Onde você está?

O isolamento me impede de visitar o meu pai. Com 90 anos, lúcido, sobrevivente de um AVC (que não deixou sequelas físicas) e confinado em casa, recebe apenas a visita da minha irmã. Desde que enviuvou há algumas semanas não saiu mais de casa. Nossas conversas são agora por telefone e, quase sempre, acabam na política. Eu “comuna”, ele um “coxinha”. Por vezes a conversa fica áspera, mas eu entendo o porquê. Ele deve pensar: “Daqui a pouco vou morrer e vou deixar esse comunista desamparado”.

Ontem foi a mesma coisa. Risadas, histórias, críticas e a espiral concêntricas sobre crise-capitalismo-Lula-comunismo. Ele se irrita com o meu idealismo, que lhe parece estéril. Eu me incomodo com sua cabeça dura para aceitar as mudanças necessárias – e inevitáveis. Por outro lado, esse confronto de ideias sempre foi uma marca da família; somos uma família de conversadores e debatedores. Ninguém fica bravo com os exageros retóricos alheios. Como ele sempre diz, “os debates se concentram apenas no terreno das ideias”.

Ontem, depois de quase duas horas de conversa animada a ligação caiu…

– Alô? Pai, está aí?
Silêncio…

Resolvo ligar de novo. Ele atende.

– Puxa, tua irmã ligou e caiu nossa ligação. Ela está chegando aqui com as compras.
– Não tem problema pai, eu tenho mesmo que almoçar, disse. Até outra hora. Assim que passar tudo eu e o Lucas vamos te visitar.

Ele ficou uns segundos em silêncio e perguntou:
– Onde tu estás?
– Ora, na Comuna. Não saio daqui há quase um mês. Estamos completamente confinados.
– Na comuna? Não pode…
– Por quê?
– Tu foi no banheiro? Está ligando daí? Há 5 minutos atrás estavas aqui comigo, conversando na sala!!

Não consegui conter a risada…
– Pai, a gente estava conversando o tempo todo pelo telefone!!
– Sério? (escuto ele levantar para ver se tem alguém no banheiro). Bahhh, a conversa estava tão animada que achei que estavas aqui comigo. Diz isso e cai na gargalhada. Eu também…

Acho que envelhecer bem é conseguir rir até das suas próprias limitações….

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Oração de Santo Euphrásio

“Não coloque sua vida nas mãos de ninguém, vivo ou morto. Beba de todas as fontes sem jamais deixar que qualquer visão de mundo, por mais justa e adequada que lhe pareça, o faça esquecer a infinita pluralidade de perspectivas. Nunca atue porque Jesus, Maomé ou Buda assim o determinaram, mas porque suas ações servem ao crescimento, ao bem comum, à vida e à própria humanidade.

Seja fiel à si mesmo, mais do que a qualquer imagem ou ideia. Esqueça todas as idolatrias, pois que elas limitam teu escopo de visão sobre a realidade. Creia na verdade e desconfie de todos os seus mensageiros.

Amém

“Integram Sanctim opera Euphasio”, Ed. Capitolium, pag. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Les Mystéres des Voix Bulgares

Já que estão falando de música sertaneja e seus desdobramentos na cultura permitam-me que eu fale um pouco dos meus gostos estranhos para música. Sempre gostei de música vocal, acapella, corais, etc. Por certo que foi herança do meu pai que curtia músicas religiosas “gospel” tipo “Kings Heralds” ou “Arautos do Rei” – sua versão brasileira – e também música alemã de coral. Por causa dessa influência muito cedo descobri Joseph Shabalala – falecido em fevereiro 2020 – e os “Ladysmith Black Mambazo”, e o fiz antes de Paul Simon. Também curtia “Take 6”, “Boca Livre” e até “Da Boca pra Fora”, do meu amigo Lúcio Santos.

Entretanto, há uns 25 anos atrás meu caiu às mãos uma crônica de Tárik de Souza (escrita na Veja, quando esta revista ainda era um semanário de qualidade) sobre “Les Mystere des Voix Bulgares”, um grupo de mulheres que cantam músicas folclóricas da Bulgária. Poderia ser mais uma coluna de crítica musical elogiosa a um grupo que mantém intactas as tradições de seu país, ou sobre o ressurgimento de músicas folclóricas e tal. Mas não… Tárik falava de uma “sonoridade diferente” daquela conhecida no ocidente. Algo estranho de escutar. Falava de uma música chamada “Sekoj Fali” como “a entrada em uma nave espacial que, solta pelo éter, produz uma forma especial de conjugar sons e palavras, timbres e silêncios” (é o que minha memória reteve de suas palavras).

Fiquei muito intrigado com sua descrição, e totalmente tomado de curiosidade. “Como pode haver uma sonoridade desconhecida, que poderia até soar agressiva aos nossos ouvidos?‘. Li também que se tratava de um grupo formado apenas por mulheres, sem vozes masculinas. Comecei a procurar o CD (sim, já existiam) até que encontrei um lugar que os vendia, que mandei buscar fora do Estado.

As músicas me arrebataram por completo. Realmente, uma viagem lisérgica e estranha. Fiquei completamente chocado pela emoção que as músicas – cujas letras eu não entendia uma palavra sequer – me transmitiam. Foi uma descoberta impressionante.

Muitos anos depois, em 2012, recebi o email de uma querida parteira búlgara chamada Olga Ducat que havia lido o capítulo que escrevi no livro de Robbie Davis-Floyd (chamado “Team Work”) e desejava conhecer o modelo de trabalho transdisciplinar que havíamos implantado em Porto Alegre, com parteiras, obstetras e doulas trabalhando em horizontalidade e de forma cooperativa. Olga ficou sabendo que eu estaria dando um curso de Educadoras Perinatais em Portugal e assim solicitou que déssemos uma “espichada” até Sófia, na Bulgária, para apresentar um workshop e uma série de palestras no congresso que estava organizando.

Evidentemente que aceitei sem pestanejar, e a primeira coisa que me veio à mente foi a possibilidade que conhecer o “Mistério das Vozes Búlgaras“. Pedi para Olga e sua amiga Liubomira Lilova para verem da possibilidade de conseguir ingressos para um show delas, caso houvesse algum durante nossa estada de apenas 1 semana na capital búlgara.

Foi exatamente o que aconteceu. Mal descemos do avião e lá estava Olga para nos receber. Fomos ao hotel, deixamos as roupas e malas sobre a cama e rumamos céleres para um gigantesco teatro no centro de Sófia. Com Liubomira ao nosso lado, assistimos eu e Zeza à apresentação das mulheres de vozes misteriosas e belas. Não consegui parar de chorar durante toda a apresentação, o que é constrangedor e ridículo, mas honesto.

Perguntei para Liubomira se é comum elas se apresentarem em Sófia, ao que ela me respondeu: “Pelo contrário. Faz uns 4 anos que elas não tinham apresentações públicas. Foi muita sorte de vocês“.

Não foi sorte, foi um milagre….

Deixo aqui a música Izlel e Délio Hajdutin, uma música de amor, que fala do romance entre Délio, líder da guerrilha búlgara, por Gyulsumé, torturada pelos exércitos otomanos, mas que se manteve fiel ao seu amor pelo guerreiro libertador.

Existem muitas lendas sobre Délio. Esta música se refere à lenda sobre sua morte, embora seu fim trágico não seja mencionado diretamente. Acreditava-se que Délio era invencível – nem bala nem espada poderia matá-lo. Assim, seus inimigos, os anciãos de Zlatogrado, subornaram (ou forçaram) uma velha a implorar (ou roubar) dele uma moeda de prata. A bala de prata forjada com aquela moeda matou Délio enquanto ele relaxava ao pé de sua pedra favorita, junto ao rio. Sua amada, Gyulsumé, o alertou sobre a emboscada, mas ele não deu atenção ao seu aviso, pois pensava estar protegido pela anistia do sultão, anunciada recentemente.

Diz-se que a rocha, chamada Pedra de Délio, sangra – fica coberta por orvalho sangrento – todas as manhãs de sexta-feira

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Os gays na caserna

Quando vejo os trejeitos do presidente, sua fixação anal, seus temores expressos e seu horror à homossexualidade misturados com suas piadas e declarações homofóbicas eu lembro do tempo em que fui militar – tenente médico da gloriosa Força Aérea Brasileira – e pude observar por dentro da caserna como estas questões eram vistas e tratadas.

Minha turma de oficiais da reserva era formada por garotos de 24 a 32 anos recém formados em medicina, odontologia, cartografia e engenharia. Éramos não mais que meninos que durante o treinamento nos comportávamos como adolescentes. Moleques, alegres, entusiasmados, curiosos e arrojados, tínhamos a vida inteira pela frente, com toda a carga de expectativas, sonhos e dúvidas.

O mais velho dos aspirantes era de fora do estado e tinha um comportamento curioso. Era afetivo e brincalhão, porém exagerava nas piadinhas sobre gays, machos, “bonecas”, “maricas” e tamanho de pinto, as mesmas que qualquer bando de adolescentes costuma contar. Havia estudado no interior, era casado e pai de três meninas. No último dia do estágio me cumprimentou e disse lamentar que nossa amizade não tivesse avançado para “outro nível”. Seu colega de faculdade, que presenciou a cena de longe, me puxou para um canto e disse: “É isso mesmo que você está pensando“.

Havia um outro rapaz no nosso pequeno grupo que era delicado, sorridente, bonito e vaidoso, algo que se adaptava ao “estereótipo gay”. Claro, ele tinha uma noiva, e às vezes me falava dos seus sonhos de casar, ter filhos e morar no interior, talvez em Santa Catarina. Por alguma razão ele se sentia seguro em me confiar estes planos, uma conversa pouco comum entre homens. Alguns anos depois de sair da aeronáutica eu o encontrei passeando em Balneário Camboriú, e ao seu lado alguém que não deixava dúvidas de ser seu namorado: o telefonista do quartel onde fizemos nosso estágio para o oficialato.

Nessa mesma época recebi um telefonema anônimo para minha casa tarde da noite. Não reconheci a voz, mas era de um jovem dizendo me conhecer do quartel. Ele parecia saber muitos detalhes da minha vida, inclusive sobre meus filhos pequenos. Quando foi pressionado para se identificar, respondeu: “Sou alguém que você bobeou e perdeu“. Quase enxerguei pelo telefone a “egípcia” que se seguiu a esta frase. Nunca soube quem era, mas evidentemente era alguém da caserna.

Havia entre os profissionais do hospital dois homossexuais inconfessos. Um deles tinha uma postura máscula, voz grossa, um homem forte, bonito e atlético. Tinha consultório na cidade e fazia grande sucesso na sua especialidade. Discreto, jamais foi visto com qualquer soldado sem alguém próximo, e nunca oferecia caronas até a estação do trem – algo que eu fazia todos os dias. Tinha 42 anos e era solteiro. Todavia, ele tinha uma particularidade muito incomum; para além de ser militar era…. bailarino. Sim, bailarino clássico de uma companhia da capital, mas nunca falava abertamente sobre esta sua “outra vida”. Era uma espécie de segredo que poucos conheciam. Esse colega também era muito chegado a mim e ao nosso amigo em comum, o “Derma”. Certa vez, no término do expediente, quando estávamos os três no vestiário nos preparando para sair, nosso parceiro Derma lhe disse:

– Fulano, faz aquele giro que os bailarinos fazem na ponta dos pés. A gente quer ver. Por favor… uma pirueta!!

Ele se negou. Depois disse que não podia por causa do sapato. Depois sorriu envergonhado, dizendo que precisaria aquecer, mas por fim, depois da insistência, cedeu e nos ofereceu um pouco da sua arte. Não há como esquecer; foi a mais bela e emocionante “Pirouette dedans” que jamais vi ao vivo.

Este colega resolveu se mudar para o Rio. Foi nesse dia que, para mim, fez sua confissão. Disse-lhe eu que ele devia ficar. Seu horário no hospital era folgado, a semana era de 4 dias, não fazia mais plantões (pois era capitão) e seu consultório estava lotado de pacientes. “Vida tranquila e sucesso profissional“, falei.

Seu sorriso foi, então, revelador. Mais do que uma confissão explícita ou um flagrante constrangedor, ele abriu um sorriso tímido, me olhou nos olhos e disse “Existem outras coisas na vida para além da tranquilidade e do sucesso. Vou ao Rio para encontrá-las“. Diante dessa declaração, sorri como resposta e disse: “Vá em paz, brother“. Dei-lhe um forte abraço e nunca mais o vi.

O outro colega gay – cuja especialidade não convém dizer – era um homossexual muito sofrido. Também quarentão, igualmente solteiro, mas jamais exibia a jovialidade e o humor debochado do colega bailarino. Era duro, sério, fechado até obtuso. Foi ele quem, num lampejo de “sinceridade”, uma tarde me abordou no cafezinho do hospital e disse que não conseguia aceitar que as mulheres ganhassem seus filhos naquela posição (cócoras) que eu havia introduzido no hospital. “Acocoradas como bichos, pareciam estar defecando; ou como galinhas botando ovo“, disse ele, com nojo indisfarçável.

Sem dúvida. Animalizadas, despojadas de sua capa cultural asséptica, moderna, limpa e higiênica… essa era a imagem insuportável de uma mulher. Uma mulher parindo lhe obrigava a ver o que seus olhos evitavam: a imanente e poderosa força selvagem e sexual do parto – e de uma mulher.

