Arquivo da categoria: Política

Esquerdas e direitas na Medicina

Eu prefiro não falar muito sobre a questão das vacinas porque não sou da área, não gosto dessa especialidade da medicina e não tenho conhecimento suficiente para debater. Além disso, como diria Madre Cunegundes, “Maturidade é a capacidade de escolher suas tretas”.

Digo apenas o princípio que me move: não creio que a saúde venha das próteses, das medicinas heroicas, das fórmulas exógenas. A saúde, numa perspectiva ampla, vem através de um equilíbrio dinâmico com a natureza, e aí incluo a água, o ar, o solo, o que ingerimos, as plantas, os animais e as relações sociais. Nesse último aspecto, creio que as doenças vão diminuir muito com o fim da sociedade de classes e a exploração do homem pelo homem. Até lá usaremos muletas químicas…

“Cuecas e janelas nos quartos fizeram muito mais pela saúde do que todos os remédios na história da humanidade”, dizia o antigo pensador. Creio mesmo que a saúde é mais facilmente atingida retirando os elementos patológicos sociais que nos afastam dela do que criando drogas cada vez mais violentas, caras e perigosas.

Lembrei de uma cena de comédia com Mel Brooks. Um chefão corrupto foi fotografado por um jornalista bem na hora em que cometia um crime. Seu capanga lhe ofereceu uma solução: “Quem sabe roubamos toda a edição do jornal de amanhã quando os caminhões de entrega estiverem saindo?”, ao que o chefão respondeu: “E o que os impediria de publicar depois de amanhã?”. O capanga fez uma careta e disse “Nada, mas ganhamos 24h para pensar em algo”. É assim que vejo a solução drogal para nossos distúrbios da saúde. Não digo que os medicamentos sejam inúteis, só não vejo neles a solução para as doenças. Com eles ganhamos apenas um pouco mais de tempo, mas não virá daí a solução.

Mas eu queria falar sobre a politização da Medicina, que me parece cada vez mais intensa. Na polarização que se produziu no pensamento nacional percebo que, no Brasil, a posição majoritária na direita está em valorizar Ivermectina e Cloroquina, ter um certo desdém pelas v*cin*s e refutar o uso de máscaras. Há também um desprezo renitente pela ciência porque ela representa “o sistema”, o “globalismo”.

A esquerda, por seu turno, apregoa o uso irrestrito e abrangente de vacinas, o isolamento, as máscaras, o rechaço aos medicamentos de ação antiviral “off label” e coloca-se a favor da ciência institucionalizada, como os órgãos de regulação, a OMS e os grandes laboratórios farmacêuticos.

Por curiosidade, eu acompanho há muitos anos a cena política da esquerda americana. Da mesma forma como aqui, criou-se nos Estados Unidos uma esquerda liberal majoritária representada pelo partido democrata e que é chamada “esquerda liberal”, com uma clara e marcada atuação identitária. Alexandria Ocasio-Cortez é a grande sensação desse grupo e dela já me ocupei em outro post. À esquerda dessa turma liberal e pequeno burguesa de jovens universitários está um grupo pequeno, atuante e radical composto por aqueles que se cansaram do discurso “shit lib” imperialista dos democratas: a “esquerda raiz”.

Pois os elementos desta esquerda radical são críticos à vacinação, a favor dos estudos sobre as drogas Ivermectina e Hidroxicloroquina, contrários à sua demonização, contrários ao Fauci e seu poder desmedido, contra vacinas obrigatórias e contra os conglomerados farmacêuticos que manipulam a opinião pública e a própria condução dos estudos. Lá o poder desses gigantes produz muito mais temor do que aqui, onde é comum confundimos “confiar na Ciência” com “ter fé nas empresas farmacêuticas”.

De uma forma abrangente, a esquerda americana “raiz” é muito mais anti imperialista, anti monopolista, pró investigação médica autônoma, descrente das pesquisas da BigPharma, questionadora da validade de muitas vacinas e cética quanto ao controle da pandemia através de doses repetidas. É evidente que existem contextos diferentes. Entretanto, vejo na esquerda raiz americana (anti democrata e anti republicana) um ceticismo muito maior com as grandes empresas farmacêuticas. Lá essas imagens de gente emocionada se vacinando causam um certo mal estar. Tipo “como vocês podem ter tanta fé em empresas tão bandidas?”

Nos Estados Unidos a posição de esquerda radical em relação à pandemia se assemelha à nossa direita, e os da esquerda daqui se parecem com os liberais democratas de lá. Isso tudo me mostra que esses tratamentos médicos farmacológicos tratados como bandeiras ideológicas não produzem nenhuma ajuda ao entendimento do processo, mas mostram a confusão que ainda temos no cenário da saúde pública dentro das democracias burguesas.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Conversa com Roger

Bolsonaro, de tanta tolice que fez, ao menos nos fez um grande favor: nos livrou de um mal muito maior, a Lava Jato. Ela significava a União da Globo com judiciário e com o pior da classe média punitivista, essa mesma que pede AI5 e volta da Ditadura, das velhas de laquê solicitando tortura e dos aposentados com camisa da CBF.

A Lava Jato era a extrema direita no poder, com o supremo, com tudo. Seria um bolsonarismo de terno, gravata e toga. Moro seria o super-herói justiceiro, acima da lei, talvez o presidente. O promotor Deltan estaria montado em R$ 2.6 bilhões da sua instituição fascista montada com dinheiro da Petrobrás.

O “modus operandi” lavajatista disseminado por todo o país continuaria a produzir delações sob tortura, prisões midiáticas, juízes acertando sentenças, as “10 medidas” fascistas do Dalanhol e a disseminação de um Estado policial.

A luta de Bolsonaro com Moro fez o segundo se refugiar no exterior, onde podemos ver seu brilho aos poucos se apagar. Bolsonaro e o Hacker colocaram o poderoso juiz no chinelo, restando apenas o Barroso/Globo a lhe dirigir algum elogio póstumo.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

À Esquerda?

Alexandria Ocasio-Cortez e sua amiga estilista Aurora James.

Para mim AOC – Alexandria Ocasio-Cortez – a congressista americana nascida no Bronx que já foi garçonete e bartender, é o maior exemplo do desastre das esquerdas da América. Há poucos dias ela foi para um baile de gala do Metropolitan usando um vestido onde se lia “Tax the Rich”, em letras vermelhas sobre o vestido branco. O caso gerou manchetes no mundo inteiro e debates acalorados se seguiram.

A questão é que, antes de se tornar congressista, AOC participou de vários protestos, tomando borracha da polícia no lombo e levando adiante sua palavra contra as elites e a plutocracia americana. Já no baile, encontrou-se e confraternizou amistosamente com elementos do “deep state”, que é formado pelas indústrias de armas, drogas, petróleo, tecnologia e por Wall Street, os mesmos que há pouco xingava e combatia. Por certo que os poderosos riram dela, mas é claro que fingiram respeitar seu “protesto”.

O ingresso para a festa custava a bagatela de 30 mil dólares (tipo, 150 mil bolsonetas) e por certo que, para aqueles que lá estavam, esse valor cai na rubrica “investimentos” de suas empresas. Por outro lado, fora do Metropolitan uma multidão protestava enquanto levava porrada da polícia, os mesmos que há alguns anos eram seus parceiros de luta. O poder a fez mudar de lado. AOC agora se juntou às corporações e depois disso não votou mais nas leis importantes para a esquerda como “saúde universal”, “defund the police”, “stop fracking”, “climate change”, “minimum wage”, etc. Em outras palavras, uma Tábata “with steroids”.

Mas isso não é o mais chocante. O que me deixou estupefato é a história do vestido, que é especialmente pedagógica. Ela descreveu sua amiga estilista, Aurora James (foto acima, com Alexandria), como “uma mulher negra, da classe trabalhadora e imigrante, que chutou a porta do Metropolitan para viver o seu sonho”. Isto é…. nada de creches, moradia para todos, saúde universal… mas uma mulher negra e trabalhadora conseguiu chegar ao topo. Uau, que vitória!!!.

Essa é a essência do individualismo identitário. Cada um por si, lute por você. Não desista. Chegue ao topo. O resto que se vire. Mais ou menos o discurso que me acostumei a escutar por aqui também.

A parte engraçada da história é que a “estilista negra imigrante” Aurora James veio de… Toronto, no Canadá. Faz tanto sentido quanto chamar John Lennon em Nova York de “imigrante de uma ilha da Europa”. Além disso ela é namorada de um sujeito da família dos Lehman Brothers que tem uma fortuna estimada de 100 milhões de dólares. Fica difícil imaginar essa moça como representante das milhões de imigrantes latinas, negras, pobres, operárias sem creche e sem saúde universal que fazem parte da franja mais pobre e necessitada dos Estados Unidos.

Com este tipo de esquerda (o partido democrata americano é o melhor exemplo), que tem milhares de representantes tanto lá quanto aqui no Brasil, quem precisa de direita?

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Sobre as histórias a contar

Há 20 anos exatamente estava atendendo no consultório quando fui surpreendido por uma imagem no computador da minha mesa. Imediatamente liguei meu rádio e aproveitei para escutar as descrições ao vivo. Um avião havia se chocado contra as torres gêmeas em Nova York, um lugar que eu havia conhecido duas décadas antes quando visitei a cidade. A descrição da rádio me fez ligar a TV do consultório na recepção, aproveitando uma falha na agenda. A sensação de todos era pânico e assombro.

Cheguei a ver ao vivo o choque do segundo avião. Imediatamente liguei para minha mulher. “O mundo vai acabar”, disse eu para Zeza Jones em tom de despedida, sem saber que era mesmo verdade. O mundo, como o conhecíamos, acabava naquele dia. Nunca mais eu vi os Estados Unidos como eu estivera acostumado a ver e – confesso – até admirar. Imediatamente, ainda enquanto ouvíamos o eco da queda retumbante das torres, surge o “Patriotic Act”, a perda dos direitos civis nos EUA, o recrudescimento da islamofobia, a invasão do Iraque, a “Guerra ao Terror”, as convulsões no Oriente Médio, as invasões brutais a vários países (Afeganistão, Iraque, Líbia, Síria, etc) e o panóptico americano sobre suas zonas de domínio, que em nível local levou à própria Lava Jato, ao juiz cooptado em Curitiba, aos golpes jurídico-midiáticos e finalmente nos levando à “facada” e à Bolsonaro.

Sim, em minha perspectiva o fascismo bolsonarista é ainda um reflexo do fatídico dia 11 de setembro de 2001, que no futuro será visto como a festa macabra a celebrar o fim de um Império. Desde então esse gigante de poder planetário apodrece lentamente à nossa frente mas, como todo sistema de opressão, sua decadência será marcada pela violência e pela agressão às conquistas da civilização.

Minha solidariedade aos mortos dessa tragédia no correr dos anos foi dando lugar à indignação com um país que passou a matar um World Trade Center a cada dia no Oriente Médio. Só no Iraque foram 100 mil. No Afeganistão foram mais de 400 mil mortos, mas para estes homens e mulheres pobres e de pele escura – mortos por defender sua própria terra – não há nenhuma superprodução de Hollywood para contar suas histórias, seu sofrimento, sua dor, seus filhos perdidos, o heroísmo de seus combatentes e suas esperanças soterradas pelas bombas americanas.

Os bombeiros americanos são tratados – justamente – como heróis. Histórias e lendas são contadas sobre sua bravura e coragem para salvar o maior número possível de vitimas do ataque. Todavia, nenhuma justiça é feita aos heróis e heroínas anônimos que ainda hoje protegem seus filhos dos ataques imperialistas. Da Palestina às cavernas nas montanhas do Afeganistão milhares de histórias poderiam ser contadas sobre a brutalidade e os massacres levados à cabo pelas forças invasoras, mas também sobre os anônimos homens e mulheres que defenderam suas famílias e suas comunidades.

Um mundo onde impere a justiça e o equilíbrio por certo haverá de trazer à tona essas narrativas de dor, coragem, determinação e esperança.

PS: Não, não é o World Trade Center nesta foto. É Gaza, onde todas as semanas há um novo massacre, matando palestinos de forma brutal e sistemática. Lá as torres gêmeas são o imagens do cotidiano. E por trás da barbárie continuada estão os mesmos Estados Unidos e seu apoio aos terroristas de Isr*el.

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Palestina, Pensamentos, Política

A Caridade dos Bilionários

Sempre me interessei pelos significados últimos da riqueza e do poder, em especial a tentativa de entender personalidades onde estas características atingiam limites inimagináveis. Gosto muito da abordagem de Gore Vidal ao descrever os Césares como os homens mais poderosos da historia da civilização e o quanto esse poder desmedido era capaz de destruir suas almas; quase todos eles morreram loucos e desvairados, destruídos pela falta de limites ao desejo.

Hoje temos uma repetição curiosa, fruto do poder conferido a alguns sujeitos pelo neoliberalismo, o qual oportuniza a inédita, imoral e macabra concentração de renda atual. Ao lado de Jeff Bezos, Bill Gates, Mark Zuckerberg está George (Schwarz) Soros e sua curiosa história, que poderia ser resumida como a revivescência de Roosevelt no seu intento de salvar o capitalismo através de um mundo sem fronteiras – Open Society – mas centrado no capital. Sua ojeriza ao socialismo o faz investir em instituições identitárias mundo afora e no combate aos governos autoritários e suas “sociedades fechadas”. Esta reportagem do The Guardian deixa claro o erro em pensar numa “sociedade de iguais” enquanto se investe num sistema de exploração que se nutre da miséria de muitos para garantir a opulência de cada vez menos.

Veja a excelente investigação do The Guardian aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Política