O Silêncio

 

psiu 2

Encontrei no “Bazar Mães à Obra” o lendário obstetra Alberto Abeche, o qual tive a honra de contar no nascimento do meu filho Lucas. O Alberto faz parte de um seleto grupo de obstetras que tenho orgulho de reconhecer como colegas. Alberto é um sujeito sensível e espiritualizado como poucos. Nos minutos que conversamos, rodeados por barrigudas e bebês, ele me perguntou o que achava ser a parte mais bonita de um parto. Eu respondi que o apagamento neocortical, o mergulho na “Partolândia”, era o aspecto mais encantador e misterioso de tudo o que cerca a chegada de um bebê. O transe químico, o “barato” do parto, a zonzeira, a perda dos referenciais eram os fatos que mais me marcaram durante 30 anos atendendo partos e seus desafios.

– E você, Alberto? O que te encanta mais no nascimento?, perguntei eu.

Ele sorriu e respondeu

– O silêncio, Ricardo. O silêncio de respeito e reverência logo após o nascimento. Quando, depois do grito primal, o diálogo de lágrimas e gemidos é o único som que tem permissão de ser ouvido. É quando ficamos mudos e imóveis assistindo o milagre à nossa frente. O silêncio, Ricardo, o mais eloquente dos ruidos.

Obrigado, Alberto, pelo seu exemplo, sensibilidade e coragem.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s