Arquivo da tag: Medicina

Guerra ao câncer e o ufanismo médico

Essa era a guerra contra o Câncer que foi iniciada pelo governo Nixon nos anos 70. Nesta época toda a pesquisa era direcionada pela ideia de que os tumores tinham origem viral. Houve uma euforia desmedida com a possibilidade de encontrar um elemento exógeno – os vírus – que estariam na gênese dos tumores. A Revista Realidade, uma publicação importante daquela época, deu destaque a esta luta contra uma doença que parecia insuperável. Foi daí que o governo americano supriu de verbas e estímulos as pesquisas sobre vírus. Também nessa época surgiu no cenário da medicina americana uma figura que depois ficaria famosa e controversa (para o bem e para o mal): o virologista Robert Gallo. Foi ele o deflagrador da “guerra à Aids”, e sobre ele muito foi escrito e debatido.

Assim como a “guerra às drogas”, a “guerra ao terror” e a “guerra ao crime”, a “guerra ao câncer” foi um retumbante fracasso, mesmo que alguma avanços tenham sido conquistados. A doença continua a ser principal causa de morte no primeiro mundo. E não há nada no horizonte a nos mostrar que ela está para desaparecer. Pelo contrário: seus números continuam a crescer de forma assustadora. A estratégia tipicamente americana de tratar estas questões como enfrentamentos maniqueístas ao estilo “bem contra o mal” e usando vocabulário de conflito (inimigo, armas, defesas, etc.) esbarra no fato de que câncer, drogas, criminalidade e terror são produções humanas multifatoriais, e não são males em si, mas consequências quase óbvias de desajustes orgânicos e sociais que a humanidade produz.

Enquanto não for aceito que a abordagem sistêmica (o fim do capitalismo e o respeito ao meio ambiente) é a única solução para estes dilemas continuaremos a colecionar fracassos como estes.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Médicos cubanos

Acho chocante quando algumas pessoas tentam atacar a medicina cubana usando velhos chavões imperialistas, apenas pela incapacidade de enxergarem a medicina por uma perspectiva mais abrangente. Colocam os “médicos” cubanos entre aspas como se fossem profissionais de segunda classe. Nada poderia ser mais equivocado.

Certamente que para estes críticos o paradigma de Medicina evoluída se aproximaria da “estética médica americana”, que confunde tecnologia, sofisticação, drogas e intervenção com qualidade na atenção, o que é um erro comum, tendo em vista a avalanche de programas americanos de TV sobre médicos e hospitais que sempre investiram nessa imagem. Marcus Welby MD, Dr. Kildare, ER, Plantão Médico, The Good Doctor, Grays Anatomy, Dr. House e até Breaking Bad exploram uma visão mercantil e tecnocrática da medicina inserida no capitalismo. É compreensível que a visão do que seja um médico entre nós seja tão distorcida ou, no mínimo, enviesada, desreconhecendo outras formas e perspectivas de diagnóstico e tratamento.

Eu costumo dizer que a aplicação estrita e meticulosa da MBE – Medicina Baseada em Evidências – tornaria a prática médica no ocidente tão diferente do que a conhecemos que ela seria vista com desconfiança por um observador desavisado. Um médico que pratica pura ciência médica não seria reconhecido facilmente, tão distante ele estaria da imagem que a propaganda criou sobre como fala, o que diz, o que veste, sua classe social e sua postura.

Pois essa medicina tecnológica, inserida no paradigma da tecnocracia, do patriarcado e do capitalismo tem seu maior exemplo na medicina americana, essa mesma que é vendida como padrão para o planeta inteiro. E não por acaso, essa é a de pior resultado entre todas as nações do primeiro mundo. Como exemplo cito o fato de que os Estados Unidos estão em 50o lugar em mortalidade materna e 52o lugar em mortalidade neonatal, MUITO atrás de Cuba, para vergonha dos meus amigos gringos. E a mortalidade materna americana, ao contrário do resto do mundo, cresce ao invés de cair.

Se há uma medicina que merecia estar entre aspas é a nossa, cópia mal acabada de um modelo ruim, caro e ineficiente. A medicina cubana, ao se mostrar integrativa, pessoal, afetiva, preventiva e holística causa irritação em quem se acostumou a ver uma prática médica exógena, invasiva e endorcista. Ao contrário da cubana, a nossa obtém mais lucros quanto mais doente o paciente fica.

Por estarmos ainda carregados de uma visão etnocêntrica nos tornamos incapazes de ver formas alternativas de assistência e abordagem. Por isso esse triste preconceito.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Cyborg

Imagine-se chegando em uma cidade e perceber, já no aeroporto, que a maioria das pessoas anda em cadeiras de rodas. Faz uma rápida conta mental e contabiliza mais da metade como incapazes de caminhar com as próprias pernas. Mais ainda: quando chega ao banheiro nota uma fila de homens aguardando para colocar uma sonda urinária, já que não conseguem urinar por si mesmos. Quando sai à rua, se dá conta que uma quantidade enorme de pessoas usa bolsa de colostomia anexada aos seus ventres, porque seus intestinos já não funcionam adequadamente. Não seria este um choque brutal? Não caberia perguntar o que houve nessa localidade capaz de produzir uma epidemia de incapacidades? Não seria justo e necessário investigar as origens de tamanha tragédia?

Mas, não será essa ficção apenas uma caricatura do que já estamos vivendo hoje, como vaticinou Donna Haraway em seu “Cyborg Manifesto”?

Dentaduras de sorrisos perfeitos, olhos com cristalinos artificiais, quadris de titânio, rostos com botox e fios de ouro fazem do humano uma pálida lembrança do que outrora fomos. Como o “Homem de 6 milhões de dólares” almejamos a transcendência dos limites tímidos do nosso corpo, exigindo da tecnologia que suplante nossas imperfeições através dos recursos técnicos artificiais.

Quanto mais “avançamos” enquanto sociedade mais nos percebemos trocando funções fisiológicas orgânicas – e seus milhões de anos de aperfeiçoamento – por versões artificiais “top de linha”, como novos-ricos ciborgues exibindo nossas ereções quimicamente estimuladas, nossas perucas rejuvenescedoras, pontes de safena e válvulas cardíacas como preciosos objetos de consumo.

Diante de tamanho esplendor tecnocrático, por que deveríamos nos assombrar com o fato de que 57.5% das mulheres brasileiras são levadas a uma cesariana, alijadas da vivência fisiológica e natural dos seus partos – fato que acompanhou a humanidade desde seu alvorecer? Por que deveria nos causar espanto que quase 60% das mulheres são incapazes de dar conta de algo que suas bisavós entendiam como tarefa natural da feminilidade?

Se há um corpo que se presta ao (ab)uso da tecnologia, este será o das mulheres. Afinal, sua incompetência, fragilidade e defectividade são exaltadas pela cultura e pela própria estrutura do modelo patriarcal. A expropriação de sua inata capacidade de gestar e parir não é nada além de um capítulo a mais na sua larga história de intromissões e invasões.

Hoje a verdadeira revolução não está mais em descobrir o próximo “gadget” precioso que vais tornar nossa vida mais tranquila e segura, mas em questionar o quanto de humanidade restará em nós quando a nenhuma criança mais for dado o direito de nascer do ventre de uma mulher.

ENGLISH VERSION

Imagine yourself arriving in a city and realizing, already at the airport, that most people in that place are in wheelchairs. You do a quick mental count and notice that more than half is unable to walk on their own legs. Even more: When you go to the bathroom, you notice a line of men waiting to put in a urinary tube, as they cannot urinate by themselves. When you leave the premises, you realize that a huge number of people use a colostomy bag attached to their bellies, because their intestines are no longer functioning properly. Wouldn’t this be a brutal shock? It would not be appropriate to ask what happened in this locality so terrible as to produce an epidemic of disabilities? Would it not be fair and necessary to investigate the origins of such a tragedy?

However, isn’t this fiction just a caricature of what we are already experiencing today, as predicted by Donna Haraway in her “Cyborg Manifesto”?

Dentures with perfect smiles, eyes with artificial lenses, titanium hips, faces filled with botox and gold threads which make the human a pale reminder of what we once were. As the “Million Dollar Man” we aim to transcend the timid limits of our bodies, demanding from technology that it overcomes our imperfections through artificial technical resources.

The more we “advance” as a society, the more we find ourselves trading organic physiological functions – and their millions of years of improvement – ​​for “top-of-the-line” artificial versions, like cyborg nouveaux riches showing off our chemically stimulated erections, our rejuvenating wigs, heart bypass grafts and heart valves as precious consumer items.

Faced with such technocratic splendor, why should one we be amazed at the fact that 57.5% of Brazilian women are taken to a caesarean section, denied of the physiological and natural experience of their births – a fact that has accompanied humanity since its dawn? Why should it surprise us that nearly 60% of women are unable to cope with something their great-grandmothers saw as the natural task of femininity?

If there is a body that lends itself to the (ab)use of technology, it will be that of a woman. After all, its incompetence, fragility and defectiveness are exalted by the culture and by the very structure of the patriarchal model. The expropriation of her innate ability to gestate and give birth is just another chapter in her long history of intrusions and invasions.

Today the real revolution is no longer discovering the next precious “gadget” that will give our lives more pleasure and connection, but rather questioning how much humanity will be left in us when no more child will be given the right to be naturally born from a woman´s womb.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Medicina do Futuro

Já nos anos 90 eu dizia que “nos tornamos especialistas em tratar os desarranjos da saúde criados por um sistema médico caótico e desintegrado que é o resultado de uma Medicina inserida na ideologia capitalista”. Agora volto a assistir médicos debatendo os rumos da medicina, em especial a partir da ideia de que, investindo em medicina primária, mudaríamos toda a estrutura da medicina moderna.

Não há como discordar disso, entretanto é algo que eu mesmo digo há 25 anos; mesmo sabendo que poucas pessoas estão interessadas em debater medicina a partir dessa perspectiva.

Para mim a Medicina se comporta como uma terapia distópica, tapando os buracos que ela mesma cria por suas intervenções intempestivas. Nos anos 90 eu falava ainda algo mais catastrófico: “Fosse a Medicina realmente baseada em evidências científicas produzidas por estudos bem conduzidos sua expressão cotidiana seria tão diferente do que hoje conhecemos que ela seria praticamente irreconhecível”.

Não há dúvida que esta medicina seria chocante para nós. Imagine-se como um viajante do tempo que encontrasse um amigo no futuro e ele lhe dissesse: “quer me acompanhar na visita ao médico?” e ambos fossem cantar em um grupo de canto coral.

Como assim?“, diria você. Pois talvez, se as evidências se confirmarem, pintar, dançar, cantar, cuidar do jardim e brincar com filhos e netos tenha muito mais a ver com saúde humana do que todas as drogas até hoje produzidas. É bem provável que a busca pela saúde pouco tenha a ver com as múltiplas intervenções externas e mecânicas, e muito mais com o equilíbrio interno, a organização social, o convívio, o prazer, a alegria e a natureza.

Lembro agora das reuniões de Pré Natal em Pithiviers dirigidas por Michel Odent, quando ele trazia uma professora de piano e estimulava o canto, a música, as piadas, a presença de crianças, etc. Quem ousaria negar que isso é muito mais efetivo para o estímulo à saúde do que sentar à frente de um doutor forrado de arrogância e ideologia etiocentrada?

Como dizia um filósofo conhecido: “Não, não é depressão. É capitalismo mesmo”.

Portanto, não há mais dúvidas quanto a necessidade de repensar a medicina e centrar nosso foco em atenção primária. Quero apenas dizer que esse discurso é antigo, que de tempos em tempos veste roupagens diferentes, mas é sempre bom vê-lo sendo repaginado. Todavia, minha tese é que jamais existirá uma mudança radical na saúde sem que haja uma transformação no sistema econômico. Enquanto a doença for algo economicamente incentivado nada de profundo vai mudar.

Pense no dilema do cesarista; que tipo de pressão ele tem para promover a saúde dos seus pacientes? Se você perguntar a ele porque não segue os estudos e a Medicina Baseada em Evidências ele lhe dirá, do alto de sua sinceridade racionalista: “Por que diabos eu faria isso? Ganho muito mais dinheiro, tranquilidade e tempo sendo assim, e nenhuma paciente reclama. Mais ainda: recebo total apoio dos meus pares; jamais serei incomodado pelo CFM por passar bisturi em todo mundo”.

Houve uma época que até eu acreditei que “educar médicos” seria a solução, mas abandonei essa ideia há mais de 25 anos, porque não se trata de uma questão de educação ou de informação, mas de paradigmas centrados no poder das corporações e no lucro. Hoje cultivo um ceticismo esperançoso, aguardando que as radicalidades de outrora sejam cada dia mais próximas da centralidade do poder autoritário.

Essa minha postura pode ser traduzida como o eterno embate idealismo X materialismo. Eu sei que o certo seria uma revolução proletária comunista mas ninguém está preparado para isso, então a gente acredita nas promessas de “domesticação dos escorpiões” imaginando que confinados e bem educados eles deixariam de picar as pessoas. É só por isso que a gente continua acreditando no revisionismo das esquerdas que prometem civilizar o capital. Da mesma forma, acredito que ações parciais em direção à autonomia e à prevenção de transtornos podem ser positivas, mesmo sabendo que nenhuma mudança radical poderá ocorrer enquanto tivermos uma medicina centrada no capitalismo.

English version

Back in the 90s I used to say that “we have become specialists in treating health disorders created by a chaotic and disintegrated medical system that is the result of a Medicine inserted in the capitalist ideology”. Now I witness again doctors debating the trends of medicine in the 21st century, especially from the idea that, investing in primary medicine, we would change the entire structure of modern medicine.

There is no way to disagree with that, however it is something I have been saying myself for 25 years; even though few people are interested in debating medicine from this perspective.

For me, Medicine behaves like a dystopian therapy, filling the holes that it creates by its untimely interventions. In the 90’s I said something even more catastrophic: “Were Medicine really based on scientific evidence produced by well-conducted studies, its everyday expression would be so different from what we know today that it would be practically unrecognizable”. There is no doubt that this medicine would be shocking to us. Imagine yourself as a time traveler who met a friend in the future and he says to you: “Will you accompany me to the doctor’s visit?” and both end up going a choral singing group.

“How so?”, you would say. Perhaps, if the evidence confirms, painting, dancing, singing, taking care of the garden and playing with children and grandchildren have much more to do with human health than all the drugs produced so far. It is likely that the search for health has little to do with multiple external and mechanical interventions, and much more to do with internal balance, social organization, conviviality, pleasure, joy and nature.

I remember the prenatal meetings in Pithiviers led by Michel Odent, when he brought a piano teacher and encouraged singing, music, jokes, the presence of children, etc. Who can deny that this is much more effective in boosting health than sitting in front of a doctor infused with arrogance and etiocentric ideology?

As a well-known philosopher used to say: “No, it’s not depression. It is just capitalism”.

Therefore, there is no longer any doubt about the need to rethink medicine and the necessary focus on primary care. Indeed, I know that this speech is old, which – from time to time – wears different clothes, but it’s always nice to see it being reworked. However, my thesis is that there will never be a radical change in healthcare without a transformation in the economic system. As long as the disease is something economically encouraged, nothing profound will change.

Think on the diehard C-section apologist´s dilemma; what kind of pressure does he have to promote the health of his patients? If you ask him why he does not follow studies and Evidence-Based Medicine he will say, from the height of his rationalistic sincerity: “Why the hell would I do that? I earn a lot more money, I have peace of mind, time for my family and no patient complains. What’s more: I get full support from my peers; I will never be bothered by the medical board for using a scalpel over all patients”.

There was a time when even I believed that “educating doctors” would be the solution, but I abandoned this idea more than 25 years ago, because it is not a question of education or information, but about a paradigm centered on corporate power and profit . Today I cultivate a hopeful skepticism, hoping that the radicalisms that we shared many years ago are each day closer to the centrality of authoritative power.

This posture can be translated as the eternal clash between idealism and materialism. I know that the right thing would be a communist proletarian revolution but nobody is prepared for that, so we believe in the promises of “scorpion´s domestication”, imagining that confined and well educated they would stop biting people. This is the only reason why people continue to believe in the revisionism of the left that promises to civilize capital, even thou they know it goes against the essence of capital. Likewise, I believe these partial actions towards autonomy and the prevention of disorders can be positive, even knowing that no radical change can occur as long as we have a medicine centered on capitalism.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Sobre botes em oceanos revoltos

Vez por outra aparecem matérias – em geral sensacionalistas e com relatos anedóticos – a respeito de partos domiciliares planejados e até episiotomia, com a clara intenção de criticar os primeiros e exaltar a necessidade da segunda.

Não há dúvida de que, procurando bem, você pode encontrar artigos pequenos e sem relevância autoritativa para questionar, criticar ou exaltar qualquer coisa, em especial procedimentos médicos. Pode-se criar e desfazer gráficos de morbidade com relativa facilidade, bastando para isso torturar as estatísticas para que falem o que desejamos ler. O estado da arte, entretanto, é da qualidade e segurança do atendimento domiciliar e da inutilidade – e mais ainda, o efeito deletério – das episiotomias quando aplicadas como procedimento de rotina durante a assistência ao parto. Isso é o que – neste momento da história – nos fala a “Saúde Baseada em Evidências”.

Entretanto, esse debate só faz sentido se tivermos noção de que a ciência não se comporta como um bote que se move em um lago plácido e imóvel usando as evidências e provas como remos. Muito pelo contrário: o bote está em alto mar, sendo jogado para todos os lados pelo vento das energias culturais, equilibrando-se sobre gigantescas correntes oceânicas, as quais são comandadas pelo capitalismo e pelo patriarcado, as duas principais forças a movimentar as águas dos comportamentos, mas também de dados, pesquisas e estudos.

Desta forma, é lícito entender que episiotomia e parto domiciliar NÃO são debates exclusivamente médicos, mesmo que a medicina e a obstetrícia possam fazer ciência com estes eventos. Em verdade, eles são enfrentamentos de ordem FILOSÓFICA, com algum embasamento científico e consequências médicas.

A origem da disputa entre estas vertentes não está nos gráficos de morbimortalidade materna e perinatal, mas na forma como a sociedade enxerga a função social e a autonomia das mulheres sobre seus corpos. Todo o arcabouço científico é produzido A PARTIR das visões filosóficas primordiais que estabelecemos sobre esse tema central, e só depois disso as pesquisas se moldam para atacar ou refutar estas premissas.

A simples pesquisa sobre episiotomia e parto domiciliar já denuncia um preconceito que nos obriga a perguntar: por que é necessário debater sobre a integridade física de uma mulher ou sobre seu direito de ser assistida onde desejar? Por que é claro e nítido que nenhuma pesquisa assim seria feita com homens? Por que achamos justo questionar direitos humanos reprodutivos e sexuais básicos das mulheres, e jamais dos homens?

A medicina jamais será a linha de frente das modificações na atenção, pois que apenas reflete, dissemina e amplifica valores profundamente relacionados à nossa estrutura social.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Pensamentos