Arquivo do mês: junho 2015

Avanços

clitoridectomia

 

Sobre a abolição das mutilações sexuais femininas – clitoridectomia e episiotomia – temos uma excelente notícia vinda da Nigéria. O presidente Goodlook Jonathan assina – depois de mais de uma década de pressão – uma lei que torna crime a realização da mutilação sexual através da clitoridectomia. Eu acredito que este tipo de ação pode impulsionar o questionamento sobre OUTRAS mutilações praticadas contra mulheres e homens. A episiotomia ROTINEIRA (sem indicação CLARA) precisa sofrer o mesmo tipo de crítica, da mesma forma que a CIRCUNCISÃO, cirurgia ritualística e mutilatória aplicada sobre meninos e homens em várias partes do mundo.

Acabar com a mutilação de mulheres é MUITO mais importante do que reconhecer o casamento gay, apesar da grande importância de reconhecer as relações entre pessoas de mesmo sexo. Todavia, as mulheres – e os grupos que as apóiam – tem muito menos força política do que os grupos pró-homossexuais. De qualquer modo são duas notícias alvissareiras.

O corpo humano é SAGRADO, e sua integridade precisa ser protegida por todos os que prezam a saúde física e psicológica, em especial das crianças.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo

Sonho

sonho bebê

 

Há algumas semanas eu tive um sonho muito interessante…

Fui chamado para atender uma paciente em uma sala de pronto socorro. Não era uma sala de parto, e se limitava a uma maca encostada em uma parede, tendo uma cortina de plástico a protegê-la do ambiente em volta. Quando me aproximei e afastei a cortina pude ver uma moça parindo em silêncio. Percebi seu rosto tenso e o coroamento do bebê. Olhei para o lado e não havia ninguém à volta para me auxiliar; seria eu mesmo o responsável a atender aquele nascimento. Pedi que fizesse uma força e o bebê suavemente escorregou direto para as minhas mãos. Achei apenas estranho o fato do bebê nascer com uma cabeça triangular e me preocupei com isso, achando que poderia ser um defeito genético. Olhei para a moça e vi que se tratava da minha nora, que apenas sorria, sem nenhuma preocupação.

Olhei de novo para o bebê e desta vez qualquer sinal de anormalidade havia desaparecido. Enrolei o bebê em um lençol e saí caminhando para a sala contígua à procura de um neonatologista que pudesse fazer a avaliação inicial. O bebê não chorava, apenas se movia alegremente entre as minhas mãos, experimentando os cheiros e gostos do mundo recém descoberto. Caminhei alguns passos dentro daquele pronto-socorro à procura de um colega até que, no meio do caminho, me dei conta de que não sabia o sexo do bebê. Abro gentilmente o lençol e descubro que se tratava de ….

… uma menina.

Minha procura pelo pediatra continua enquanto eu me regozijo com o nascimento de uma linda menina, até que de súbito desperto do meu sonho. Entretanto, mantenho a imagem da pequena em minhas mãos por muito tempo durante o dia.

Por acaso atendi naquela mesma tarde uma paciente querida, mãe de cinco filhos, e pude lhe contar esta história. É a Daiane, de Canela. Disse a ela que talvez fosse algo premonitório, já que foi muito intenso e na minha vida os únicos sonhos premonitórios dizem respeito ao nascimento de bebês. Ela sorriu e disse que seria muito legal se fosse.

Pois hoje ela me lembrou da história que eu havia esquecido por completo. Somente depois do lembrança dela é que pude resgatar este sonho. Agora resta saber se está correto o gênero do sonho ou – mais uma vez – vou acertar errando…

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Segurança Afetiva

CYMERA_20150628_180446

Conversa com um senhor no shopping hoje à tarde. Disse-me ele:

“Nos dias atuais talvez seja justo dizer que uma criança adotada por um casal gay tenha um risco menor de sofrer por desamor e desamparo do que por um casal “comum”, numa relação heterossexual. Digo isso porque esta criança será necessariamente adotada, fruto da vontade expressa e de uma longa preparação emocional do casal. Em contrapartida, na ausência em nosso meio de interrupções voluntárias da gravidez, muitos filhos de casais heterossexuais chegam a esse mundo contra a vontade e o desejo de seus pais. São concebidos muitas vezes por um arroubo emocional, uma noite “caliente“, um destempero, um ato impensado. A gestação é, com frequência, seguida por culpas e remorsos.

É claro que muitos bebês assim concebidos serão bem recebidos e amados, mas uma parcela muito grande cai na vala dos que jamais serão bem aceitos. Esse problema é muito mais raro entre casais gays em que a adoção parte de um planejamento conjugal associado a um forte desejo de amar e cuidar de uma criança.

Portanto, do ponto de vista de “segurança afetiva”, estas crianças estão – na média – mais amparadas do que as crianças trazidas à vida do modo tradicional. Não quero dizer que esta opção seja isenta de riscos, e o preconceito de ter dois pais ou duas mães pode persegui-la por toda a infância – ou mesmo pela vida afora – mas pelo menos elas terão a garantia de que foram muito desejadas por quem as cuidará.”

Quem disse isso foi um senhor de 85 anos.
Meu pai.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Estratégias

 

Doulas

Tenho visto nos últimos 30 anos algumas iniciativas que objetivavam “humanizar” a atenção e aumentar o índice de partos normais (vaginais) em serviços públicos e privados. A quase totalidade dessas propostas foram fracassos retumbantes, o que se pode perceber facilmente ao se analisar a curva ascendente de cesarianas nos ambientes hospitalares de ambos os modelos.

A maioria das estratégias se fixava no “treinamento” e capacitação de profissionais ou nas modificações ambientais dos centros obstétricos. Lembro do hospital escola da minha cidade onde, durante minha passagem pela residência médica, construiu-se uma cadeira de parto de cócoras para incrementar a prática de partos verticais. Quando fui visitar o hospital dois anos após minha saída a cadeira era um ferro velho jogada em um almoxarifado; ninguém se interessou em realizar partos verticais e o aparelho acabou esquecido. Hoje em dia o mesmo ainda ocorre: passados mais de 25 anos e os partos neste hospital universitário continuam sendo no modelo antigo, com a paciente deitada imóvel de costas em uma maca. A liberdade para escolher a melhor posição de parir não é uma escolha da mulher: é do sistema.

Os treinamentos de profissionais também se mostraram totalmente inefetivos para modificar condutas. Evidências científicas são sementes que germinam apenas se o “terreno” onde foram plantadas tenha sido previamente fertililizado por uma abordagem que inclua elementos mais etéreos como o sentimento, a ética e o afeto.

Carl Rogers dizia que perdemos tempo demais em “treinamento”, que seria mais bem utilizado em “seleção”. Pedir para profissionais educados na lógica da intervenção que atuem de forma suave e humanizada nunca surtiu efeito, e não creio que a insistência nessa visão possa nos levar a uma modificação no resultado. “Se quer chegar a lugares diferentes, não trilhe os mesmos caminhos“.

A diferença, ao meu ver, não virá com as mesmas pessoas e nem com aparelhos e apetrechos. Estes últimos, desprovidos de alma, são facilmente esquecidos e desprezados se não houver material humano que os ilumine e lhes dê vida. A diferença, como é fácil de confirmar, está nas pessoas.

A presença das Doulas no cenário do Parto é o grande diferencial surgido a partir dos anos 80. O acréscimo do componente emocional, afetivo e psicológico que elas oferecem é capaz de suprir a falha – apontada pela antropóloga Wenda Trevathan – do sistema médico em “reconhecer e trabalhar com as necessidades emocionais relacionadas com esse evento“. Assim, a incorporação dessas personagens criou o terreno adequado para recriar o “Círculo de Apoio”, marca ancestral na atenção aos momentos de passagem como o nascimento, a morte e o parto.

Reconhecer a importância do suporte oferecido pelas doulas é essencial para valorizar o parto normal humanizado. Muito mais do que treinar profissionais, comprar aparelhos ou mudar a ambiência (que também tem importância, porém menor) é fundamental mudar a face da atenção ao parto. Isso precisa ser feito acrescentando os elementos que constituem a essência do suporte ao nascimento desde as eras mais primitivas, as quais se perdem na bruma dos tempos: o auxílio amoroso, cálido e contínuo que as doulas oferecem às gestantes durante o mais sagrado dos rituais.

Os resultados estão aparecendo, basta ter olhos de ver e ouvidos de ouvir…

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Bom Começo

Bom Começo

 

Oferecer um “bom começo” a uma criança, assim como uma experiência marcante para uma mãe, é o melhor que nós, como cuidadores, podemos proporcionar. Entretanto, do ponto de vista subjetivo, aquilo que esta mulher fará com sua experiência não nos cabe julgar ou aquilatar. Essa experiência inicial pode ser fundamental para a estruturação do novo ser que surge, assim como o estímulo essencial para a mãe que nasce…. ou não. Existem muito mais nesse processo do que a simplificação de uma via de parto.  Por outro lado, reconhecer que a via de parto não é “tudo” não implica em dizer que o esforço por um parto normal não tem significado. Da mesma forma, um homem não é menos humano por não ter as pernas ou ser surdo; todavia ninguém sugere cortar pernas ou ensurdecer sujeitos partindo da ideia de que “ninguém é menos homem por isso“.

Valorizar o parto normal significa apenas esforçar-se para que o nascimento seja o mais seguro e mais pleno de significados, mesmo reconhecendo que estes valores são apenas alicerces iniciais – fortes e firmes – para a construção que virá a seguir: a moldagem de um sujeito e de uma mãe. Desmerecer uma mulher por ter feito – ou escolhido – uma cesariana não é atitude de um verdadeiro humanista. Entretanto, questionar estas escolhas, e em especial o abuso de cirurgias realizadas por causas menos nobres, é dever de quem procura uma atenção ao parto mais segura e feliz, assim como uma humanidade mais justa, digna e fraterna.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto