Esportes e Trans

No debate sobre a jogadora transgênero existem dois lados bem distintos: um que reconhece a jogadora como mulher baseando-se em duas premissas: auto-declaração e nível de testosterona. O outro lado afirma que biológica e fisicamente ela guarda aspectos fundamentais do gênero masculino que, no cenário específico do esporte – mas não na sua nova vida social como mulher – garantem a ela vantagens sobre as outras competidoras.

Existem bons argumentos para os dois lados, e eu vi todos eles sendo ditos por defensores de ambas as perspectivas. Apesar de reconhecer justiça nos argumentos lançados ainda me posiciono contra a liberação por achar que isso prejudica a competitividade das atletas cis.

Entretanto, esta não é uma posição definitiva ou inamovível, apenas uma espécie de zelo com relação à uma aparente banalização da transsexualidade. Posso tranquilamente mudar minha posicao se for nutrido de bons argumentos em contrário. Ultimamente tenho visto muitos debates que questionam as cirurgias e os tratamentos de designação sexual sem que haja uma avaliação mais profunda de questões psicológicas associadas e sem levar em consideração os riscos inerentes aos tratamentos. Hormônios em altas doses e cirurgias mutilatorias são realizadas em nome da “liberdade de escolha”, o que tem valor inequívoco, mas sem que a sociedade entenda bem o que estas intervenções sobre a fisiologia significam. A exemplo das cirurgias para emagrecimento, um novo filão para a medicina mas com inúmeros pontos obscuros sobre seus parefeitos, as mudanças de gênero precisam de uma discussão ampla que envolva os aspectos médicos, éticos, sociais e psicológicos.

Infelizmente para alguns grupos mais fanatizados o mero questionamento sobre o tema produz reações de fúria. Basta questionar se a teoria de gêneros usada na atualidade serviria (também) para o esporte de alta performance para que surjam de imediato reações de grosseria e ataques ad hominem.

Quem não admite o debate e não suporta perguntas inquietantes não passa de um sujeito dogmático e autoritário. Infelizmente pessoas com esse perfil estão tanto na direita quanto na esquerda. A ideia de ver suas ideias prevalecerem calando as ideias alheias ou atacando a honra de quem discorda é um ato medieval e caracteristico de mentes aprisionadas no preconceito.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s