Arquivo da categoria: Histórias Pessoais

Crimes cibernéticos

Navegando pela internet, mais especificamente pelo Facebook, encontrei o anúncio de uma mala de viagens que imediatamente me chamou a atenção. Sempre me interessei por malas porque durante a minha vida adulta passei anos a fio viajando para apresentar meu trabalho em lugares muito distantes no mapa. Muitas vezes imaginei como seria uma mala “perfeita” para o tipo de viagem que eu fazia: um fim de semana para viajar na sexta, dar aulas no sábado e domingo, e estar de volta na segunda feira pela manhã. Esta que vi me chamou a atenção (vide abaixo). Era pequena o suficiente para ser levada para a cabine, forte, multifuncional, bela, prática, resistente e totalmente adaptada às necessidades modernas, como espaço para celular, gaveta para notebook, bateria recarregável embutida, etc. Um show de produto, mas por certo que deveria sair muito cara.

Fui olhar o preço: 12 prestações de R$ 24,35, no total um pouco mais 280 reais. Pior ainda: este era o preço de duas malas, duas pelo preço de uma!! Claro, um preço absurdo e irreal, o que apenas me fez sorrir por imediatamente reconhecer um truque conhecido do Facebook. Um “bait“, uma isca para quem se acha muito esperto e quer comprar algo barato demais para ser verdade. Uma mala como aquela custaria bem mais de 300 dólares. Mais um produto com o rótulo “O golpe está aí, cai quem quer”.

De qualquer forma continuei na página de vendas para analisar melhor a qualidade do produto. Por certo que o anúncio era falso e fantasioso, mas o produto realmente existe. Quando procuramos em sites de venda sérios encontramos o valor real que ele custa. Entrei no site de vendas falso e fiquei olhando os detalhes da mala até que encontrei um lugar onde se lia: “quem usou aprovou”. Ali encontrei o depoimento curto de alguns consumidores do produto. O primeiro era um jovem bonito de 20 e poucos anos chamado André Luiz. Seu comentário simples dizia “Excelente material, uma das melhores que já tive”, nada inusitado para uma publicação de pós venda como se faz no Mercado Livre ou Ali Express. Como eu já sabia que se tratava do comércio falso e criminoso daquele produto usando uma “isca” (um preço irreal), e movido por meu indefectível espírito curioso, resolvi fazer uma busca reversa com a foto do rapaz na Internet, apenas para saber se este era seu verdadeiro nome.

Para minha surpresa (nem tanto) ele não se chama André e sim Vinícius Augusto de Souza, um engenheiro agrônomo que foi assassinado por uma dupla de criminosos há alguns anos (em 2019) numa cidade do interior do Mato Grosso. Aparentemente se tratou de uma execução, pois os dois criminosos encontraram o rapaz na lanchonete e imediatamente saíram atirando.

Na mesma página de comentários aparece outro jovem dando um belo depoimento. Diz ele: “Material top, custo benefício maravilhoso, só agradecer!!”. No site ele se chama Gabriel Barbosa. Realizei em sua fotografia a mesma pesquisa reversa de imagem e novamente encontrei um detalhe macabro. Em verdade ele se chamava Murilo Henrique dos Santos, tinha 25 anos, morava em Jaú e morreu em 2020 ao cair de uma cachoeira e bater a cabeça contra uma pedra, tendo sido retirado sem vida do local pelo corpo de bombeiros da cidade.

A terceira pessoa a dar depoimentos usa óculos escuros, um boné com uma estrela vermelha e recebeu o nome de Andressa Martins, mas não foi possível encontrar sua imagem na internet, por isso não descobri seu verdadeiro nome. Ou seja, não contentes em roubar pela internet, fraudar consumidores, realizar crime cibernético ludibriando a boa fé das pessoas – que desejam comprar um produto verdadeiro e existente – eles colocam imagens de pessoas mortas como testemunho da qualidade dos produtos à venda.

Não é apenas uma desonestidade; além de ser crime é um brutal desrespeito com a família dessas pessoas, que podem encontrar o rosto de seus entes queridos participando de golpes pela internet. Desta forma, comprar um produto anunciado pelo Facebook se torna uma profunda estupidez, mas também nos faz desacreditar um pouco mais no gênero humano.

Veja abaixo o endereço criminoso:

https://fb.watch/fqsUTn2LV5/

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Ayahuasca

Minha experiência com a ayahuasca ocorreu há exatos 20 anos, na Bahia. Estávamos com minha amiga Robbie fazendo um “tour” sobre humanização do nascimento quando recebemos o convite de uma querida amiga, Maria Helena, para uma sessão especial na “União do Vegetal”. Tanto eu quanto Robbie – antropóloga americana e ativista da humanização do nascimento – atravessávamos os vales sombrios de nossos profundos e dolorosos dramas pessoais e foi elaborada para nós uma sessão especial de “cura”, ou de “saúde” – não recordo o termo exato utilizado.

Fomos em uma turma de vários colegas até o templo, um lugar esplendoroso e cercado de natureza. No interior do amplo salão havia dezenas de cadeiras de praia espalhadas e uma música de viola que tocava ininterruptamente. Lembro do intérprete das canções: Elomar.

Ficamos escutando aquela música por muito tempo, talvez por mais de uma ou duas horas. O silêncio, a música e o local produziam uma sensação inebriante e cristalina de paz.

Num determinado momento entraram os mestres, com suas características camisas verdes e muita pompa. Depois disso começou uma pregação doutrinária. A União do Vegetal é um sincretismo curioso de lendas amazônicas com partes da Bíblia, em especial o velho testamento e o rei Salomão. É uma “religião cristã reencarnacionista” que reconhece Cristo como o Salvador da Humanidade e foi criada em 1961 em plena Floresta Amazônica pelo seringueiro José Gabriel da Costa – “Mestre Gabriel” – um baiano nascido no município de Coração de Maria, região de Feira de Santana. O conteúdo da pregação pareceu seguir o roteiro padrão das igrejas cristãs, com exaltação dos valores morais, conservadorismo, padrões de comportamento determinados pelo gênero, etc, mas com uma liturgia muito interessante.

Num dado momento, após a pregação inicial e a evocação dos objetivos daquela sessão, um visitante novato levantou a mão e tentou explicar a razão de sua presença na reunião, pedindo para fazer alguns questionamentos. Foi imediatamente interrompido, bem no meio da sua manifestação e de forma um tanto rude, e lhe foi explicado que essas questões exigem um protocolo especial. Primeiro levanta-se a mão e se pede ao Mestre a permissão para fazer a pergunta; caso o Mestre autorize o sujeito continua e a faz. Ele concordou e levantou a mão, dizendo logo após: “Mestre, posso fazer uma pergunta?”, ao que o Mestre prontamente respondeu… “Não”.

Eu ri, mas não devia.

Depois passou-se à sessão com a ayahuasca propriamente dita. Foi colocada à frente do público em uma jarra transparente que continha a substância, cuja cor me pareceu semelhante ao “suco verde” que me acostumei a tomar pela manhã.

Essa substância é preparada a partir de duas plantas amazônicas, o cipó Mariri (Banisteriopsis caapi), e as folhas da árvore Chacrona (Psicotria viridis). O Chá Ayahuasca (ou Hoasca) é também chamado de Vegetal e seus discípulos o bebem durante as sessões, para efeito de concentração mental.

Feito o convite nos levantamos e entramos na fila. Quando levei o copo à boca senti gosto de “grama amarga”. Tomei o equivalente a meio copo de Vegetal e voltei a me sentar. Em alguns minutos todos haviam tomado e estavam de volta aos seus lugares, aguardando em silêncio e escutando os cânticos.

Algum tempo se passou até que um mestre se acercou de mim e perguntou se eu havia sentido a “burracheira”, que se define como a alteração sensorial produzida pela mistura das plantas. Eu respondi (talvez para agradá-lo) dizendo “creio que sim”. Ele deu uma gargalhada que foi acompanhada por vários dos presentes. “Quem sente a burracheira não acha e muito menos tem dúvida”.

