Arquivo da categoria: Histórias Pessoais

10 Dicas para PowerPoint

 

Algumas regras gerais para apresentações em PowerPoint:

1 – Mude o formato para 16:9 pois ele oferece mais espaço e também porque a maioria dos projetores e TVs hoje em dia são preparados para “wide screen“. Se não forem, e a única possibilidade de tela for 4:3, a imagem ficará com uma faixa escura acima e abaixo, sem atrapalhar o conteúdo..

2 – Não coloque texto na tela. Não escreva uma história que você poderia contar, e que concentraria a atenção em VOCÊ. Tire o olhar das pessoas da tela, e as conduza para lá só quando for importante. Não coloque quadros estatísticos com letras miúdas. Ninguém enxerga e tampouco memoriza isso. Coloque figuras simples e frases curtas!!! Imagens valem mais que mil palavras!!! Mude as letras para um padrão de apresentação. Uso Tahoma porque ela é gorducha e permite visualização à distância. Times é uma fonte para jornal, jamais para apresentações, pois à distância ela produz confusão. Lembrem-se que quando as pessoas não enxergam o que está na tela elas olham para o lado e se dispersam, e essa dispersão é o pânico de todo professor ou palestrante.

3 – Ajude o aluno a organizar as ideias de forma coerente!! Estabeleça critérios simples e facilmente compreensíveis para os subtítulos das páginas (por exemplo: vermelho, 40 pixels e superior à esquerda). Diante disso o aluno saberá que se trata de um novo tema, uma nova ênfase ou um novo assunto para pensar, e não a simples continuação de algo que viu na tela anterior. Dessa forma ele organizará mentalmente de uma forma mais simples o entendimento da aula ou da palestra.

4 – Organize as gravuras e os textos de acordo com configurações espaciais harmônicas e que quebram a rotina do observador. O aluno precisa ser surpreendido com a forma como as imagens e letras aparecem. É como uma estrada: se ela for reta demais torna-se monótona e produz sono; se a aula for previsível demais o mesmo fenômeno vai ocorrer.

5 – O mais importante e trabalhoso: estabeleça movimento e ritmo para a apresentação, o que a torna “profissional”. O grande problema dos slides “chapados” com bullets é que eles tendem a tornar a apresentação enfadonha e chata. Algumas aulas que assisti funcionam muito melhor que Rivotril, não pelo conteúdo ou pelo professor, mas pela forma. Normalmente quando você apresenta 5 (ou mais) itens ao mesmo tempo em uma tela alguns poucos alunos na plateia acompanham a sua leitura, enquanto a maioria faz uma leitura privada dos itens de acordo com sua própria velocidade e interesse. Com isso, boa parte da audiência para de lhe escutar, pois está lendo outro item, e não o que você está descrevendo. Se você puder controlar o que eles leem, fica mais fácil garantir a atenção e o foco de todos. Além disso, você poderá interromper em cada item e explicar o assunto, ou dar um exemplo para o que está sendo falado, pois eles estarão lendo o mesmo que você. O aparecimento das gravuras também deve ficar sob o seu controle. Essa alteração implica que VOCÊ precisa ficar com o “passador” na mão, ditando o SEU ritmo, a sua velocidade e determinando suas ênfases e paradas estratégicas. É como contar uma piada ou fazer amor: RITMO é tudo. Uma das coisas mais irritantes e criadoras de distração é a monotonia de um apresentador que diz “seguinte” para quem está controlando o computador a cada vez que precisa trocar um slide. Isso quebra o ritmo da palestra e distrai as pessoas. Aprenda a usar o passador e controlar a entrada do texto e verá que a sua aula ficará muito mais interessante.

6 – Regra geral de QUALQUER aula ou palestra: VOCÊ é o centro, não o powerpoint. As pessoas precisam focar em seus gestos, suas palavras, suas ideias e seus exemplos, e apenas olhar para a tela quando VOCÊ QUISER. A tela é apenas um acessório, e não o centro de sua aula. Nunca permita que a apresentação comande você; você precisa estar sempre à frente. Por isso estude cada slide antes e pense nos ritmos, nas ênfases e nas histórias possíveis de contar. Quando a tela é mais importante que o apresentador as pessoas imediatamente perdem o foco e começam a conversar. Isso é muito difícil de recuperar. Só os palestrantes muito geniais controlam uma audiência depois de dispersões. Eu já vi isso, mas de tão raro nunca mais esqueci.

7 – Coloque seu nome em letras bem menores no início da apresentação. Fica muito melhor e passa a ideia de que você é apenas o mensageiro, uma pessoa humilde que traz uma ideia. É importante passar o conceito de que você reconhece sua função diante da grandiosidade do tema, a qual é tão somente ser o veículo de uma mensagem importante cujos conteúdos podem até salvar vidas.

8 – Resista sempre à tentação de aparecer demais em uma aula ou palestra: coloque o foco na ideia, nos paradigmas, no conhecimento e nas necessidades dos alunos. Seja humilde, reconheça sua parte ínfima na construção e difusão de um conhecimento. Por outro lado, seja vibrante e deixe-se contaminar pela paixão que as ideias podem fazer eclodir.

9 – Termine sua aula/palestra com uma palavra de estímulo e otimismo. Ninguém suporta pessimistas e discursos apocalípticos. Se tiver alguma crença seja grato ao Universo pela possibilidade de distribuir seu humilde conhecimento para os outros.

10 – Agradeça a quem o convidou. É sempre gentil e bonito saber que seu nome foi lembrado e agradecer pela oportunidade de fazer parte da construção de algo novo e desafiador.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Constrangimentos futuros

– Papai
– Sim filho…
– Eu estava olhando essas fotos de muitos anos atrás no seu computador…
– Sim….
– Achei essas aqui, muito bonitas. Você estava me segurando no colo com a camisa da CBF. Era jogo da seleção?
Arram, bem, não… era uma outra coisa.
– Vejo um cartaz engraçado escrito atrás: “Somos todos Cu…“, mas não aparece o resto.
– Ahhh, isso é uma bobagem. Eu nem me lembrava mais. Coisas da juventude.
– Tem essa foto aqui que aparece “Adeus querida“, era a despedida de alguém?
– Ora meu filho…. é que, veja bem… naquela época lá em casa todo mundo assistia a Globo e era difícil ter uma informação melhor. A internet recém tinha começado. A gente acreditou em muita coisa que não devia, até em Triplex e pedalinho.
– Triplex? Pedalinho???
– Sim, outra hora te explico.
– Papai…. essas fotos… essas imagens…. essas camiseta e esse pato amarelo aqui atrás. Isso tem a ver com o “Golpe de 2016”?
– Pera lá…. calma aí filho. Não foi “golpe”, foi impeach….
– Mas pai, a minha professora de história disse que…
– Maldita professora!!! Maldita escola!!! Tinha mais é que ter votado o “Escola sem Partido” quando tivemos chance com Temer!!!!
– Papai!!! Você foi à rua pra derrubar Dilma? Pelo Temer?
– Sim!!! E bati panela!!! E votei no Aécio, mas depois que tudo foi descoberto, desvotei; e chamava Bolsonaro de “mito”!!!! Sim, eu achava Gentili engraçado!!! Por que? Vai me criticar, seu pirralho??? Ahhh, eu prefiro um filho morto que um filho de esquerda!!!
– ……..
– Filho, vem cá. Volta aqui, deixa eu explicar. Não é nada disso que você está pensando. E não dê ouvidos pra tua mãe, ela é outra maluca!!!

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Política

Realidades chinesas

Aqui na China as questões que mais me impressionam são sobre dinâmica familiar. Elas me perguntam muito sobre fatos e situações corriqueiras entre as famílias. Não esqueçam que aqui as famílias são minúsculas. Raros cunhados, quase nenhum irmão (só os mais jovens tem) e gente muito isolada. Elas querem saber miudezas, detalhes, coisas que nunca paramos para questionar.

Por exemplo, elas me perguntaram se saiu muito caro para o meu filho se casar. Diante da minha estranheza com a pergunta elas me dizem que para um filho homem se casar os pais precisam pagar tudo: cerimônia, convites, comilança, casa própria, carro, e sustento (mesada mesmo), caso ele ainda não ganhe o suficiente. Eu disse que para o meu filho dei um abraço e um chute na bunda, mas o humor chinês não consegue fazer sinapse com esse tipo de piada. Tive, então, que explicar que não nos sentimos responsáveis neste nível, e que o casamento é uma forma de estabelecer a autonomia por parte dos jovens, e que pagar para eles casarem não parece ser um bom início de vida independente.

Outra pergunta que fazem é “quem cuida das crianças?” e eu explico que a família ajuda quando pode e que temos creche (baby care) para quem trabalha fora. Elas me explicam que na China essa tarefa é sempre da mãe da moça, quase que uma obrigação social que ela tem que cumprir; não é uma ajuda, mas uma tarefa culturalmente determinada – e cobrada.

A outra pergunta é: “como a sua nora se relaciona com a Zeza?“, e eu respondo que sempre me pareceu a melhor relação possível. Elas dizem que na China as relações da sogra com a nora são sempre conturbadas e belicosas, e existem muitas piadas e histórias sobre este relacionamento. Dizem que genro com sogra é, via de regra, uma relação muito tranquila, mas entre as “mulheres que amam o mesmo homem” ela é conflituosa e complicada. “Que sorte tem sua nora“, dizem elas. Eu disse que a relação da Zeza com a sogra dela também sempre foi ótima, mas fundamentalmente por um fato essencial: minha mãe teve a sabedoria de jamais se intrometer na vida econômica ou afetiva dos filhos sem ser convidada. Creio que Zeza tem a mesma política.

Mac Tavish, meu tradutor, me contou que quando os chineses viajam para o exterior com seus amigos e se comportam mal na rua (adolescentes) eles fingem que são japoneses e começam a falar “saionara” e “arigatô“. Contei para ele que fazemos o mesmo com os argentinos e ele caiu no chão de tanto rir. Nunca imaginou que essa malandragem fosse internacional.

Conversando com Gillian, minha tradutora chinesa e professora de inglês me atrevo a fazer algumas perguntas da vida na China. Afetos, profissão, família, dinheiro, etc. Ela me disse que recentemente rompeu um namoro de 8 anos. Perguntei se estava deprimida por isso e ela disse que as vezes se sentia triste e só. Ela é uma menina e tem a idade da minha filha.

– Você é jovem e bonita. Não fique triste; daqui a pouco aparece um príncipe encantado.
–  Ah, tem até um menino que eu gosto, muito mais é baixinho.
– Sério?
– Sim, mais baixo que eu (ela tem 1.64m)
– Mas isso é tão importante assim?
– Bem…. eu gosto de homens altos. E, acima de tudo, as meninas chinesas gostam de homens com pernas compridas.
– Ah…. as pernas…

Lembrei da pergunta do camponês ao presidente Lincoln, no conto de Woody Allen:
– Qual o tamanho ideal das pernas de um homem?, perguntou o camponês em desespero.
– Ideal para que cheguem até o chão, respondeu de forma marota o presidente.
A partir da conversa com Gillian tenho outra resposta:

– Ideal para alcançar o coração de uma bela menina (mas esta resposta só vale na China)

Em relação ao parto e nascimento, apesar de testemunhar tantos avanços na China, me impressiona o atraso no debate sobre as posições de parto. Em 1986, há 30 anos atrás, eu comecei a utilizar a posição de cócoras na atenção ao parto, ainda como residente no hospital de Clínicas. Para mim foi o processo de entrada no universo da humanização, que na época não tinha esse nome e ainda aparecia como “sofisticação de tutela”. Muito tempo depois é que o protagonismo garantido às mulheres se tornou o eixo central ao redor do qual todos os outros valores gravitam. Entretanto, aqui ainda não se fala de parto vertical, e todos os partos são realizados como nos anos 50: perneiras, estribos, gente torcendo ao lado, etc. Minhas aulas todas se centraram na importância de mudar a posição do parto para que esta atitude venha abrir as portas para mudanças mais significativas.

Por outro lado, alguns encontros que eu testemunhei foram extremamente gratificantes. Um desses presentes que a vida me deu foi conhecer a chefe da única Casa de Parto da China, na região do Tibet. Ela se diz parteira mas sua formação é em medicina. O hospital de referência para a casa de parto em que atendem fica há 5 minutos de distância. O número de atendimentos é de 900 por ano, por volta de 2 a 3 por dia. Os maridos nunca assistem partos, mas ela explicou que se trata de uma questão cultural (maridos nunca enxergam a mulher ir ao banheiro). Além disso, nenhum marido jamais pediu para assistir, apesar de que esta solicitação já é muito comum em cidades maiores como Linyi, Qingdao ou Beijing. Lembro do meu pai me falando que assistir o parto de seus filhos nos anos 60 jamais passou por sua cabeça. A taxa de transferência para o hospital é (preparem-se) 1%. Eu perguntei três vezes para confirmar e não dar informação errada. Mortes neonatais acontecem 1x cada dois anos. A clínica é privada e todos pagam o mesmo valor, inobstante a classe social a que pertencem. O valor pelo atendimento completo é ao redor de 1000 yuan (R$ 500.00).

Essa parteira teria muito a ensinar sobre os malefícios que a sociedade moderna (onde a obstetrícia tecnológica é apenas uma das suas manifestações) produziu sobre as mulheres, seus ciclos vitais e sua sexualidade.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

O Dilema de Rahii

Meu pai nunca lê nada do que eu escrevo e diz que se constrange muito com minha paixão pela política. Como se pode ver, bom gosto literário é uma característica que não consegui herdar dele. Entretanto, escrevi uma fábula sobre escolhas difíceis e complexas – a qual ele deve ter lido por engano – e, muitos anos depois, disse que havia gostado. Um dia me falou da possibilidade de entender o “Dilema de Rahii” como uma metáfora para as necessárias mudanças na vida que demandam um corte na própria carne.

___________________________________________________________________________________

O Dilema de Rahii

 

Quando a tribo se reuniu para decidir que conduta tomar, quem primeiro falou foi Nugot, filho do chefe Rahii:

– Precisamos fazer algo para amainar a fúria da “montanha que cospe fogo”. Não temos mais tranquilidade para dormir, para caçar, para colher ou mesmo para brincar no lago. Nossos filhos estão assustados e doentes. Minha mulher não quer mais fazer o “nukhatki” comigo. Reclama de dor de cabeça, mas eu sei que é por causa de Ratktanuri, a mulher zangada que mora dentro da montanha e que cospe bolas de fogo e fumaça. Quanto tempo ainda conseguiremos suportar tal suplício? O que podemos fazer? Ohh, quem poderá nos salvar?

Colocou as mãos no peito e iniciou um lamento em nabutki, a velha língua dos ancestrais. Cantou uma canção que falava de Merphit, a Deusa feita de nuvens, que voa montada em um alazão de asas brancas. Merphit, a protetora das águas, era chamada a apagar o fogo cujas labaredas impediam o sono de Nugot, o filho do chefe, e impedia que sua terceira esposa, Náhglit, recebesse o sopro de amor para o “nukhatki”.

Outros se uniram na cantoria de Nugot. Algumas vozes mais exaltadas olhavam para o chefe Rahtii como uma mirada acusadora. Para ele dirigiam uma súplica queixosa. Como permitira que Ratktanuri se zangasse tanto? Não era ele o chefe da tribo, filho de Mishleh e neto de Natsfertah? Não trazia consigo o dom da palavra, a prática da escuta e a sabedoria do silêncio? Porque não ordenou aos feiticeiros que usassem suas poções, suas magias e seus sacrifícios antes que a situação se tornasse calamitosa? Porque seu silêncio? Parecia esperar que Ogroth, o Deus de todas as coisas, tirasse finalmente o chão de seus pés e caíssem todos no Poço de Numer, onde todas as gerações por fim se encontram.

É penosa a tarefa de um chefe, pensou Rahtii. Os olhares pesados dos circundantes mostravam a ele que apenas de sua boca poderia brotar a palavra salvadora. O céu de ébano, enegrecido pela fumaça dos pensamentos odiosos de Ratktanuri, ficava ainda mais aterrorizante com a nuvem de preocupações que se avolumava. Rahtii precisava fazer algo, nem que fosse para manter Éolid junto de seu povo, a deusa da esperança.

O velho chefe juntou os joelhos e ergueu-se com a ajuda de um cajado. Ao seu lado Macaya, sua primeira mulher, segurava sua mão. Ela estivera ao seu lado na luta contra os Nabucris, na enchente do Pitrah, na seca mortífera e na fome. Com ela teve seu filho Nugot, que agora se ajoelhava em frente à ele chorando por uma solução. Caminhou em direção ao centro do círculo dos anciãos, o cajado batendo fortemente na terra a cada passo que dava. Parecia querer cutucar a velha senhora, intimidá-la, ou mostrar que, apesar da idade, ainda havia em si algo de energia. Seus passos cadenciados pareciam ressoar pela tribo inteira, que jazia silenciosa à espera de uma palavra de esperança. Enquanto se aproximava do centro nada se ouvia além de Kaluma, o grilo, que cantava seu canto noturno.

– A velha mulher resolveu se vingar, e seu ódio a todos atinge. Nosso povo precisa aplacar sua raiva, pois se assim continuar seremos apenas cinzas a adubar o jardim de Ogroth. Nosso pecado foi a ignorância, o mal pensar e o agir temeroso. Ratktanuri não perdoa os que fogem de suas tarefas. Faremos a ela mais um sacrifício, para que ela perdoe nosso não-saber, causa do nosso não-agir. Que venham a mim os bezerros e as cabras, e que sejam eles entregues ao fel vermelho da brava senhora, em sinal de nossa submissão.

Mal terminara a fala e Nugot, seu primogênito, levanta-se e exclama:

-Velho pai. Tua sabedoria já foi contada por tantos e tuas histórias espalhadas aos ventos. Tua coragem é um hino em honra da nação Nabutki. Entretanto, o peso de Tépis, o tempo, verga tuas costas e embaralha tuas idéias. Tuas ordens são tão antigas como Bakti, o inverno. Já se foram duas quartas de cabras, duas mãos cheias de bezerros e mais uma mão de galinhas, todas oferecidas ao pé da montanha à velha senhora. Que mais pode ela querer? Chega de tanto sacrifício; chaga de tanta dor. De que adianta saldar a dívida com Ratktanuri se o que sobrar de nós for levado por Famis, a senhora da miséria, da dor e da fome? De que vale um povo livre da “água de fogo” que corre pela encosta, se estiver faminto e fraco? Teus rituais sagrados estão ultrapassados, tuas magias velhas, tua força se esvai.

O olhar abatido do velho Rahii ergueu-se para encontrar o rosto de seu filho, aquele que um dia o substituiria. O vigor físico de seu primogênito era notável, assim como a força de sua voz. Ele sabia que as palavras de Nugot estavam escritas com a tinta da morte. De nada adiantaram os rituais já feitos; a velha senhora estava faminta, e pedia mais. Rahii sabia que para se manter como chefe deveria enfrentar a fúria de Ratktanuri mais uma vez. Se falhasse, ela o derrotaria, e levaria consigo todo seu povo. Se vencesse manter-se-ia como chefe, e mais uma lenda se acrescentaria à sua história. Precisaria ser certeiro e forte, valente, destemido e duro.

Olhou mais uma vez para seu filho Nugot, e disse com a voz mais pesada que já lhe havia passado pela garganta:

– Não é o momento para lutas, meu filho. Sei que nossas magias anteriores falharam, e sei que investir mais na oferta de animais colocaria nosso povo em mais dor e mais tristeza. Precisamos agir com presteza, e com coragem. Creia em mim, e acredite no poder de Ogroth!

Deu um último suspiro e elevou o cajado ao alto. Gritou “Patuh saleh” três vezes e o abaixou até a altura da cintura. Girou nos calcanhares um círculo inteiro e parou. A ponta do cajado direcionou-se para o meio do povo aglomerado, que, assustado, afastou-se de sua trajetória. Apenas Núbit, a pequena filha de Nugot e Nahglit, continuou parada, hipnotizada pelo cajado de Rahii.

Minha neta!, gritou em pensamentos o velho chefe. Não pode ser, não pode ser…

Era o desejo da senhora má. Era a sua vontade, vinda das entranhas da terra. Era o sacrifício de Núbit que ela reclamava. Era o seu sangue que ela desejava.

O meu sangue, o meu sangue, pensou ele em desesperada apatia.

Os gritos de Náhglit ecoaram pela floresta, sua dor ultrapassou a carapaça dura dos crocodilos. A voz de Rahii era um sopro quase sem vida, mas ainda assim falou ao filho, que gritava amparado pelos irmãos:

– Que a vontade de Ogroth se faça.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Bebel

 

Ontem andando pelas ruas de New Orleans com minha filha Bebel passei por dos sujeitos negros e mais velhos do que eu sentados na soleira de uma porta no centro da cidade. Quando nos viram lado a lado um deles olhou para mim e disse com um sorriso malicioso nos lábios:

Hei man, I gotta tell you. You are a very lucky man!

Sorri de volta e agradeci. Afinal, ele estava certo, mas pela razão errada.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais