Felicidade em Cápsulas

A tese do Peter Gotzsche é de que os psicotrópicos usados da forma como o são fazem muito mais mal do que bem. Eu creio que há espaço para as drogas no psiquiatria, mas tenho certeza do que o abuso de prescrições de medicamentos dessa área produz na civilização. Eu diria o mesmo da medicina aplicada ao nascimento humano: por certo que há espaço para a intervenção, mas o abuso é tão marcante que é difícil dizer o quanto de malefício ele já fez e faz para a fisiologia do parto.

O resultado, no que diz respeito ao parto, é que perdemos totalmente o contato com a realidade do nascimento. Perdemos seu odor, seu clima, sua temperatura e gosto. Nós, médicos, só conhecemos a sua representação, seu simulacro, sua imagem refletida na parede da tecnocracia. Continuando o raciocínio do articulista Dino Felluga, no seu artigo “Matrix: Paradigma do pós modernismo ou pretensão intelectual?”, “fizemos um roteiro tão assemelhado com a verdade que aquele se justapôs a esta. Hoje em dia, a realidade é que se desfaz por entre as linhas riscadas do mapa”. Mentimos o parto, falseando a natureza. Mais ainda: ao encobrir a realidade com as múltiplas capas da tecnocracia, fizemos desaparecer do horizonte a pureza da manifestação natural de um fenômeno corriqueiro que, de tão artificializado, que agora é o normal que causa estranheza.

Peter Gotzsche fala, em verdade, de uma indústria farmacêutica inserida no capitalismo que perdeu completamente os limites éticos. Os psicotrópicos se tornaram os “chá de Melissa” da pós modernidade, com a diferença que seus efeitos deletérios são muito mais graves e permanentes. Como eu disse, em mãos muito ciosas e cuidadosas podem oferecer benefício; entretanto, com o bombardeio de propaganda que vincula essas drogas à “felicidade encapsulada”, não basta apenas médicos conscientes, senão que nos fazem falta pacientes que tenham a proteção adequada para enfrentar o canto da sereia da BigPharma.

O problema não está na psiquiatra, na doença mental e sequer na droga: a crítica se concentra no uso abusivo das drogas psicotrópicas e seu efeito deletério em milhões de pessoas pelo mundo. Está muito clara a queixa no livro do Peter Gotzsche, o qual eu recomendaria, assim como recomendo igualmente o da Márcia Angell sobre a falta de critérios para a liberação de medicamentos e os estudos de baixíssima qualidade que os sustentam. Para muitos pesquisadores o problema é tão grave que a completa proibição de qualquer droga psiquiátrica produziria mais benefício do que malefício, tamanho é o estrago que podem causar em mãos pouco hábeis.

Não se trata de criminalizar a psiquiatria ou de estigmatizar a doença mental, mas olhar com cuidado especial a “drogadição legal” e a medicalização extremada da sociedade. O uso de Ritalina por colegiais americanos deveria nos servir de alerta de que há muitos anos ultrapassamos os limites do aceitável. Debater abuso de drogas prescritas é um dever de quem trata pacientes com o uso de medicamentos. Sei do cuidado que muitos médicos conscientes têm com essa questão e entendo a preocupação com os rótulos, mas isso não impede que o uso abusivo de drogas psicotrópicas tenha atingido níveis epidêmicos. Propaganda e uso descriterioso são as principais fontes desse problema.

Não é justo e nem necessário colocar o psiquiatra como “cruel” ou “abusador”. Pelo contrário: ambos, médicos e pacientes, são reféns de uma indústria gigantesca, poderosa, antiética e voraz. Em verdade, Peter Gotzsche também encampa esta minha tese: somos todos – pacientes e médicos – vítimas do capitalismo aplicado à saúde, com suas inquestionáveis consequências nefastas.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Porque sim…

Seja franco, mas não abra mão de ser objetivo e honesto. Não permita que sua franqueza se transforme em grosseria, e nem permita que aquela seja escudo desta. Responder a uma pergunta dizendo “porque eu quis” não ajuda em nada e desvela uma insegurança travestida de empáfia.

