Cesarianas e Mamadeiras

Bisturi-Mamadeira

No Brasil, em especial na minha cidade, não eram apenas os obstetras a reclamar de posturas conservadoras em relação à utilização desmedida de cesarianas. Falar em “segurar a mão”, respeitar a fisiologia do parto e estimular o parto normal produzia um incômodo para os médicos de outras especialidades, em especial a pediatria. Em verdade existe mais do que o meramente manifesto no discurso sobre as cesarianas.

Para a medicina a cesariana representa a vitória da técnica e da razão sobre a selvageria dos corpos; a mente sobrepujando o destino. Se é verdade que a cesariana, em suas origens, nos oferecia esta promessa redentora, há muito deixou de ser esta peça fundamental na manutenção das vidas em jogo. Tamanho foi seu desvirtuamento que hoje seu uso abusivo representa uma real ameaça ao bem estar de mães e bebês.

Eu costumo analisar estes fatos de forma comparativa, pois essa visão nos ajuda a prever os passos seguintes. O movimento da amamentação também tinha a sua “cesariana”: a fórmula láctea, a mamadeira. Abolir seu uso, ou minimamente discipliná-lo, significava criticar um objeto icônico da revolução feminista. Para cada passo em direção a uma legislação mais constritiva para os leites artificiais grupos ligados à liberação feminina protestavam, pois as mamadeiras representam a liberdade conquistada pela mulher dos grilhões da sua biologia. Com as mamadeiras foi possível alimentar seu filho e manter seu emprego na fábrica, ganhando com isso a autonomia fundamental para uma vida livre e independente. As mamadeiras eram mais do que cilindros de vidro com leite artificial: eram armas poderosas contra a opressão.

A experiência humana nos deixa claro que não há como dar passos para trás. A humanização do nascimento entende a importância e relevância dos recursos tecnológicos para a melhor qualidade possível do parto, e para isso a cesariana continuará existindo. Da mesma forma a liberdade e autonomia das mulheres é uma conquista que não permite retrocesso. Em ambos os movimentos é imperioso que se encontre o bom senso e que a saúde dos pacientes se estabeleça acima de qualquer consideração. Quando recursos originalmente designados a auxiliar produzem entraves, é o momento de adotar uma postura crítica e rever posturas e conceitos.

Médicos estão convidados a fazer esta reflexão sobre os caminhos do cuidado com as gestantes. Se a tecnologia – apanágio da razão – é ferramenta essencial, mais ainda o bom senso e as evidências científicas devem ter papel preponderante nas escolhas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Parto, Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s