Alguns minutos mais tarde outro mestre avisou que se alguém quisesse tomar mais uma dose poderia fazê-lo pois ele iria encerrar a oferta do Vegetal. Minha amiga Maria Helena me cutucou e eu prontamente levantei. Só no dia seguinte ela me contou que a “cutucada” era uma pergunta (se eu desejava tomar mais) e não um convite para mais uma dose. De qualquer maneira foi esse estímulo que me fez tomar a segunda – e fatídica – dose. Levantei, dirigi-me ao pote de vidro transparente, servi meio copo de ayahuasca e voltei a sentar.

Nesse momento eu já havia percebido que muitas pessoas levantavam de seus assentos em direção ao banheiro para vomitar. O vômito é descrito como uma boa reação ao Vegetal, produzindo um efeito exonerativo, semelhante às terapêuticas vomitivas da idade média ou dos enemas necessários na Grécia antiga como preâmbulo ao encontro com os Oráculos.

Em poucos minutos ficou claro que eu não ia escapar de chamar o “hugo”. Senti que estava ficando tonto e nauseado, e com uma espécie de aceleração mental. Aos poucos, mas de forma crescente, imagens multicoloridas se multiplicavam à minha frente, como um filme visto numa velocidade tão absurda que suas formas e cores se tornavam misturadas e confusas. O estranhamento foi ficando paulatinamente mais forte, e a náusea mais intensa, até o momento em que achei prudente me levantar para não passar vexame à vista de todos.

Saí da sala cambaleando e caminhei poucos passou na grama aparada que circundava o templo. Veio então a primeira golfada de vômito, cuja cor se confundiu com o gramado aos meus pés. Caí desfalecido ao solo logo após.

Acordei com o rosto colado ao chão espetado pela fina grama. Tentei entender o que havia acontecido e me dei conta que havia desmaiado após ter vomitado o Vegetal. Apesar do pequeno alívio que se seguiu, a minha mente não freava sua alta rotação e a náusea se mantinha. De onde estava consegui ver os banheiros que ficavam em uma construção contígua ao templo. Achei que um pouco de água fria no rosto me ajudaria e me esforcei para caminhar até lá.

Sim, era a “burracheira” e, sim, não havia como confundir.

Venci a distância de uns 15 metros com enorme dificuldade. As cores, as luzes, as imagens, a velocidade, a náusea insuportável, a angústia dobravam de intensidade a cada passo dado. Quando eu estava a dois metros da porta do banheiro verguei os joelhos vencido pela fraqueza, senti meu corpo dobrar em dois e meu rosto tocar o solo, me deixando na vexatória posição na qual “Napoleão perdeu a guerra”.

Apaguei totalmente, pela segunda vez. Lembro de ver uma luz se esvaindo, minguando como nas velhas televisões à válvula, que apagavam sua imagem de fora para dentro até restar apenas um minúsculo ponto brilhante no centro da tela. O universo se fechava à minha volta.

Meu despertar foi igualmente especial. Senti uma pequena lâmpada se acender e, em seguida, a reinicialização do “sistema”. Lembro de me perguntar primeiro quem eu era, depois onde estava e o que fazia ali. Recordo também de pensar nos meus filhos, talvez o que de mais valioso nos prende a esse mundo. Durante alguns segundos (minutos?) fiquei nesse estado de semi consciência até que senti uma mão tocar o ombro e uma voz me perguntando: “Você está bem?”

Era um grupo de Mestres que havia me seguido até ali, suspeitando que minha reação havia sido demasiado forte.

Fui ajudado por eles a me levantar e entrei no banheiro, onde a água fria de uma torneira me ajudou a respirar melhor e desembaralhar um pouco os pensamentos. Passados alguns instantes eu já suportava abrir os olhos e responder aos mestres. Em poucos minutos eu já estava sentado no auditório com os demais participantes.

Da experiência não tive nenhum insight consciente, nenhuma “abertura sensorial”, e nenhuma “entrada em um portal de luz”, mas é verdade que ninguém havia me prometido tal resultado. Também não houve uma ideia especial que tenha me ocorrido e sequer senti o desatar de algum nó emocional ou espiritual. Foi uma viagem pelos sentidos, porém muito mais forte do que eu supunha.

Guardei da passagem um entendimento um pouco mais rebuscado da origem do fenômeno religioso assim como do significado ancestral dos rituais de beberagem ritualística. Percebi o quanto essas celebrações possuem um potente papel agregador nas comunidades, e também a semelhança dos seus conteúdos litúrgicos com as diversas religiões com as quais já tive contato.

Depois da experiência no templo ainda tive dois dias de alteração, em especial a vontade de falar muito e sobre diversos assuntos, mas depois voltei ao meu característico caráter reservado. Fiquei muito impactado com os efeitos físicos e mentais da ayahuasca, mas não ao ponto de me submeter à ideologia claramente conservadora que a envolve. Contínuo até hoje um “agnóstico espírita” com profundo respeito pelas religiões, mas sem nenhum interesse em seguir qualquer uma delas.

Guardo essa experiência principalmente pelos amigos que me acompanharam e pela sensação de suporte que tive quando do meu segundo desmaio. Muitas vezes – em especial quem é da área da saúde – somos quem ampara aqueles que estão diante de um grande e profundo drama, e o melhor que podemos oferecer é nossa companhia, nosso silêncio e uma firme, porém delicada, mão no ombro.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Ressentimentos antigos

Há uns 25 anos organizei um seminário em Porto Alegre para homenagear uma instituição na qual eu era diretor e que estava completando 55 anos. A homenagem se estendia também ao seu fundador, falecido há algumas décadas. Fizemos vários painéis e convidamos alguns palestrantes da área de atuação do ambulatório para falar das múltiplas características do nosso atendimento.

Resolvemos convidar também um colega do fundador que ainda estava vivo, um velho farmacêutico que trabalhou com ele nos anos 50-60. Eu, particularmente, achei que seria uma ótima oportunidade de escutar alguém falando de uma personalidade que havia morrido antes mesmo de termos nascido, mas que havia criado com imenso sacrifício a instituição que nos abrigava.

Dizem as más línguas que o terreno onde a instituição ficava havia sido comprado com dinheiro ganho por este personagem em uma mesa de cartas, mas aí a lenda se confunde com a história.

Deixamos a palestra do velhinho para o encerramento do seminário. Não consegui esquecer suas palavras, mesmo com tantas décadas já passadas. Convidamos ele para compor a mesa e apresentamos sua história de vida. Depois solicitamos que nos falasse da sua relação com o nosso homenageado, o fundador da instituição, e do convívio que tiveram. Ele olhou a plateia, estalou os lábios e disse.

– Muitos anos já se passaram desde que convivemos nesta casa. Entretanto não poderei jamais esquecer seu temperamento irascível, seu caráter rabugento, sua falta de escrúpulos e sua má índole. Eu não tenho nenhuma boa palavra para dizer sobre ele. Em verdade preferia tê-lo esquecido por completo, pois nenhuma lembrança boa parece surgir em minha memória.

A coordenadora da mesa tentou tergiversar, mudar de assunto, mas o constrangimento foi inevitável. Agradeci sua presença e ainda lhe entreguei uma placa comemorativa.

O fato de serem contemporâneos e terem atuado na mesma área não deveria nos fazer supor que eram amigos. No caso, eram desafetos de muitos anos mas não nos ocorreu que isso fosse possível.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Honorários

Minha singela opinião sobre honorários, espero que entendam…

Durante mais de 20 anos a minha rotina era dar cursos, palestras, entrevistas e participar de congressos em várias partes do Brasil e do exterior. Meus fins de semana eram cheios de convites de várias localidades que desejavam debater o “Evangelho da Humanização do Nascimento”. No início estas atividades eram por puro diletantismo; fazia porque me dava prazer e porque me ajudavam a levar adiante meu ideário. Quase nunca cobrava pelas palestras, entrevistas e seminários.

Houve evento em que, durante uma palestra (para a qual não ganharia honorários) em uma cidade do interior do meu estado, uma jovem na plateia veio me informar que um famoso mestre estava na cidade realizando um workshop de um tema que guardava semelhanças com o meu, e ele desejava me convidar para inserir uma palestra minha no seu curso. Aceitei, por certo, e lá fui eu dar uma aula no curso dele. O sujeito era o Leonard Orr, recentemente falecido, criador da técnica de “Renascimento”.

Depois da minha palestra – para um grupo de 50 pessoas que estavam fazendo seu curso de imersão – o mestre me convidou para almoçar, quando então pudemos trocar umas ideias e jogar conversa fora. Logo depois de nos despedirmos sua secretária se aproximou de mim e me perguntou sobre os meus honorários.

Pego de surpresa, disse que não cobraria nada, afinal estava na cidade para outra atividade, que era um prazer ajudar, que esta tinha sido uma semente plantada para as ideias de humanização, etc. Ela sorriu e agradeceu. Poucas horas depois, conversando com uma aluna do curso do Leonard fiquei sabendo que aquela imersão de 4 dias havia custado 5 mil reais de cada aluno. Fiquei com cara de tolo pensando que não seria errado cobrar alguma coisa pelo meu trabalho. Mas percebi que o erro havia sido meu…

Entretanto, acho que é importante se fazer uma distinção e “desmoralizar” a questão. Isto é: o pagamento – ou não – do trabalho do palestrante não é uma questão moral, mas uma questão de “costume”, portanto, algo inserido na cultura. A partir de um determinado momento (acho que esse evento foi determinante) eu passei a cobrar pelas palestras e cursos, e avisava desde o primeiro telefonema na hora em que era feito o convite. Sequer perguntava se havia “previsão de honorários”; eu apenas avisava do quanto custava a minha palestra. Se eu sentisse qualquer titubeio eu explicava que para me deslocar para outra parte do país eu precisava ser ressarcido. Mostrava o quanto essa é uma tarefa custosa, difícil e que demanda uma boa parcela de sacrifício.

No pequeno mundo de partos e nascimentos por onde eu circulava as pessoas até já sabiam de antemão os meus honorários, porque isso é uma informação que corria fácil entre os ativistas. Nunca recebi qualquer reclamação por cobrar, mas reconheço até que posso ter deixado de receber convites porque sabiam do pagamento. Por outro lado, jamais cobrei para dar uma entrevista, para ir à TV ou para ir num programa de rádio. Mas por quê? Ora… porque é o costume. Quase ninguém que eu conheço – nem reais artistas de cinema – fazem isso, apesar de ser algo tão custoso quanto dar uma palestra.

As pessoas convidam sem ter noção do valor do profissional. Não oferecer pagamento não me parece desprezo pelo trabalho, mas NÃO COBRAR pelo que se faz com denodo e paixão, sim. Se você reconhece o quinhão de esforço pessoal na preparação e na execução do seu trabalho você estará falhando ao não precificá-lo. Portanto, aqueles que solicitam seu trabalho só vão saber do valor que ele tem se você demonstrar, deixar explícito, se disser o quanto custa e puder cobrar aquilo que é ganho com honra (honorário) de cabeça erguida.

Portanto, quando aquele que convida não aborda a questão do pagamento pode não se tratar de uma “falta de educação”, vindo de pessoas que “abusam” do nosso ofício, mas pode ser apenas uma questão de cultura local. Entretanto, cabe sempre ao palestrante estabelecer regras e limites sobre o seu próprio trabalho. Minha experiência diz que as pessoas normais (excluo os perversos) não se ofendem com o preço que você determina, mas passam a lhe tratar de uma maneira diferente, talvez até mais respeitosa. Assim, acredito que o valor que nos pagam está na exata proporção do quanto demonstramos respeitar o nosso ofício.

Espero ter ajudado…

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

As Fases da Lua

Certa feita estava em um evento social (isso soa quase como uma piada para um ermitão como eu) quando escutei uma voz conhecida me chamando alguns metros atrás de mim. Eu de imediato reconheci o timbre da voz, mas logo percebi que se tratava de alguém de um passado muito distante:

– Então Ric, as fases da lua realmente influenciam no parto?

Olhei para o lado e encontrei um colega de residência. Por alguns segundo fiquei tentando imaginar a razão de me fazer esta pergunta após algumas décadas sem nos vermos. Por que me perguntar da lua? Durante algumas frações de segundos eu busquei nos arquivos empoeirados da minha memória até conectar os pontos. A explicação para esta bizarra conexão me oportunizou refletir sobre padrões que utilizamos para valorar circunstâncias e personagens.

Durante a residência por diversas vezes eu fui confrontado com algumas informações a respeito do “gatilho do parto”, ou seja, quais os elementos internos e externos envolvidos na início do trabalho de parto. Hoje sabemos que o processo está relacionado à maturidade fetal, que é quem inicia este processo. Todavia, há mais de 3 décadas atrás, muito se discutia sobre fatores ambientais e circunstanciais – inclusive por aqueles que trabalhavam em maternidades – e era comum escutar que as fases da lua tinham um papel no desencadeamento de eventos que culminariam no nascimento de um bebê. Alguns colegas de outras especialidades me falavam que a lua, por sua gravidade, era capaz de mover extensas massas de água, no fenômeno conhecido como “marés”. Ora, se o ser humano é composto de 70% de água é natural imaginar que esta mesma água seria, de alguma forma, modulada pela força atrativa da lua. Lógico, não?

Essa pode ser até uma boa ideia, ou apenas mais uma fantasia colocada no catálogo interminável de crenças aplicadas sobre o evento do nascimento humano. Quando as pessoas me diziam sobre a experiência que tiveram com o plantão lotado em um dia de lua cheia eu perguntava se elas lembravam da luz cheia anterior, se também havia sido movimentado. A resposta era negativa, e eu argumentava que deveria se tratar apenas de “viés de confirmação” – a tendência de recordar, interpretar ou pesquisar por informações de maneira a confirmar crenças ou hipóteses iniciais – e não de uma correlação verdadeira entre eventos. Eu, particularmente, não acreditava nessa coincidência, mas também sabia que só poderia haver uma forma de comprovar seu acerto ou erro.

Sim, a aplicação de um método.

Desta forma resolvi analisar todos os partos do hospital escola ocorridos no ano anterior. Capturei as folhas da enfermagem do centro obstétrico e comecei a analisar os dados. O que primeiro me chamou a atenção foi o número enorme de internações fora do trabalho de parto, por indicações médicas variadas, além do uso de oxitocina, que poderia fazer um parto ocorrer antes do que estava programado para acontecer. Enquanto eu me ocupava com a elaboração de uma hipótese houve um encontro de residentes no hospital, e na oportunidade fui convidado a mostrar minha proposta de pesquisa. Afinal, muitos colegas ficaram vivamente entusiasmados em saber se, afinal, é verdade ou não esta suposta influência da lua sobre os nascimentos.

No dia da minha fala mostrei apenas alguns dados preliminares e expliquei que seria necessária uma depuração para que fosse possível ver a ação natural da lua sobre os eventos do parto. Porém, foi durante a breve apresentação que me dei conta da inutilidade da minha pesquisa solitária. Já naquela época eu estava me divorciando definitivamente da ideia do “parto natural”, um termo que desde então passei a combater. Não existe nada de “natural” no parto, se esta palavra for usada como contraposição às perspectivas culturais, portanto artificiais, e que não dizem respeito à pura ação biológica sobre o processo de expulsão fetal do claustro materno.

Para avaliar a influência da lua sobre os partos seria necessário realizar o isolamento das milhares de outras condicionantes socio-culturais-contextuais que agem sobre o parto, uma tarefa que eu percebi ser completamente impossível e inviável. Talvez há alguns séculos, em uma tribo de indígenas autóctones da Amazônia, seria possível retirar muitos destes condicionantes, mas nem assim seria o suficiente para retirar deles a linguagem – e como diria Lacan “a palavra matou o real”. O parto natural está restrito aos outros mamíferos, e mesmo para eles apenas quando estiverem em segurança, distantes do nosso olhar. A par deste meu desencanto, a influência da lua sobre partos acabou sendo desmentida por diversos estudos, e hoje resta pouca dúvida sobre a questão.

