ruptura que eles adquirem seu valor e importância. Temo muito pelo desejo de quem não precisou mentir um pouco, ludibriar e enganar seu “antigo amor” na busca por uma relação mais madura. Que valor se estabelece sobre algo que se ganha sem esforço?

Apesar de reconhecer exageros do patriarcado – como castigos, humilhações (públicas ou privadas), rupturas, etc – eu me nego a discutir este aspecto do problema, pois não é isso que me move. Para isso existe a lei e o bom senso. Quero debater apenas a facilitação sobre um ato que, ao meu ver, NÃO deve ser ajudado, mas conquistado e batalhado. Afinal, ele estabelece uma ruptura grave com um modelo afetivo que sustentou o sujeito por toda a infância.

Para finalizar eu creio que não existe nada mais excitante ou estimulante do que recordar as dificuldades envolvidas nestas primeiras experiências. É exatamente isso, e não a relação sexual em si (muitas vezes dificultosa, pela inexperiência), que mantém essas lembranças como quadros perenes na parede de nossas emoções mais significativas.

Facilitar uma conquista dessa envergadura para os filhos pode lhes oferecer uma visão errada do sentido e da importância do passo que estão dando.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Império dos Afetos

Minha experiência sobre “trocar de opinião” sobre alguém é que tal transformação na percepção do outro nunca se dá em nível racional. Qualquer explicação lógica sobre as virtudes de um desafeto ou as falhas de alguém que admiramos – em nível cognitivo – é absolutamente inútil e infrutífera. A mudança só ocorre num nível muito mais profundo, necessariamente afetivo e emocional.

Lembro sempre da história que o meu pai contou sobre seu encontro com o governador Ildo Meneghetti nos anos 60. Na época meu pai era um jovem funcionário das centrais elétricas do RS e com ideias de esquerda. Ora, quem não? Ildo representava a política conservadora de direita udenista (UDN) e era o inimigo da esquerda local. Para melhor compreensão, seria como imaginar um sujeito de esquerda como eu se encontrando com Gilmar Mendes. Meu pai foi à reunião marcada com o governador cheio de pedras para atacar sua postura política e quando começou a reunião já tinha engatilhados na ponta da língua argumentos ferozes contra o chefe de estado.

Passaram-se os minutos e o contato pessoal com o governador “direitista” foi revelando um sujeito que se afastava do personagem construído por anos de animosidade. Afável, gentil, democrático e bem humorado. Meu pai o descreveu como “encantador”. Para um “esquerdista” isso seria uma ofensa. Entretanto, ele percebeu que a mudança na visão que tinha do velho líder só foi possível graças a este contato face a face. Nenhuma explicação seria capaz de produzir tal efeito.

A energia complexa dos encontros pessoais é que nos possibilita essa mudança que, como dito anteriormente, só pode ocorrer pela via do afeto.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

King Kong

No filme King Kong de Dino de Laurentis (Jéssica Lange e Jeff Bridges – 1976) a captura da fera se deu através de uma armadilha simples, porém engenhosa. Foi atraído para um buraco na floresta onde o gigante caiu ao perseguir membros da expedição. Logo depois foram jogadas “bombas soníferas” que liberaram um gás que o fez dormir.

Corta a cena e vemos King Kong amarrado e imobilizado com grossas correntes no porão de um navio em direção à Nova York do início do século XX. Sua chegada à “esquina do mundo” serviria como rentoso espetáculo à uma sociedade ávida por produtos exóticos do “continente negro”.

Corta de novo a cena para 2017. Minha mãe com 86 anos e com demência senil cai em casa e não consegue se mexer. Sente dor nas costas. Uma ambulância a leva para o hospital, depois de 4 horas de espera. Lá contata-se uma pequena fratura na vértebra lombar, e o tratamento deverá ser apenas repouso em casa. Após a liberação pelo traumatologista nos deparamos com duas possibilidades: aguardar mais 4 horas por uma ambulância que a levariacde volta para casa ou colocá-la no carro e levarmos nós mesmo.

Escolhemos a segunda opção. Eu e meu irmão Marcus, auxiliados por dois enfermeiros, a colocamos esticada no banco de trás do carro. Minha mãe é miúda mas pesa 65 kg. Rodamos uma dúzia de quadras e chegamos na casa do meu pai. Tivemos uns 15 minutos de debates para escolher a melhor estratégia é decidimos por envolvê-la em um lençol e carregá-la assim até o elevador, cada um de nós segurando em uma ponta, enquanto meu pai, de 87 anos, ia abrindo as portas. Foi extremamente exaustivo porque a cada passo ela reclamava de dor e se sobressaltava.

Depois de algum tempo conseguimos colocá-la na cama, dolorida, assustada e cansada.

Nesse momento me veio à mente o filme que vi no dia 15 de julho de 1977, mas não me lembrei da beleza estonteante Jéssica, e sim da inquietude que tive ao sair do cinema.

Depois de assistir ao filme fiquei com uma duvida que me segue até hoje. Como você retira um monstro de 30 metros de altura, desmaiado e molengo, de dentro de um poço profundo e o coloca no porão de um navio, usando a tecnologia do início do século XX?

Se carregar uma simples pessoa para fora de um carro foi um enorme e cansativo desafio, como seria possível dar conta desta tarefa?

PS: para quem conhece a Dona Elba ela está bem, só precisa repousar. Foi apenas um susto.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos