Arquivo da categoria: Política

Prognósticos

Eu respeito todas as análise prognósticas feitas com base científica mas, como sou velho, acho mais adequado aguardar o desenrolar dos fatos antes de entrar em pânico. Se há alguma vantagem em envelhecer, esta é o acúmulo de histórias vividas e experiências acumuladas. Lembro claramente de duas projeções trágicas surgidas no meu tempo de faculdade e exploradas à exaustão pela mídia e pelos senhores da ciência: “explosão demográfica” e “AIDs“.

De acordo com as previsões dramáticas e negativistas do início dos anos 80 estaríamos exterminados por uma delas, ou pela combinação de ambas. Quem não lembra a progressão geométrica do incremento populacional? Lembro muito do filme “Soylent Green”, com Charlton Heston. A versão brasileira tinha um título ridículo mas curioso: “No Mundo de 2020”, ou seja, agora. O filme mostrava um mundo insuportavelmente quente e abarrotado de gente e me marcou pessoalmente por sua visão pessimista do futuro, onde o suicídio aparecia como uma opção válida e justa. E sobre a Aids? “Vai passar dos homossexuais para os bissexuais e de lá para os ‘normais’ da população”, combinando um catastrofismo irreal com os preconceitos de orientação sexual da época.

Nada disso se cumpriu. A população decrescente já é um problema social em várias partes da Europa, em especial na Itália, Portugal, Irlanda e no norte da Espanha. O aumento que ainda ocorre na África é muito mais em função de uma cultura agrária e pela falta de desenvolvimento social, determinados em função da longa exploração colonialista. Todavia, estamos muito longe de uma hecatombe populacional e esse assunto quase não é mais tratado pela imprensa.

Sobre a AIDs, esta síndrome continua sendo um problema de saúde pública, mas longe de ser um problema maior que os tradicionais “exterminadores” que se mantém na ativa, como podemos ver na lista abaixo (PAHO):

1ª) Cardiopatia isquêmica

2ª) Acidente vascular cerebral (AVC)

3ª) Doença pulmonar obstrutiva crônica

4ª) Infecções das vias respiratórias inferiores

5ª) Alzheimer e outras demências

6ª) Câncer de pulmão, traqueia e brônquios7ª) Diabetes mellitus

8ª) Acidentes de trânsito

9ª) Doenças diarreicas

10ª) Tuberculose

Mais da metade das pessoas no mundo morrerá das doenças acima listadas, a maioria delas produzidas na esteira da distribuição miserável dos recursos do planeta, originada pelo capitalismo e sua ideologia de acúmulo. A cura para estas enfermidades não está nos remédios, na medicina tecnológica, nos hospitais ou no aporte gigantesco de recursos para o tratamento de enfermidades, mas na adoção de um modelo político e social mais justo, que não condene os sujeitos a uma alimentação ruim, stress crônico, sedentarismo e pobreza. Buscar essa mudança em nível global é mais importante do que a cura de doenças que, por si só, seriam exterminadas se as suas verdadeiras causas fossem eliminadas.

Com a atual pandemia podemos esperar o mesmo curso normal de enfermidades transmissíveis conforme a história nos ensina. O catastrofismo precisa ser evitado, o que não significa negar as medidas de isolamento que parecem ser, por ora, nossa única defesa reconhecidamente justa de proteção.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Política

Falsa dualidade

Rolam textos aí em que alguns isentões tentam comparar os sujeitos que idolatram o “micto” Bolsonaro com os apoiadores de Lula. Seriam eles “extremistas”. Clamam, de forma oportuna, por um candidato de “centro”, ou como dizem “nem esquerda e nem direita”. Ora, nenhuma comparação poderia ser mais irresponsável e equivocada do que esta.

Afirmo que qualquer comparação entre Lula e Bolsonaro é absurda. Os que defendem Lula e os que defendem Bolsonaro também têm um perfil absolutamente diferente. NUNCA se viu um lulista aos gritos e portando cartazes que clamam pelo fim da democracia, pela intervenção militar ou pelo fechamento do congresso e nunca se viu qualquer exaltação ao AI5. NUNCA um lulista aclamaria um torturador asqueroso e o chamaria de “ídolo”.

Lula é um MODERADO de centro esquerda. Aliás, boa parte das críticas da esquerda brasileira se dá em nome dessa moderação e desse namoro com o mercado. Lula poderia ser comparado com um Serra, Alkmin ou FHC, moderados de centro direita, mas JAMAIS com um fascista de extrema direita.

Essa comparação é feita por adoradores da ditadura, saudosos do arbítrio. Uma comparação errada em todos os níveis, seja entre estes líderes mas também entre seus seguidores.

É como comparar Chico Buarque com Zezé di Camargo. Fazfavoire…

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Corona

Medical staff in protective suits treat coronavirus patients in an intensive care unit at the Cremona hospital in northern Italy, in this still image taken from a video, March 5, 2020.

Na minha perspectiva – e se estiver errado eu vou me retratar – sair de casa para dar uma volta sem andar de ônibus, metrô ou participar de qualquer aglomeração não produz nenhum problema em relação à pandemia. Ficar trancado sem ar livre e sem sol tem a potencialidade de piorar os resultados.

Sei que esta é uma estratégia de classe média, onde existem carro, praças, etc., mas não está errado pegar o carro com a família e caminhar ao ar livre para dar uma volta. O perigo está no CONTÁGIO, de pessoa para pessoa, ou nos objetos que outras pessoas manipulam. Digo isso porque existem alguns riscos associados ao confinamento. Um deles é a violência doméstica de toda natureza (entre os adultos e sobre as crianças). Ficar sob aprisionamento pode produzir a eclosão de processos psíquicos violentos pelo choque constante dentro de um espaço restrito.

Acrescente -se a isso o fato de que a “segunda onda do tsunami” – que é a questão econômica – vai bater à nossa porta assim que a questão médica ficar estabilizada. Isso vai acrescentar mais stress às famílias, e as consequências bem sabemos quais podem ser.Assim, sair de casa SEM ENTRAR EM CONTATO com outras pessoas pode ser uma atitude de auxílio à saúde mental. Se houver alguma evidência em contrário estarei pronto para rever essa ideia.

Não quero ser alarmista mas acho que estamos vivenciando apenas o primeiro vagalhão do Tsunami Corona, que é a própria doença e os óbitos dela decorrentes. Depois da estabilização dos casos haverá uma espécie de euforia (como se pode ver na China agora) seguida de uma consternação ao constatarmos o tamanho do estrago. Aí vem o segundo vagalhão da depressão econômica.

Como será possível reerguer o país sem um governo, sem liderança, sem planos? Como usar o Estado como motor da recuperação quando somos liderados por um bando de fanáticos, fundamentalistas de mercado, que desprezam a posição privilegiada do Estado como propulsor de desenvolvimento?

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Política

Jogados à direita

O grande número de homens brancos e cis que foram jogados para os braços da direita por serem tratados diariamente como inimigos, “machistas“, “esquerdomachos“, “mascus” e todo tipo de agressão (bastando para isso discordar do catecismo fechado das lideres) mostra porque a esquerda identitária se tornou um ambiente tóxico para os homens que gostariam de uma sociedade com justiça e equidade de gênero.

Por mais que a mídia transforme o homem contemporâneo como um predador – muitas vezes com justiça – alguns homens querem equidade de gênero e justiça social e desejam uma sociedade mais igual para todos. Ou deveríamos achar que só os negros queriam o fim da escravidão? Ou podemos presumir que apenas as mulheres querem o fim do patriarcado, um modelo social em que 90% dos assassinados são homens e 80% dos suicídios são também entre os eles?

Eu pergunto: Que tipo de homem NÃO quer mudar uma sociedade onde mulheres são vítimas de feminicídio cada duas horas, onde uma dessas vítimas pode ser a sua mãe, sua filha ou a sua irmã?

Que tipo de sexismo absurdo é esse que imagina que só mulheres querem uma sociedade mais equilibrada? As mulheres com quem convivo não lutam por uma sociedade boa para si mesmas; pelo que elas falam, essa luta só faz sentido se for bom para todos (ou todxs).

Claro que existe um problema sério de machismo e racismo estrutural na sociedade, mas quando o “branco“, o “cis” e o “homem” são vistos e tratados como inimigos – e não os machistas, os racistas e os homofóbicos – a decisão óbvia, natural e JUSTA que muitos deles tomam é procurar um lado na disputa de ideias que não os trate como inimigos e não os veja com desprezo.

Sério que alguém acha que essa sociedade é boa para os homens? Por que então se matam uns aos outros? Por que arrancam a própria vida às pencas? Por são os mais afetados pela depressão? Por que são os que mais se destroem pelo álcool, pela cocaína, pela maconha, pelo cigarro? Se é tão bom ser homem porque tantos querem acabar com a dor que sentem, e que está obviamente ligada à sua condição masculina?

Sério que alguém enxerga o mundo como um lugar de prazer desmedido para os homens e um martírio sem fim para as mulheres? Exercitemos a empatia, se é que queremos mais homens entendendo o sofrimento e as dificuldades de ser mulher.

Por isso mesmo que estes homens – que geralmente são bons pais e excelentes amigos, apesar de ainda reproduzirem algo da herança preconceituosa que receberam – desistem de somar nesta luta quando percebem que serão vistos como eternos adversários.

O presidente do Brasil e seus filhos foram eleitos POR SEREM machistas e racistas (e não apesar disso), mas ninguém teve coragem (ou muito poucos) de perguntar quais os erros cometidos pelos movimentos identitários nesse processo. Por que tanta gente de centro foi jogada para a direita mais abjeta?

Palestinos perceberam muito cedo esse dilema ao não desprezarem o auxílio valioso de judeus que se somaram à sua luta por uma Palestina livre. Entre os meus amigos não se permite nenhum ataque aos judeus ou ao judaísmo, mas apenas ao sionismo e sua ideologia de colonização, limpeza étnica e supremacia racial. Por isso os autores judeus por uma Palestina livre são tão celebrados entre os árabes – para não serem jogados no colo dos supremacistas.

Existem, por certo, mulheres machistas, e eu arrisco dizer que são a maioria nesse país – mas não na minha bolha de classe média. Entretanto, não acho justo dizer que “as mulheres cis e brancas no Brasil são machistas“. Algumas realmente são, mas não quero jogar toda as mulheres com boas ideias no colo dos liberais.

Até porque, como estamos vendo, o nome disso é suicídio.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Fofocas e tiros no pé

Começo com uma conversa hipotética com um lesado de esquerda…

– Para uma parte da esquerda os ataques misóginos, as mentiras, as fake news, o racismo, a lgbtfobia, as fraudes, a falsa religiosidade e até a ligação com as milícias se tornarão justas e corretas desde que sejam usadas por nós contra os nossos inimigos fascistas, certo?

Exatamente

– E por que são eles nossos inimigos?

– Ora, porque são canalhas!!

– E por que são canalhas?

– Simples, porque são misóginos, racistas, milicianos, preconceituosos, homofóbicos e corruptos. Entendeu?

– Sim, entendi… Na sua guerra vale tudo. Por essa perspectiva, porque não usar inclusive uma mamadeira de piroca e um “kit gay” inventado para atacar Bolsonaro?

– Ora, não precisa. Basta atacar a honra da mulher dele e chamá-lo de “corno” sem qualquer prova ou evidencia….

– Uau, genial!!!

Essa fofoca sobre a mulher do presidente é de caráter misógino, difamatório, grosseiro, absurdo e machista. Infelizmente um presidente dessa categoria arranca o que existe de pior em todos nós. Só acho curioso ver tantas mulheres se juntarem ao coro dos acusadores. Os ataque atingem a todas, não apenas à “primeira dama”. Colocar a mulher nessa posição é cruel; obrigá-la a fazer declarações públicas para assegurar sua honestidade, abalada por fofocas maldosas, é injusto e humilhante.

“Ahn, mas olha só o quanto de difamação eles mesmos fizeram toda a vida. Olhe os tuítes da imprensa corporativa acusando Dilma e Marisa. Olhe a atitude desrespeitosa da família contra as mulheres. Olhe como se comportou a imprensa miserável desse país com as mulheres da esquerda”.

Olho, sim, exatamente para dizer que são atitudes inaceitáveis. Estas manifestações preconceituosas servem para provar que a arena moralista pertence àqueles vazios de conteúdo e propostas e que esse assunto serve apenas como isca para a porção da esquerda – felizmente minoritária – mais retrógrada e vingativa. Essas acusações são um tiro no pé da esquerda. Se eu não achasse nosso presidente tão burro e despreparado eu pensaria que foi uma ideia genial para colocá-lo como vítima (seja de adultério ou de maledicências) e expor a parte mais machista e retrógrada da esquerda.

Deixem essa mulher em paz. Aliás, parem de tratar a sexualidade das mulheres como um assunto coletivo e público. “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Parem de apontar dedos.

Deixe um comentário

Arquivado em Política