Arquivo da tag: flora intestinal

Antibiose

Desde a revolução pasteuriana do final do século XIX que somos fixados na “antibiose”, ou seja, na ideia de que bactérias, vírus, protozoários, fungos, chlamydias, etc. são nossos “inimigos mortais” e que, para assegurarmos nosso lugar no planeta, é necessário destruí-los, aniquilá-los, esterilizando tudo ao redor pois assim – limpos e desinfetados – estaremos mais seguros.

Durante anos este foi o “paradigm drift” que nos falava Thomas Kuhn. Uma ideia tão poderosa, e tão perfeita, que assumia merecidamente a posição de paradigma hegemônico, reinando por sobre as outras formas de encarar a realidade científica. Tão poderosa essa ideia que acabou impondo tentáculos por toda a sociedade, desde as concepções de saúde e doença, higiene, limpeza, segurança biológica e terapêutica, impulsionando a nascente indústria farmacêutica para a criação de antibióticos após a segunda guerra mundial.

Entretanto, como previa o mestre Kuhn, qualquer paradigma fatalmente encontra sua crise, e não seria diferente com a antibiose. Após um reinado de um século, desde as experimentações iniciais de Koch e Pasteur, a ideia dos “micróbios inimigos” começa a mostrar suas fragilidades. A ação – devastadora em muitos casos – sobre a flora bacteriana normal do corpo humano passou a ser investigada e pesquisada. O efeito imunossupressor dos antibióticos mostrou uma imagem um pouco diferente dos “salvadores” de outrora. O resistência bacteriana causada, em especial, pelo abuso de antibióticos e pela assepsia dos hospitais nos coloca diante de “super bugs” – bactérias resistentes a tudo, o terror das UTIs. A ação antibacteriana desses quimioterápico agora mostra seu preço, e o mundo inteiro fica em alerta.

Ao mesmo tempo, nos últimos anos, cresce a consciência de que a humanidade não deixa de ser uma parte da natureza e não a culminância dos esforços divinos pela perfeição, como arrogantemente nos comportamos. Darwin deixou claro que somos parte do todo biológico da Terra e temos o mesmo direito à vida quanto qualquer outra espécie – incluindo aí as minúsculas bactérias e vírus. Apenas um especifismo místico pode nos considerar “superiores” e mais merecedores de bênçãos do que o resto dos seres vivos com os quais convivemos.

Novas pesquisas ainda vão mais longe. Temos uma quantidade gigantesca de bactérias que coabitam nosso espaço corporal, de mesma massa que as próprias células do nosso corpo. Somos, em verdade, um “condomínio de vidas”, em que nosso lugar é de zeladoria, resguardando, nutrindo e sendo nutridos por estes micróbios que nos acompanham. No parto, como pode ser visto no documentário “Microbirth”, a boa qualidade das bactérias(!!!) a nos contaminar (enterobactérias maternas) imediatamente após o nascimento será fundamental para nossa vida e nossa saúde.

Segundo a visão da medicina darwinista, chegou a hora de encarar nossa relação com os outros seres de forma mais razoável e respeitosa. A era da “antibiose” encontra seu ocaso, enquanto surge o alvorecer da “probiose” que, ao contrário de se contrapor aos outros seres vivos da Terra – aqui incluídas tanto as baleias jubarte quanto as bactérias minúsculas do nosso sistema intestinal – propõe um respeito ao direito de que todos têm de conviver com harmonia em Gaia.

Evidentemente que não se trata de jogar os antibióticos no lixo e condenar infectados à morte, mas questionar até onde este modelo pode nos levar. Estamos diante de um “paradigm shift” pela evidente falência do modelo anterior de solucionar os problemas em grande escala.

A crise do Corona vírus talvez traga em seu bojo algumas lições muito importantes. O respeito à todas as formas de vida talvez seja uma delas, e a própria crise talvez seja um sintoma claro da reiterada agressão que nosso planeta vem sofrendo de todas as formas.

Sejamos conscientes da nossa responsabilidade nesse episódio global.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina