Amamentação e Continuum

 

 

“O cenário de dificuldades criado pela crescente intervenção no ciclo gravido-puerperal através da utilização de tecnologia(s) não pode ser negligenciado. Para além das invasões sobre seu corpo, reflitamos sobre as questões emocionais e psicológicas que tomam conta desta mulher contemporânea. Um dos questionamentos mais naturais seria: “se não fui capaz de parir como as minhas antepassadas, porque conseguiria amamentar como elas?” Assim, ao mesmo tempo em que estimulamos a amamentação para qualquer puérpera que assim o deseje (inclusive as que foram submetidas a uma cesariana) devemos refletir insistentemente sobre o “continuum da humanização”. Não existe limite verdadeiro no processo de nascimento; gravidez, parto e amamentação devem manter-se conectados por uma linha de respeito à fisiologia e a autonomia, e na defesa da integridade do binômio mãe/bebê. Uma cesariana é uma ruptura – brusca e violenta – neste processo, mesmo quando bem indicada. Apesar de não impedirem a amamentação, as intervenções intempestivas sobre o parto colocam-na sob evidente ameaça. Para discutir o acesso livre e facilitado ao aleitamento materno, é também imperioso debater tudo o que acontece antes deste bebê aproximar-se do seio, já sobre o ventre materno. Para que a semente da amamentação germine é fundamental que o solo esteja preparado e adubado com um nascimento digno e empoderador.

As intervenções sobre o parto, quaisquer que sejam, não o melhoram, servindo apenas para auxiliar nos desvios da normalidade. Qualquer interferência na delicada tessitura fisiológica do parto poderá ter consequências negativas sobre as etapas seguintes. Obstaculizar a livre manifestação dos eventos fisiológicos, psicológicos e emocionais que operam no processo de nascer tem como resultado previsível uma “cascata de repercussões” negativas na amamentação. E isso é um fato, e não uma especulação.

Se quisermos uma amamentação plena, prazerosa e satisfatória, lutemos também por um parto livre de coerções e interferências inadequadas e intempestivas. Entendamos o “continuum da humanização” como um rio ao qual não interpomos nenhum obstáculo artificial, e cujo desaguar no oceano da saúde será a consequência natural e esperada”.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Pensamentos

Os comentários estão desativados.