Arquivo do mês: junho 2016

Os Estupros

Violence victim

Fiquei sabendo agora de um “estupro coletivo” no Rio de Janeiro que, não bastasse a violência absurda e desumana, ainda serviu como objeto de espetacularização pelas redes sociais. Não por acaso, numa sincronicidade diabólica, Alexandre Frota faz uma visita ao Ministro da Educação levando a ele propostas para o ensino no Brasil. Lembrem que o “muso do impeachment” é também responsável por uma performance num programa de TV (de Rafinha Bastos, o mesmo que “comeria ela e o bebê“) em que relata um estupro a uma mulher Mãe de Santo que o estava atendendo. Depois disse que se tratava de um número de Stand Up, mas isso é irrelevante diante da gravidade de tratar estupro como brincadeira, banalizando a violência.

Eu ouso pensar que o estupro cometido tem a ver com o profundo mal que o golpe produziu no imaginário do país. A sensação que tenho é que as pessoas perderam a confiança na justiça e no judiciário. A mesma justiça que perde meses (e milhões) investigando barquinhos de lata e negligencia investigar a fundo um helicóptero cheio de pasta de cocaína não pode exigir que confiemos nela. O STF foi acusado de participação EFETIVA e DIRETA no complô para a derrubada do governo. As gravações comprometendo Jucá, Renan e Sarney estavam em sua posse desde março; foram escondidas para permitir o golpe. O juiz Moro mostrou dureza e inexorabilidade seletiva, e apenas contra o PT, durante todo o curso da Lava Jato, e quando da queda de Dilma pediu o “desarmamento dos espíritos”.

Quando o povo se dá conta que os magistrados são indignos de confiança percebem que não há valor algum em se comportar dentro da lei. Por isso a sensação de impunidade de quem comete atos hediondos. “Se o Alexandre Frota pode contar isso na TV como brincadeira, por que não podemos também?”

As mulheres, foco do desejo masculino e signo de poder para quem as possui, sempre serão as primeiras sacrificadas em um mundo sem lei. No livro “Ensaio sobre a Cegueira” do escritor português José Saramago, a primeira coisa que ocorre quando se instala o caos de um mundo às escuras e sem controle foi o domínio sobre as mulheres, que leva naturalmente à violência e ao estupro.

Quando se destroça a força simbólica da lei os mais frágeis são os primeiros a sucumbir.

Não, eu me nego a ver como coincidências estes eventos. Quando a LEI se apaga e a justiça não parece se fazer, surge em todos o espírito da selva, onde a ordem é matar ou morrer.

Os estragos sociais de uma quebra jurídica abjeta e criminosa como a que testemunhamos vão se estabelecer em todos os níveis das relações pessoais, pois que os valores que foram desrespeitados são da ordem básica das relações sociais.

Triste dia em que apologistas do estupro tem voz na educação de um país. O resultado é a banalização do crime mais antigo, mas ainda presente na comunidade humana.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política, violência

Dilma e a Alcateia

dilma-triste1

 

O jornalismo brasileiro chegou aos níveis mais baixos de credibilidade. Quem acredita em uma manchete hoje em dia? “Contas particulares da presidenta Dilma pagas por propina”. Quando você vai ver, não tem nenhuma fonte, nenhuma comprovação, nenhuma informação. Apenas um boato criado por um criminoso com uma caneta na mão e um rabo preso. A imprensa é o principal alicerce das democracias, ao lado de um judiciário isento e sério. Já que perdemos estes dois, o que nos restará?

Se não fosse uma tragédia para a imagem desse país seria digno de gargalhadas. Fico pensando nos pobres, classe média e aposentados fazendo um carnaval ridículo contra o governo, sem saber que Dilma, com todos os seus defeitos e equívocos, era um anteparo contra a alcateia que a cercava. Agora, com Dilma afastada, abriu-se a porta do galinheiro e NÓS, pobres e ingênuos galináceos, estamos a mercê dos lobos que pretendem assaltar os cofres públicos em benefício próprio, e para se blindarem contra a ameaça da justiça.

Parabéns paneleiros… vocês conseguiram.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política

Meu Candidato

urna-eletrônica-e1401888107853

 

Como escolherei meu candidato nas próximas eleições:

Minha escolha é negro, pobre, mulher e de esquerda (mas reconheço que seria bizarro achar um negra, pobre e feminista no DEM ou no PP…). Não aceito mais a pouca representatividade desses segmentos sociais nos nossos parlamentos. Somos governados pelas elites, mas essa culpa não podemos tirar de nossas costas; nós mesmos votamos nos nossos algozes. Nosso voto, via de regra, é egoísta ou irresponsável. Votamos em quem vai ganhar, votamos para contar uma piada, votamos para tirar vantagem e votamos porque queremos benefícios pessoais ao invés de votar em quem nos representa, quem é parecido conosco, quem tem nossas ideias e compartilha paixões.

Chega de votar em branco, empresário, rico, manipulador, que faz política toma-lá-dá-cá, que promete cargo de assessor, que está ligado ao poder econômico e que está se lixando para a população. Também não votarei em alguém que faça da religião – qualquer uma – seu palanque. Evangélicos com programa de TV, empresários da fé… NUNCA MAIS!! Não votarei em candidatos ligados às grandes corporações ou financiados por elas. Não darei meu voto para radialista de programa popular e também jamais apoiarei ex jogador de futebol que manipula eleitores, tratando-os como torcedores emburrecidos. Não votarei em alguém por ser jovem ou velho, mas votarei em velhos com jovialidade ou jovens com maturidade.

Darei o meu voto para alguém que seja parecido com a imagem que vejo no espelho todas as manhãs. Vou procurar alguém que tenha sonhos parecidos e que não acredite que o dinheiro possa lhe trazer felicidade ou vantagens. Vou encontrar alguém que coloque o bem comum como uma paixão acima das suas inevitáveis vaidades, e que lute por uma sociedade equilibrada e justa, e não apenas para favorecer seus amigos e parentes. Procurarei também um candidato que pense no nascimento humano como conexão sagrada do sujeito com a natureza, que valorize o trabalho de doulas e parteiras como guardiãs desse momento, e que reconheça a importância dos médicos e da tecnologia, que salvam vidas quando bem utilizados.

Usarei meu direito sagrado de votar para MUDAR a realidade triste e sombria que nos levou ao golpe absurdo e humilhante que estamos sofrendo agora, para que nunca mais o povo seja manipulado por um congresso desonesto, vil e corrupto como o que temos hoje.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política