Em um ambiente de pura testosterona era natural que essas manifestações fossem perceptíveis nas fissuras, nas rachaduras abertas no discurso, rompendo as capas de proteção criadas para impedir a expressão de sentimentos conflituosos. Nesse ambiente marcadamente masculino a homossexualidade era latente, porém suprimida e sufocada. Nenhum desses personagens jamais admitiu abertamente sua orientação sexual, mesmo diante das pistas que deixavam por todos os lugares por onde transitavam. Eram segredos, vozes que ecoavam em solilóquio, maldições escondidas.

Para a formação dos aspirantes oficiais, depois de alguns meses de treinamento físico e militar, era necessário fazer uma palestra para os colegas, como prova de conclusão do “curso de oratória”, algo ingênuo e inútil, mas obrigatório. Aliás, foi nesse curso que um oficial professor me disse uma frase que jamais esqueci: “Marx era um homem inteligente, mas um péssimo pai de família“. Nada mais natural de se ouvir em um quartel apenas poucos anos após o fim da ditadura.

Não tive muita dificuldade em escolher o tema. “Se é para agitar, vamos chacoalhar“, pensei. Meu tema escolhido foi “Homossexualidade em tempos de Aids“, exatamente durante a histeria pelo seu aparecimento nos Estados Unidos. Na minha breve palestra, que misturava questões médicas da síndrome com conceitos (avançados para a época, acreditem) de diversidade e liberdade de escolha, eu lembro de ter olhado firme nos olhos destes colegas e amigos como que a lhes dizer que “existe vida fora do armário“, mas que eu conseguia compreender porque lá dentro ainda parecia tão mais seguro.

Terminei minha palestra dizendo que estávamos no limiar de um novo tempo e era necessário nos adaptar a ele. Os homossexuais estavam adquirindo seus direitos e se apresentavam à luta. Citei para eles meu episódio predileto: “O Levante de Stonewall” e disse-lhes que devíamos entender que os gays não sofriam de nenhum distúrbio de ordem moral, mas aqueles que menosprezavam sua dignidade humana, sim.

Nunca encontrei meus amigos no Facebook, já passados 30 anos dessas histórias. Gostaria de poder dizer a eles que tive muita honra de conhecê-los para entender o peso que carregavam pela vida que tinham. Espero que hoje sejam homens felizes e realizados e que tenham aproveitado as últimas três décadas com a mesma alegria adolescente da época dourada em que nos conhecemos.

Amém

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Reescrever a história do planeta

Primeiramente, vamos deixar claro que concordo com a recente entrevista do Roda Viva com o biólogo Ítalo Iamarino sobre o Covid19, especialmente pelo reforço da ciência diante do ataque insistente do obscurantismo bolsonarista. Todavia, minha única crítica à entrevista do biólogo é que, apesar de reconhecer as origens da pandemia – a insensata e violenta intervenção humana sobre a natureza – ele acredita que a resposta para a humanidade será através de MAIS intervenção tecnológica, na famosa equação do “Punch Theory”, onde o primeiro impulso é nossa ação destruidora sobre o mundo natural e os impulsos subsequentes atuam no sentido de consertar os estragos iniciais, porém sem questionar sua origem com a profundidade necessária.

Evidente que a resposta para a EMERGÊNCIA de agora será tecnológica, mas para evitar que sejamos atacados eternamente por tais ameaças virais a resposta poderia ser outra, muito diversa em sua essência.

Parece que continuamos presos no mesmo paradigma de mais de um século: estamos cercados por seres vivos maldosos cujo único sentido na natureza é destruir os humanos. Darwin se revira na tumba cada vez que alguém fala desse antropocentrismo cafona.

Para ilustrar essa ideia a imagem que me vem à mente é, obviamente, a do parto. Acreditamos que a solução para os transtornos do parto é MAIS intervenção tecnológica: hospitais, drogas, leitos de UTI, cirurgias, antissepsia, antissépticos, antibióticos e profissionais altamente treinados em patologia. Porém, a experiência nos prova que o afastamento sistemático e insidioso da natureza do parto produziu a maior parte dos distúrbios que hoje testemunhamos. Desta forma, nos transformamos em técnicos especializados em consertar os problemas criados pela nossa própria atuação inadequada.

Ao invés de investir pesadamente na proposta de REVER e REESCREVER o roteiro da nossa atuação junto à natureza, parece que ainda não nos convencemos que o verdadeiro vírus destruidor deste planeta somos nós mesmos.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Política