Arquivo da categoria: Pensamentos

Redondo

“Aqueles que acreditam na terra plana estão redondamente enganados”

Deixe um comentário

Arquivado em Humor, Pensamentos

Religiões

Não creio…

Quem acha que as religiões podem acabar pelas luzes da ciência não entendeu nada de religião e nada de ciência. A ciência investiga o que é conhecível enquanto a religião questiona o possível. Todos os avanços científicos dos séculos XIX e XX não arranharam em nada o significado cultural das religiões, e só se surpreende com isso quem pensa que religião é “ciência ruim”. As religiões continuam firmes e fortes, e no mundo inteiro.

As religiões são compilações de valores de uma cultura num determinado tempo. Elas investigam os sentidos últimos do universo, algo que a ciência não se importa, pois não é o foco de sua atenção. Por isso, posso garantir que dentro de 1000 anos ainda haverá perguntas sem respostas e, apesar dos avanços da ciência, precisaremos das religiões, idiomas comuns que continuarão a nos oferecer possibilidades, perspectivas e caminhos.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Salsichas

“Ahhh, não sabe o que tem numa salsicha e agora quer saber o que tem numa vacina?”

Esta é uma frase muito comum entre aqueles que advogam por uma adesão completa e acrítica à vacinação. Pois eu afirmo que deveríamos saber o que tem dentro de uma salsicha tanto quanto o que existe de componentes em uma vacina. Otto Bismark já dizia “ah se as pessoas soubessem como são feitas as leis e as salsichas!”.

Quantos de nós sabem o que tem dentro de uma salsicha padrão?

Salsicha é carne mecanicamente separada de ave (frango e/ou galinha e/ou peru), carne suína, água, gordura suína, proteína de soja, miúdos suínos (pode conter fígado, língua, rim e/ou coração), sal, amido, açúcar, alho, cebola, pimenta branca, pimenta calabresa, noz-moscada, regulador de acidez: lactato de sódio e citrato de sódio, estabilizantes: tripolifosfato de sódio e pirofosfato dissódico, aromatizantes: aromas naturais de (fumaça, orégano, coentro), realçador de sabor: glutamato monossódico, antioxidante: isoascorbato de sódio, corantes: urucum e carmim de cochonilha, conservador: nitrito de sódio. E ainda contém glúten.

Agora que você já sabe, coma se quiser ou se lhe apetecer. Veja os ingredientes e pondere se eles farão bem ou mal à sua saúde. Mas tambem exijo ser informado sobre o que tem dentro de uma vacina. Eu não confio em abatedouros e muito menos nos “abatedouros high-tech” contemporâneos: as indústrias farmacêuticas. Portanto, não há problema algum em comer salsicha ou tomar vacina, mas não me peça para fazer isso de olhos fechados.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Elza

A mesma violência que agora é imposta a Elza Soares por declarar seu amor por Garrincha é direcionada a qualquer mulher que ouse admitir publicamente seu desejo caótico e contraditório, e que tenha a coragem de admitir o amor por seu homem. Pois é esse amor puro (no sentido de selvagem) que irrita as controladoras, monjas defensoras de um modelo velho e anacrônico.

O mesmo discurso é feito até hoje com Frida Kahlo e sua paixão por Diego, a ligação problemática de Ava por Frank, Anjelica Huston e sua paixão por Jack Nicholson, etc.

Para uma pretensa defesa das mulheres exige-se delas a submissão a um catecismo baseado no ódio e no ressentimento. Pior ainda, tratam as mulheres como tolas e infantis, incapazes de fazer escolhas maduras. Destaco essa frase do texto publicado por Fernando Souza Jr. que denuncia a ideia de que as mulheres nunca tem condições de analisar seus desejos sem a orientação daquelas que acreditam saber tudo sobre o sentimento de cada uma delas.

“No caso, tem-se a impressão que Elza Soares foi uma mulher incapaz de conhecer a própria história, as próprias dores, as próprias escolhas. Iludida por algum feitiço patriarcal mui potente, Elza não teria condições, sozinha, de interpretar racionalmente fatos ocorridos em sua própria existência.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

O Dia em que Geni salvou a Terra

Um dos aspectos de Geni e o Zepelim – entre os inúmeros outros possíveis, além de infinitas metáforas e leituras – que mais gosto é aquele que aproxima a música de Chico Buarque de “O dia em que a Terra Parou”, filme de 1951, dirigido por Robert Wise, estrelado por Michael Rennie e adaptado de “Farewell to the Master”, de Harry Bates.

Neste filme, realizado logo após a II Guerra Mundial e nos primórdios do império americano, uma nave alienígena chega à Terra trazendo uma ameaça dos líderes de outra parte do universo. Inicialmente Klaatu, o alien (auxiliado por seu escudeiro robótico Gort), tenta dialogar com os cientistas da Terra e, quando deixa claro que deseja se encontrar com os governantes para alertá-los das consequências de seus atos nefastos, passa a ser hostilizado e ameaçado pelos humanos.

Na música de Chico ocorre uma trama semelhante. Um Zepelim prateado desce à terra e seu comandante “cheirando a brilho e a cobre”, se espanta com nossa estupidez e “ao ver tanto horror e iniquidade” resolve tudo explodir. Entretanto, avisa que poderá mudar de ideia se a transexual Geni o satisfizer por uma noite. Tanto o forasteiro do Zepelim quanto Klaatu são portadores de uma ameaça externa, e ambos são tomados de indignação e fúria ao se chocarem com a realidade de um planeta governado pelo egoísmo e corroído pela estrutura perversa da sociedade.

Em ambos os casos a solução vem pelo sacrifício e pelo amor. No caso de Chico, uma Geni que se entrega ao forasteiro temido e poderoso, salvando a Terra ao satisfazê-lo. Já na história de Harry Bates a salvação da civilização também ocorre pelo encontro com a “fissura bizarra na ordem cósmica”, a inesperada tensão sexual que se estabelece entre Klaatu e sua anfitriã, a senhora Helen Benson. Foi esse contato com o desejo que permitiu a Klaatu – mesmo ferido de morte – reconhecer a necessidade de oferecer à Terra uma nova chance.

Sim, eu reconheço que há uma leitura alternativa – e mais explícita – do filme dirigido por Robert Wise. Nesta visão, a película inaugura a “pax americana”. Os alienígenas – nobres, prateados, limpos e justos – seriam os americanos, a polícia do planeta, levando a democracia liberal e o capitalismo para os povos “bárbaros”, da Coreia ao Oriente Médio. Junto com estas regras impostas vem implícito um ultimato: comportem-se ou serão destruídos; ou no mínimo estrangulados, como Cuba, Irã e Venezuela.

Na história de Chico o mundo é salvo e tudo volta a ser “como dantes, no quartel de Abrantes”. Geni volta a ocupar o lugar social da puta desprezível e os preconceitos seguem inalterados. O sol volta a brilhar e a gratidão pela renúncia de Geni é rapidamente esquecida. Um final muito mais triste do que a ficção científica de “O dia em que a Terra Parou”.

A música de Chico agora vai se transformar em filme e desde já me pergunto: haverá um Zepelim? Prateado mesmo? Geni será uma atriz trans? O final será melancólico como na música?

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos