Para os bebês que demoram


Minha filha nasceu também com 41 semanas de gestação quando eu estava há poucos dias de me graduar em medicina. O tempo mais demorado e angustiante que eu lembro na minha vida foi entre as 40 e as 41 semanas. Os dias pareciam não passar, cada hora se arrastava e parecia me dizer que algo não estava certo, mesmo que as datas colocassem o nascimento que se aproximava dentro da mais absoluta normalidade.

Minha dor era ainda mais pungente pois, como futuro obstetra, parecia a mim que “algo devia ser feito”; apenas um sintoma do velho “imperativo tecnológico” de que somos afetados. Mas eu sempre mantive minha fé que Bebel nasceria no tempo dela e na hora exata em que escolheu. Isso serviu de ensinamento por toda a vida, pois que todos os seus outros “nascimentos” também ocorreram em seus tempos próprios, não nas fantasias que criamos para ela. Cada um de nós carrega essa centelha mágica de subjetividade que nos faz ser únicos e diferentes. Não importam as pressões do mundo para que sejamos iguais; há em nós uma força interna igualmente poderosa para que a vida tenha um caráter especial e distinto, e siga seu caminho único.

Cada bebê parece estar mostrando a fagulha de personalidade que já carrega ainda quando se encontra encerrado no mundo idílico do claustro materno. Seu tempo de nascer é determinado pelos hormônios que ele mesmo produz; portanto, esta é sua primeira oportunidade de dizer quem é e como quer ser entendido. Um novo ser já traz consigo suas características mais profundas, que se manifestam tão logo nossa atenção se volta para elas .

Para as mães que sofrem a angústia da espera e que carregam seus “bebês preguiçosos”, eu só peço que tenham paciência e confiança. Se estão no tempo justo de nascer nada há de errado em “cozinhar em fogo brando”, por mais que esta espera toque nas nossas inseguranças e temores. Também peço que não se culpem por sentir medo ou angústia; faz parte da maternidade aprender com a dor de aguardar.

Um beijo para todas vocês e que o parto tão esperado seja um dia de grandes conquistas para todos.

* Este texto escrevi para Derik e Márcia, a quem tive a honra de atender no parto da Valentina e que agora esperam a chegada de mais um bebê…

1 comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Uma resposta para “Para os bebês que demoram

  1. Derik

    Jones, o seu trabalho e suas palavras são imensuráveis. Talvez a maior, melhor, seja lá o adjetivo que for, que eu possa lhe dar, seja essa frase sincera: dessa vez não estaremos juntos no parto, mas tenha certeza, você estará presente. Obrigado, um beijo em você na zeza.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s