Essa réplica não explica suas razões de ter feito algo, mas apenas expressa seu direito de fazê-lo. Assim, “por que você saiu?” não cabe ser respondido com “porque eu quis“, mas deve incluir o motivo que o levou a tomar esta atitude. Poderá ser “porque resolvi dar uma volta”, “porque estava quente”, “porque precisava de ar”, etc. Dizer “porque eu quis” apenas afronta e irrita quem questiona, pois é uma resposta que não tem nada a ver com o que foi perguntado.

Já responder com um simples “não estou a fim” diante de um pedido pode ser dito assim mesmo – pois expressa sua falta de motivação – mas também pode ser explícito e incluir a verdadeira razão. “Não estou a fim porque o programa não parece bom”. “Não estou a fim porque não vale a pena o esforço” ou “Não estou a fim porque quero dormir agora”.


Ser objetivo e sincero é sempre mais difícil, mas ainda é o melhor caminho.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

SK8

Não romantizem demais o skate. Não acreditem que a “cultura do skate” é diferente das demais. Ora, não haveria porque ser assim. A nossa medalha de prata foi ganha por uma criança de 13 anos. O que ela diz é porque ela é uma garota pré adolescente, não por que o skate é “solidário”, “não competitivo” ou diferente dos outros esportes. O que hoje se diz do skate ontem era dito do surf, mas o tempo mostrou que não há uma “cultura” diferente quando existem disputas, vitórias, prêmios, fama, medalhas, glória… e dinheiro.

Olhem para o lado e vejam que entre os homens esse mesmo esporte se comporta como qualquer outra modalidade tradicional de competição. Isto é, brigas, tretas com publicidade, luta por espaço e exposição, favorecimentos, ressentimentos etc. Quando esses elementos todos se misturam a pureza toda se desbota e aparece a face menos fantasiosa do esporte.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Cambalhotas

E se eu lhe pedisse para virar uma cambalhota, você viraria?

Havia (creio até que já faleceu) em minha cidade um obstetra bastante famoso e conhecido. Apesar de não ser da Academia – um passo importante para a notoriedade – ele atendia pessoas da alta classe, assim como artistas e pessoas da mídia. Era por certo um obstetra tradicional: tinha mais de 80% de cesarianas, fazia todas as intervenções da moda, preferia cesarianas aos partos normais e quando os realizava fazia uso do pacote completo das intervenções sem embasamento. Usava da mitologia do “imperativo tecnológico” mas era muito bom para lidar com a imprensa e para convencer suas pacientes a lhe escolherem como profissional. Uma vez indicou a cesariana de uma artista da TV dizendo que teve que fazê-lo porque o bebê estava “embolado de um lado só da barriga”, o que demonstra como ele usava de factoides para explicar suas intervenções. Porém, estas são histórias corriqueiras de profissionais inseridos no paradigma intervencionista, que enxergam no nascimento um “ato médico” e que – mesmo sem o saber ou dizer – não acreditam na capacidade das mulheres de parir e gestar com segurança.

O que eu achava curioso e didático desse médico em especial é algo que duas pacientes me contaram a respeito de seu atendimento. Quando a gestação se aproximava do final, ou seja, quando as contrações poderiam ocorrer a qualquer momento, ele se sentava à frente da paciente e lhe fazia a seguinte pergunta:

– Diga-me uma coisa; se durante sua internação no hospital eu pedir que você vire uma cambalhota, o que fará?

As pacientes eram surpreendidas com sua pergunta e algumas retrucavam “Mas por que o senhor me pediria tal coisa”, ao que ele respondia que não importava a razão para isso, apenas queria saber o que fariam em resposta ao pedido. Por certo que a maioria respondia “O senhor é o meu médico e a pessoa em quem confio para fazer o meu parto. Apesar de estranho, se realmente houvesse esse pedido eu viraria uma cambalhota”.

Diante dessa resposta ele sorria e deixava claro “Então você pode ser minha paciente”.

Percebi que ele fazia essa pergunta para muitas – senão todas – pacientes porque duas delas (que não se conheciam) me disseram que a ouviram durante uma consulta. Ambas responderam “não” e a partir dessa negativa ele se mostrou rígido e insatisfeito. Elas preferiram não voltar mais lá.

Todavia, essa pergunta sempre me inquietou pelos seus significados mais profundos. Em verdade, o que ela busca é uma adesão visceral e irracional dos pacientes para com a autoridade médica. Ela me faz lembrar a frase do grande tribuno cartaginês Tertuliano:

Natus est dei filius; non pudet quia pudendum est; et mortuus est dei filius; prosurs credibile est, quia ineptum est: et sepultus resurrexit; certum est, quia impossibile.” (Creio porque é impossível – ou absurdo. Morreu o filho de Deus, isto é perfeitamente crível, porque é absurdo. E, sepultado, ressuscitou; isto é certo porque é impossível.)

O que o médico exigia de suas pacientes era nada menos do que uma declaração de fé ao nível da irracionalidade. “Creio em si, mestre, porque é absurdo. Uma gestante virar uma cambalhota isto é perfeitamente crível, porque é absurdo”. A intenção era determinar o absoluto apoderamento do desejo alheio, a demanda por uma completa rendição à vontade do mestre, a ponto de que uma ação absurda se tornasse plena de sentido. É a mais vibrante demonstração da alienação e da expropriação da autonomia de um sujeito que eu já presenciei, mesmo que pelas palavras de quem a testemunhou. A obediência cega aos comandos se tornava válida e poderosa exatamente por ser um pedido absurdo, o que demandaria uma fé tão poderosa a ponto de fazer a própria lucidez e a noção de ridículo serem deixadas de lado.

A frase do médico em verdade ficou marcada na minha memória não pela originalidade da intenção, mas tão somente por ser demonstrá-la de forma explícita. A arte médica, durante milênios, se caracterizou por este tipo de proposta. “Creia em mim, eu sei o que estou fazendo. Não tenha medo”, Ou então, diante da mais sutil desconfiança das ordens de um médico, este retrucaria: “Eu sou um médico, não um charlatão”, parafraseando o Dr. Valcourt, na novela “O Preço de uma Vida” de 1965.

Por isso é que a proposta de garantir o protagonismo aos pacientes – em especial às mulheres – encontra tanta resistência. É necessário romper uma prática milenar calcada na objetualização dos doentes e na expropriação de sua autonomia tão intensa que quase se confunde com o próprio exercício da medicina. Imaginar uma medicina igualitária e não autoritária – mesmo em se observando a essencial transferência – demanda esforço de imaginação, pois que dificilmente ela se expressa assim. Não poderia haver surpresa que médicos ainda se sustentem pelo antigo paradigma.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Político ladrão

– Ahhh, mas esses políticos são todos ladrões…

Se você acredita nisso, pare de votar na direita e vote em alguém parecido com você. Isto é: alguém pobre. Ou melhor: candidate-se e faça o trabalho que eles não estão fazendo. Participe. Pare de votar em ricos e filhos de papai. Vote em trabalhador, dona de casa, operário ou alguém pobre e honesto para lhe representar, desde que tenha ideias inovadoras e que representem seus anseios de uma cidade, estado ou país mais justos. Pesquise as ideias do partido e sua visão de sociedade. Filie-se. Participe. Seja parte da transformação social, e não um entrave às mudanças. Não caia na conversa de gente que parece boa só por que distribui ranchinho ou lhe oferece vantagens e favores. Pense no político que melhor representa a COMUNIDADE inteira, e não apenas a sua corporação ou seus interesses pessoais. Não confunda assistência social com política. Político que faz serviço miúdo pra comunidade é apenas clientelista. Um verdadeiro político pensa nas estruturas sociais profundas, e não em casos isolados ou pessoais.Vote com consciência e pensando em todos.

Deixe um comentário

Arquivado em Política