Derrota e dor

Nossa dificuldade de aceitar os reveses e o caótico da vida nos leva a eleger culpados, esquartejá-los e expor suas partes dispersas em praça pública, para o deleite dos corvos sempre à espreita. Nossa necessidade de colocar todos os eventos humanos em uma linha de causalidade já nos faz acreditar que o “gato” expulso da coletiva mostrou a “índole do grupo”, causa essencial de nossa derrota. Ontem mesmo o preço do relógio do Militão foi colocado como elemento que colaborou para o fracasso da seleção nacional. Não foram esquecidos o “bife folheado a ouro”, a fortuna dos jogadores e até suas opções partidárias.

Lógico que a culpa recai com peso maior nos ídolos, como Neymar, o principal responsável pela nossa saída prematura. Tite também foi levado à fogueira pois, afinal, havia uma regra (que eu desconhecia) e ela determina que os mais capacitados batem pênalti primeiro. Além disso, armou mal o time, foi “covarde”, e só ontem li uns 30 esquemas táticos alternativos melhores que o dele, feitos por experts anônimos na prática do ludopédio. Sem falar da ausência de Gabigol, Fulano e Beltrano. Outras razões foram os jogadores descompromissados que só pensam em dinheiro, mulheres e carros importados. Além disso, a seleção tinha que ter apenas (ou majoritariamente) jogadores que jogam no Brasil.

Apesar de não concordar com estas teorias eu as aceito – são a expressão mais explícita do “jus esperniandis“, o sagrado direito a chorar e se indignar com as derrotas. Todavia, eu prefiro entender que estes fracassos são a prova maior da grandeza do Futebol, e são o nosso quinhão de sofrimento para que a mística persista. Já testemunhei vitórias do meu time contra equipes muito superiores, sucessos movidos apenas pela aplicação tática, raça, determinação e pura sorte da minha equipe. E enquanto eu comemorava as vitórias inesquecíveis contra as equipes do eixo, achava ridículas as explicações deles que colocavam a culpa da derrota nas suas falhas, e não em nossas poucas, mas decisivas, virtudes.

Mesmo reconhecendo a superioridade imensa da seleção brasileira sobre seu adversário – inclusive dentro da partida – eu creio que o jogo que nos eliminou mais uma vez da Copa do Mundo mostrou a imensa aplicação tática da Croácia, seu preparo físico superior e a qualidade de um jogador extra classe: Luka Modrić. Prefiro explicar as derrotas pela qualidade de quem nos venceu do que colocar nossos jogadores no pelotão de fuzilamento.

O sonho do hexa foi mais uma vez adiado. Podemos chorar à vontade, mas que nosso pranto seja breve. Afinal, há um país a ser reconstruído.

Publicidade

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s