Elza

A mesma violência que agora é imposta a Elza Soares por declarar seu amor por Garrincha é direcionada a qualquer mulher que ouse admitir publicamente seu desejo caótico e contraditório, e que tenha a coragem de admitir o amor por seu homem. Pois é esse amor puro (no sentido de selvagem) que irrita as controladoras, monjas defensoras de um modelo velho e anacrônico.

O mesmo discurso é feito até hoje com Frida Kahlo e sua paixão por Diego, a ligação problemática de Ava por Frank, Anjelica Huston e sua paixão por Jack Nicholson, etc.

Para uma pretensa defesa das mulheres exige-se delas a submissão a um catecismo baseado no ódio e no ressentimento. Pior ainda, tratam as mulheres como tolas e infantis, incapazes de fazer escolhas maduras. Destaco essa frase do texto publicado por Fernando Souza Jr. que denuncia a ideia de que as mulheres nunca tem condições de analisar seus desejos sem a orientação daquelas que acreditam saber tudo sobre o sentimento de cada uma delas.

“No caso, tem-se a impressão que Elza Soares foi uma mulher incapaz de conhecer a própria história, as próprias dores, as próprias escolhas. Iludida por algum feitiço patriarcal mui potente, Elza não teria condições, sozinha, de interpretar racionalmente fatos ocorridos em sua própria existência.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s