Arquivo da tag: domesticação dos escorpiões

Medicina do Futuro

Já nos anos 90 eu dizia que “nos tornamos especialistas em tratar os desarranjos da saúde criados por um sistema médico caótico e desintegrado que é o resultado de uma Medicina inserida na ideologia capitalista”. Agora volto a assistir médicos debatendo os rumos da medicina, em especial a partir da ideia de que, investindo em medicina primária, mudaríamos toda a estrutura da medicina moderna.

Não há como discordar disso, entretanto é algo que eu mesmo digo há 25 anos; mesmo sabendo que poucas pessoas estão interessadas em debater medicina a partir dessa perspectiva.

Para mim a Medicina se comporta como uma terapia distópica, tapando os buracos que ela mesma cria por suas intervenções intempestivas. Nos anos 90 eu falava ainda algo mais catastrófico: “Fosse a Medicina realmente baseada em evidências científicas produzidas por estudos bem conduzidos sua expressão cotidiana seria tão diferente do que hoje conhecemos que ela seria praticamente irreconhecível”.

Não há dúvida que esta medicina seria chocante para nós. Imagine-se como um viajante do tempo que encontrasse um amigo no futuro e ele lhe dissesse: “quer me acompanhar na visita ao médico?” e ambos fossem cantar em um grupo de canto coral.

Como assim?“, diria você. Pois talvez, se as evidências se confirmarem, pintar, dançar, cantar, cuidar do jardim e brincar com filhos e netos tenha muito mais a ver com saúde humana do que todas as drogas até hoje produzidas. É bem provável que a busca pela saúde pouco tenha a ver com as múltiplas intervenções externas e mecânicas, e muito mais com o equilíbrio interno, a organização social, o convívio, o prazer, a alegria e a natureza.

Lembro agora das reuniões de Pré Natal em Pithiviers dirigidas por Michel Odent, quando ele trazia uma professora de piano e estimulava o canto, a música, as piadas, a presença de crianças, etc. Quem ousaria negar que isso é muito mais efetivo para o estímulo à saúde do que sentar à frente de um doutor forrado de arrogância e ideologia etiocentrada?

Como dizia um filósofo conhecido: “Não, não é depressão. É capitalismo mesmo”.

Portanto, não há mais dúvidas quanto a necessidade de repensar a medicina e centrar nosso foco em atenção primária. Quero apenas dizer que esse discurso é antigo, que de tempos em tempos veste roupagens diferentes, mas é sempre bom vê-lo sendo repaginado. Todavia, minha tese é que jamais existirá uma mudança radical na saúde sem que haja uma transformação no sistema econômico. Enquanto a doença for algo economicamente incentivado nada de profundo vai mudar.

Pense no dilema do cesarista; que tipo de pressão ele tem para promover a saúde dos seus pacientes? Se você perguntar a ele porque não segue os estudos e a Medicina Baseada em Evidências ele lhe dirá, do alto de sua sinceridade racionalista: “Por que diabos eu faria isso? Ganho muito mais dinheiro, tranquilidade e tempo sendo assim, e nenhuma paciente reclama. Mais ainda: recebo total apoio dos meus pares; jamais serei incomodado pelo CFM por passar bisturi em todo mundo”.

Houve uma época que até eu acreditei que “educar médicos” seria a solução, mas abandonei essa ideia há mais de 25 anos, porque não se trata de uma questão de educação ou de informação, mas de paradigmas centrados no poder das corporações e no lucro. Hoje cultivo um ceticismo esperançoso, aguardando que as radicalidades de outrora sejam cada dia mais próximas da centralidade do poder autoritário.

Essa minha postura pode ser traduzida como o eterno embate idealismo X materialismo. Eu sei que o certo seria uma revolução proletária comunista mas ninguém está preparado para isso, então a gente acredita nas promessas de “domesticação dos escorpiões” imaginando que confinados e bem educados eles deixariam de picar as pessoas. É só por isso que a gente continua acreditando no revisionismo das esquerdas que prometem civilizar o capital. Da mesma forma, acredito que ações parciais em direção à autonomia e à prevenção de transtornos podem ser positivas, mesmo sabendo que nenhuma mudança radical poderá ocorrer enquanto tivermos uma medicina centrada no capitalismo.

English version

Back in the 90s I used to say that “we have become specialists in treating health disorders created by a chaotic and disintegrated medical system that is the result of a Medicine inserted in the capitalist ideology”. Now I witness again doctors debating the trends of medicine in the 21st century, especially from the idea that, investing in primary medicine, we would change the entire structure of modern medicine.

There is no way to disagree with that, however it is something I have been saying myself for 25 years; even though few people are interested in debating medicine from this perspective.

For me, Medicine behaves like a dystopian therapy, filling the holes that it creates by its untimely interventions. In the 90’s I said something even more catastrophic: “Were Medicine really based on scientific evidence produced by well-conducted studies, its everyday expression would be so different from what we know today that it would be practically unrecognizable”. There is no doubt that this medicine would be shocking to us. Imagine yourself as a time traveler who met a friend in the future and he says to you: “Will you accompany me to the doctor’s visit?” and both end up going a choral singing group.

“How so?”, you would say. Perhaps, if the evidence confirms, painting, dancing, singing, taking care of the garden and playing with children and grandchildren have much more to do with human health than all the drugs produced so far. It is likely that the search for health has little to do with multiple external and mechanical interventions, and much more to do with internal balance, social organization, conviviality, pleasure, joy and nature.

I remember the prenatal meetings in Pithiviers led by Michel Odent, when he brought a piano teacher and encouraged singing, music, jokes, the presence of children, etc. Who can deny that this is much more effective in boosting health than sitting in front of a doctor infused with arrogance and etiocentric ideology?

As a well-known philosopher used to say: “No, it’s not depression. It is just capitalism”.

Therefore, there is no longer any doubt about the need to rethink medicine and the necessary focus on primary care. Indeed, I know that this speech is old, which – from time to time – wears different clothes, but it’s always nice to see it being reworked. However, my thesis is that there will never be a radical change in healthcare without a transformation in the economic system. As long as the disease is something economically encouraged, nothing profound will change.

Think on the diehard C-section apologist´s dilemma; what kind of pressure does he have to promote the health of his patients? If you ask him why he does not follow studies and Evidence-Based Medicine he will say, from the height of his rationalistic sincerity: “Why the hell would I do that? I earn a lot more money, I have peace of mind, time for my family and no patient complains. What’s more: I get full support from my peers; I will never be bothered by the medical board for using a scalpel over all patients”.

There was a time when even I believed that “educating doctors” would be the solution, but I abandoned this idea more than 25 years ago, because it is not a question of education or information, but about a paradigm centered on corporate power and profit . Today I cultivate a hopeful skepticism, hoping that the radicalisms that we shared many years ago are each day closer to the centrality of authoritative power.

This posture can be translated as the eternal clash between idealism and materialism. I know that the right thing would be a communist proletarian revolution but nobody is prepared for that, so we believe in the promises of “scorpion´s domestication”, imagining that confined and well educated they would stop biting people. This is the only reason why people continue to believe in the revisionism of the left that promises to civilize capital, even thou they know it goes against the essence of capital. Likewise, I believe these partial actions towards autonomy and the prevention of disorders can be positive, even knowing that no radical change can occur as long as we have a medicine centered on capitalism.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina