Arquivo da categoria: Pensamentos

Lost in Space

Para que vocês possam aquilatar o que o confinamento é capaz de fazer com uma pessoa, hoje eu assisti o filme piloto dos “Perdidos no Espaço” o original de 1965.

O filme é profundamente tosco, primário mesmo, e serviu como base para a série que lhe seguiria, mas não tinha a figura do Dr Smith. Assim, a série que foi lançada logo após teve que começar do zero e inventar um novo início, incluindo o personagem de Jonathan Harris. O filme tem os mesmos personagens e nomes da serie que o seguiu, com exceção do Júpiter II, que se chamava “Gemini XII”. O ano de saída da terra foi 1997 e eles ficaram viajando até 2001, quando ocorreu a falha do sistema e acabaram descendo em um planeta desconhecido e montanhoso, mas com atmosfera.

No filme piloto as roupas ainda não eram o modelito da série, mas este traje, tipo papel alumínio. Aliás, o problema na nave – que os deixou “Perdidos no Espaço” – foi produzido por um acidente (ao contrário da série posterior, onde a culpa foi do Dr Smith), em que a nave foi atingida por uma chuva de meteoros – que mais pareciam bolotinhas de papel. Muito mal feitos… mas tudo bem, o ano da produção foi 1965. O monstro com o qual lutam no planeta onde desceram é muito pior do que a pior das criaturas do Spectreman. Absolutamente ridículo…

O piloto de Perdidos no Espaço pretendia ter como pano de fundo o que estava acontecendo naquele período: o programa Apolo e as naves Gemini. Apenas 4 anos depois do início da série a Apolo 11 pousaria na Lua. Quando perceberam que o projeto de “Perdidos no Espaço” seria um brutal fracasso (apoiada na ideia de uma nova “Família Robinson” perdida, agora no espaço), resolveram incluir dois elementos novos, essenciais para o sucesso (até inesperado) que tiveram: o Dr Smith e o robô, que salvaram a série.

Ahhh, e quando lançaram a série tiraram a música tema de “O dia em que a Terra parou” e colocaram a música do jovem e genial John Williams para a abertura. Inesquecível.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Monogamia

Eu sou do tempo em que virgindade era um valor social. Caiu estrondosamente sem deixar vestígios. Por isso mesmo acredito nessa dinâmica e na ação do tempo sobre mitos e tabus. A monogamia é um passo mais longo e talvez sua queda leve mais tempo. Quem viver verá…

Entretanto, restará ainda o cuidado com as crianças, que demanda esforço conjunto. Eu vivi desde a minha infância a descoberta da paternidade e dos cuidados paternos. Escrevi sobre isso e desagradei algumas pessoas, mas é fato que os homens dessa geração são muito mais próximos dos seus filhos do que todas as gerações anteriores. Quando comparo os cuidados parentais do meu filho com aqueles oferecidos pelo meu pai e avô (e até por mim mesmo) existe um fosso gigantesco de proximidade, cumplicidade e cuidado direto com os filhos.

Assim, houve uma explosão do papel social masculino com os cuidados de bebês e crianças e um decréscimo inegável na importância da maternidade da vida das mulheres, a ponto de haver grupos que a rejeitam por completo. O que era o destino inexorável de todas elas passou a ser apenas uma de tantas vertentes de realização em suas vidas. Para os homens uma descoberta, para as mulheres uma libertação.

Se houve mudanças substantivas no terreno da “posse sobre corpos alheios”, e o questionamento contemporâneo sobre as relações “fechadas”, eu ainda fico reticente com os casamentos abertos onde há filhos para criar. “Abrir” para deixar mulheres (mais uma vez) desamparadas não me parece justo. Precisaremos criar uma nova instituição para isso, caso contrário os casamentos de coabitação e monogâmicos continuarão prevalecendo.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Piadas

A piada era: “qual a pior parte da b*? A mulher que vem junto.”

Na adolescência isso parecia engraçado entre os garotos. A gente estava numa fase “incel”, e agia como a raposa diante de cachos saborosos de uva, desprezando o que não podíamos alcançar. Depois de amadurecer um pouco – e encontrar a alma feminina que se escondia por debaixo das curvas – a piada se revelava em sua objetualização horrenda e, assim, perdia a graça e o sentido.

Pois agora percebo, sem surpresa, que este tipo de piadas vira de lado, com o mesmo caráter depreciativo. São os homens que agora são tratados com desdém, descritos como os “maridos dos programas de TV” – estúpidos, ignorantes, infantis, tolos, limitados e inúteis. A naturalidade com que as meninas contam essas piadas – iguais àquelas da nossa juventude e com sentido trocado – prova que não há nenhuma superioridade moral de um gênero sobre o outro. Para mim sempre foi clara essa semelhança por cima de todas as outras diferenças superficiais: dadas as mesmas condições, homens e mulheres são igualmente grosseiros ou virtuosos, estúpidos ou geniais.

Todavia, as mulheres que amam seus homens – pai, marido, filhos, irmãos – sentem desconforto com estas piadas depreciativas, exatamente porque sabem que elas desprezam o próprio amor que devotam a eles.

Qualquer ideia de uma diferença essencial esbarra na realidade evidente: ambos carregam a mesma centelha de inteligência ou violência.

PS: A razão dessa reflexão foi ler uma menina escrevendo em um fórum do qual participo “eu gosto mesmo é de p*, o problema é o homem que vem de brinde”. As gargalhadas que se seguiram fizeram eco com o que acontecia na minha adolescência. A mesma piada agora sendo contada pelas mulheres, e talvez pelas mesmas razões de antigamente.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos

Cancelamento

“Se você não for exatamente como quero eu vou lhe destruir”.

O cancelamento é um ritual característico de nossa época apesar de que a Inquisição já cancelava gente por pensar diferente quando tudo aqui era – literalmente – mato.

Existe um determinado roteiro para cancelar um sujeito. Primeiro ele precisa ser um expoente em sua área. Não é necessário nem que tenha qualidade ou profundidade, mas é importante que seja referência. Ninguém diz “estou cancelando o motorista do ônibus porque descobri que ele é homofóbico”. Não, “no one gives a sh*t”. Precisa ser alguém relevante para a cultura e/ou para um determinado segmento dela.

Via de regra funciona assim: o sujeito passa a vida defendendo abertamente os setores oprimidos, sejam gays, trans, mulheres, indígenas, imigrantes, etc, seja no foco específico do seu trabalho ou seja por declarações que faz por sua condição de celebridade. A partir disso seus fãs constroem uma imagem idealizada, da qual ele fatalmente se torna prisioneiro. Todas as suas falas passam a ser vigiadas, milimetricamente construídas. Alguns contratam consultores de imagem para monitorar suas ações e suas falas. Tudo para se manter dentro da caixa estreita que foi construída para si, mas que, ao mesmo tempo que o oprime, fomenta sua fama, seu poder e seu dinheiro.

Algumas vezes, por distração, falta de cuidado ou de propósito, estes sujeitos se rebelam contra essa “condição de confinamento pela opinião pública”. Resolvem falar algo que acreditam ou sentem, mas que ofende seu fã clube. Como FHC dizendo que fumou maconha ou que é ateu. Como um presidente americano dizendo que não foi à igreja no domingo, ou como alguém questionando o termo “pessoas que menstruam”.

As vezes fico curioso de saber como seriam as opiniões de algumas pessoas públicas não fossem elas presas ao controle social da opinião. Muitas vezes seria o oposto do que acreditamos.

Pois o cancelamento, via de regra, acontece pelo detalhe. Mesmo que a vida inteira de um sujeito tenha sido dedicada à diversidade, contra o racismo, contra o sexismo e a favor de minorias, basta uma piada, uma observação, uma discordância do núcleo duro dos movimentos para que seja decretado o cancelamento. J. K. Rowling foi assim. Para Woody Allen bastou uma mentira repetida à exaustão. Para outros o uso de uma palavra proibida, como “denegrir”. Para muitos apenas uma frase em momento de descontração.

Quando o processo se inicia ele atinge a moral do sujeito. Assim, retira-se o fundamento espiritual profundo do acusado, como a peça da base do jogo da Jenga, fazendo toda a vida do sujeito desabar. A obra, seu trabalho, suas relações, seus prêmios, suas conquistas são imediatamente destruídas, incineradas na fogueira da opinião pública.

É facil perceber nesse processo o gozo de quem acusa, pois que ele oferece uma imensa satisfação à pessoa comum, aquela que sempre se sentiu secretamente oprimida pelo gigantismo do seu ídolo.

“Se você não for exatamente como quero eu vou lhe destruir”. Essa é a vingança do fã que se sentiu traído quando sua idealização foi rompida. Essa vingança aparece na internet todos os dias quando personagens são cancelados, destruídos, atacados por apresentarem-se como verdadeiramente são, ou por não cumprirem o acordo tácito criado pela idealização: “Você será como eu quero, e eu lhe dou meu amor”.

Na verdade os ídolos contemporâneos são construções sociais em que cada um coloca um pouco de suas projeções e aguarda que ele se comporte de acordo com elas.

Em suma, uma vida insuportável.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Realidade em preto e branco

Copacabana, anos 70

Mais uma imagem que mostra o apartheid do Rio de Janeiro, e de resto o que ocorria em todo o Brasil. O Rio é uma cidade mestiça, com muitos negros e mestiços, mas a praia sempre foi de exclusividade dos brancos. Os negros e pardos aparecem nestas imagens apenas como serviçais, empregados, trabalhando onde os outros descansam e/ou se divertem.

Para aqueles que diziam não haver racismo nesta época eu apenas lembro que a expressão deste problema social só ocorre quando existe algum tipo de tensão e conflito. Nessa época havia a “paz do silêncio”, quando a questão racial era escamoteada e escondida. Até mesmo os negros sobreviviam se adaptando a uma sociedade que não foi construída para eles, de mulatas do Sargentelli a jogadores de futebol.

Cada um olha para essas imagens e extrai delas o que deseja. Eu não posso evitar o choque de ver a construção racista do nosso país. Não quero abrir polêmica, apenas lembrar do racismo em que vivíamos ao mesmo tempo que sofríamos a repressão de um regime brutal. As imagens concordam comigo.

Mas… sim, como era bom ser branco e de classe média no Rio dos anos 70.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência