Deficiência Carnavalística

 

Carnaval 01

Acabo de ver meu neto Olizinho fantasiado para participar de uma festa infantil de carnaval e fico pensando que talvez ele consiga alcançar algo que nunca fui capaz: o gosto pelo Carnaval.

Entretanto, a minha não gostância em relação à “festa da carne” não se baseia em qualquer critério moral (é uma falta de pocavergonha essas mulher pelada!), de saúde pública (são esperadas centenas de mortes no trânsito e nas estradas, ocasionadas pela bebida) ou o descritério econômico (tanta criança sem escola e o governo gastando com carnaval!). Não, pelo contrário. Eu acho o Carnaval extremamente importante do ponto de vista da cultura, pelos seus aspectos democráticos – todo mundo brincando e se fantasiando como quiser – pelo turismo que ele atrai e pela economia que gira, principalmente nas classes mais baixas.

Minha questão tem a ver com uma obliteração emocional, a mais pura falta de conexão com este tipo de alegria exuberante e extrovertida que se exige do folião. Vejo as pessoas cantarolando as velhas marchinhas, sentindo a letra em seus corações, dançando e pulando sem parar, bebendo cerveja de forma irrestrita… mas não consigo ver nenhuma graça, nenhuma alegria, mesmo reconhecendo (e invejando!!!) a inequívoca felicidade que os foliões experimentam durante as festividades de Momo.

Tenho a mesma impressão com o álcool e as drogas. Sei o quanto elas podem ser agradáveis para quem fuma ou bebe, mas não consigo sentir isso em mim. Sou obrigado a imaginar a sensação de prazer que elas percebem, mas neste caso pelo menos não me martirizo invejando.

Sim o Carnaval tem múltiplas formas de expressão, mas infelizmente nenhuma delas me atrai: blocos, carnaval de rua, carnaval de clube, trio elétrico, escolas de samba, pagodes na esquina, frevo de Recife, Galo da Madrugada, da noite ou da tarde. Nada disso me diverte, e fico esperando que isso tudo passe e a vida volte ao normal depois da quarta-feira. Todavia, longe de mim criticar quem gosta do Carnaval; adoraria que, com um passe de mágica, eu pudesse escutar as músicas que bombardeiam meus ouvidos e extrair delas algo feliz e grandioso, que meus pés pudessem sambar livremente ao som dos tamborins, e que a alegria inequívoca das folias pudesse encher minha alma do prazer inebriante que as pessoas descrevem.

Sou um deficiente carnavalístico, e não acredito que haja prótese ou cura. Sinto muito.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s