Eu me dei conta muito cedo que o real do corpo é inacessível para um universo simbólico, onde variáveis infinitas agem sobre o pensamento, e este sobre o corpo e suas funções. O desencadeamento de um parto pode até ocorrer pela lua mas é muito mais provável que hoje em dia seja mais condicionado pelo humor e pelas crenças do médico do que por qualquer alteração hormonal. Por esta razão a pesquisa logo se tornou absolutamente desinteressante, até porque a minha visão a partir de então estaria totalmente direcionada para as questões relacionadas ao protagonismo feminino no evento, o que consumiu praticamente toda a minha vida profissional. As influências da lua ficaram como uma curiosidade passageira da época do final da residência.

Entretanto, e aqui o ponto que eu achei interessante, a imagem do “jovem médico místico” preocupado com a influência das fases da lua ficou gravado na memória do meu colega, como se aquela imagem pudesse traduzir minha personalidade e os meus interesses. Nada poderia estar mais longe da verdade, como o resto da minha vida pode comprovar. Todavia, fiquei igualmente impactado ao me dar conta de que este tipo de comportamento é extremamente utilizado por todo mundo – inclusive por mim.

Comecei a lembrar de pessoas pelas quais tenho uma profunda antipatia por coisas feitas ou ditas em um passado distante e percebi que muitas vezes (quase todas) essa má impressão está ligada a pequenas coisas, posições que o sujeito teve no passado, e que podem estar completamente distantes de sua realidade atual. É possível que tenham abandonado por completo suas posturas, suas ideias, suas perspectivas de mundo e tenham se tornado bastante diferentes. Como a menina na praia de Copacabana que deu uma declaração preconceituosa e até racista para a extinta TV Manchete, mas que refez sua vida, estudou filosofia e hoje diz ter “horror de gente que pensa como ela pensava”.

Pessoas mudam, pessoas crescem, se modificam. Pessoas evoluem… o que era algo valioso no passado pode se tornar desinteressante em muito pouco tempo. Paixões se dissipam no ar sob a ação do sol, novos amores surgem, assim como novos interesses brotam da experiência cotidiana. É possível que, dentro de um tempo variável, todos sejamos compelidos a mudar o nosso foco, nossa visão da realidade, fazendo o interessante virar frugal, e o banal essencial.

Minha maior fantasia é ter um encontro com Jesus depois de morrer. Imagino encontrá-lo no plano espiritual, e, passado o susto por vê-lo, nossa conversa seria assim:

– Fala Nazareno!!! Feliz de te encontrar!! Meu, que honra…

– Obrigado, mas ninguém me chama mais de Nazareno há alguns séculos. Aqui acabei me dedicando a outras coisas, meu foco de atenção está em outros projetos. Nada contra aquela minha fase, que foi até bem legal. Fiz vários amigos e curti muito. Converso muito com os apóstolos ainda. Pedro, por exemplo, quando vem para cá sempre fica na minha casa, né Madalena?

Olho para o lado e Madalena concorda com um sorriso e um meneio de cabeça, enquanto passa um pano nos móveis da sala. Volto o olhar para o Messias e o vejo carregando com certa dificuldade uma sacola marrom.

– O que tem na sacola, Mestre? Precisa de ajuda?

– Ahh, tudo bem. Faz parte do treinamento. São meus halteres.

– Halteres?

– Sim, nos dois últimos séculos tenho me dedicado ao fisiculturismo. Percebi que este é um caminho muito mais interessante. Se eu estivesse bem fisicamente teria sido muito mais difícil para os romanos me pegarem. Essa é a minha paixão por ora…

Ok, uma fantasia, mas creio que manter-se com a fotografia estática de qualquer um – para o bem e para o mal – diminui a imensa adaptabilidade humana para encontrar novos caminhos, novas paixões e projetos.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos