Testosterona

Sei que sou odiado por isso, mas concordo com a visão crítica que Camille Paglia tem do feminismo contemporâneo. Sua visão ácida e contra hegemônica me atrai por oferecer um contraponto ao lugar comum da visão feminista corrente. Entretanto, existe um outro aspecto que considero importante, apesar de não ter sido tratado por ela nesta breve entrevista: a marginalização dos meninos na escola, prensados entre as dificuldades da formação da identidade masculina e uma educação feminina, gerenciada por mulheres e para meninas. Veja a entrevista em Entrevista com Camille Paglia – “As Mulheres Venceram”

Quem é homem, e sobreviveu à escola, sabe que nossas válvulas de escape eram as aulas de educação física, os combates épicos no futebol de “areião“, os gracejos desafiadores nas aulas, as brigas “na saída” e a baderna. O resto era o estímulo incessante a um comportamento feminino, dócil, cooperativo, educado e submisso aos poderes e autoridades. Não se constrói uma sociedade que almeja mudanças colocando estes valores acima de todos os outros. Existe algo da insaciabilidade testosterônica que falta na educação tradicional. Há uma falha em reconhecer e trabalhar com a impetuosidade desafiante dos meninos, o que gera ressentimentos e inconformidades.

Se o seu filho nunca causou confusão na escola talvez você precise saber qual a razão de tanto conformismo.

A escola sempre ofereceu uma educação de mulheres e para meninas. E sempre foi machista. Portanto, dizer que a escola é “machista” e é para “mfundaseninas” é um falso dilema. Se as mulheres são oprimidas por uma educação machista (e o são, aparte da proteção que também recebem) isso não invalida que essa educação é para elas, levada a cabo por mulheres em sua imensa maioria, e que desconsidera as características masculinas. O mundo não se explica apenas pela ótica da opressão feminina.

Esse modelo obstruir EM ESPECIAL a natural inserção testosterônica masculina, emasculando a sua força criativa.

A escola oferece uma educação em que os valores da feminilidade são exaltados e os da masculinidade reprimidos. É isso apenas o que digo, e nesse ponto estou de pleno acordo com a autora. Quem é MAIS prejudicado não é objeto da minha análise. A escola sofre as mesmas constrições do patriarcado como qualquer outra instituição humana, mas é – ao contrário de outras como a Igreja ou a medicina – supressora das características masculinas. E os meninos se ressentem por não terem uma educação que auxilie na resolução de seus conflitos e que não os valorize pelo que são. Não é à toa que a evasão escolar é MUITO maior entre meninos do que entre meninas. Eles vão “procurar a sua turma”.

Camille Paglia fala de masculino e feminino. Fala da cultura gay também. Essas generalizações são didáticas e procedem. Quando se diz que a competitividade é mais masculina também generaliza, mas está correta. A educação, insisto, é demasiado feminina e não precisava ser assim. Vale a pena comentar este ponto em particular das ideias de Camille porque acho que ela está correta. O isolamento feminino que ela aponta – pelo desaparecimento dos grupos de mães nas tribos e comunidades – é ainda mais marcado e cruel no parto e maternagem. O círculo de apoio feminino que as mulheres sempre receberam terminou com a “emancipação” feminina. Agora é “cada uma por si mesma”. As tarefas tradicionalmente femininas ficaram ainda mais pesadas, como gestar, parir, amamentar e maternar.

Os meninos são vítimas de um modelo que tem a educação feminina como paradigma. E também concordo que a performance superior das meninas na escola é uma “vitória de Pirro“, pois não se traduziu até agora em uma equalização nas relações de gênero. Ainda há muita coisa a ser feita nesse sentido.

Quanto a “ajudar” nas tarefas domésticas… ora, sejamos maleáveis. Estas foras as funções tradicionais das mulheres até duas gerações atrás. A ideia de dividi-las é muito recente. Entretanto, nada ouço sobre a divisão de tarefa dos lixeiros, operadores de britadeira, estiva, mergulhadores de profundidade e frente de combate. Se vamos exigir equidade, é para todos os lados. O que Camille salienta é que as mulheres venceram neste aspecto ideológico, mas é fácil perceber que o mundo ainda é regido pelo patriarcado, mesmo cambaleante e decadente. É disso que o texto dela trata, e não da necessidade de proteger as mulheres contra a violência.

Os homens querem mais participação das mulheres nas tarefas que matam milhares de homens todos os dias, como a polícia e o exército. É muito pesado para eles. Trocamos tal peso pela limpeza da louça suja e pela arrumação da casa. Para debater a questão dos valores do masculino e do feminino você precisa concordar com a existência de valores culturalmente associados ao feminino. Caso contrário o debate torna-se estéril. Cooperação, docilidade, aceitação, afetividade em contraposição à competição, disputa, imposição, firmeza e luta.

As mulheres nascem nesta posição delicada no jogo de poderes porque ficam gravidas e frágeis. Só agora é que podemos igualar isso, através da tecnologia. O Velho Testamento, em especial, marca o surgimento teológico do Patriarcado. Entendam que isso está escrito na Bíblia para marcar uma sociedade com a “virtude varonil“. Podemos achar errado ou estranho tais conceitos hoje, mas há 5 mil anos os povos que assim se organizaram – através da força inegável do patriarcado – foram os vencedores, e foram esses povos que geraram mulheres de quem VOCÊ MESMA é descendente. Os povos mais igualitários, foram TODOS dizimados ou subjugados.

O patriarcado era uma necessidade vital para um mundo que acabava de ser apresentado à posse e ao sedentarismo. Suas descendentes que viviam naquela época JAMAIS aceitariam um mundo IGUAL !!!!! Elas precisavam de filhos e maridos fortes para protegê-las para que, assim seguras, pudessem parir seus filhos. Não há nenhuma superioridade moral em não fazer guerras. Se isso fosse verdade os paraplégicos seriam moralmente superiores, pois nunca vi um assaltando bancos ou matando gente. Ora… no mundo em ebulição na virada do neolítico era fundamental esta divisão de tarefas para garantir a posse da terra. Achar que a Bíblia desejava “oprimir” as mulheres por pura misoginia não encontra respaldo na ciência. A misoginia é a consequência de um mundo que precisa ser regido pela FORÇA, e não pela graça, charme ou beleza.

Com este tipo de entendimento mais abrangente do sistema de poderes sociais fica claro entender que as mulheres não nascem submissas, e nem os homens opressores. Elas nascem mais frágeis por causa do ciclo gravido-puerperal, e ISSO (e não a maldade dos seus maridos) as torna mais suscetíveis às ameaças. Todavia, como são importantes matrizes, as sociedades sempre as protegeram. O patriarcado se organizou nesse sentido: manter a terra e proteger as mulheres. A opressão é a consequência disso, e não sua origem. Mais uma vez convido a todos que se interessam pelo tema a ler os últimos achados antropológicos que confirmam esta ordenação clara sobre os modelos patriarcais, inclusive no que diz respeito às culturas primitivas pré-agriculturais, que não eram opressoras mesmo na vigência da superioridade física dos homens.

E você sabe por quê? Porque os homens amam suas mulheres e são amados por elas. É por isso que o patriarcado vai acabar, pelo amor que eles sentem uns pelos outros. De nada vai adiantar o discurso de ódio contra os homens, e nem a misoginia violenta e degradante: a natureza é sábia e vai equalizar a sociedade baseando-se nesse princípio de desejo e amor.

O que me deixa triste é ver que as agressões contra as mulheres recebem o justo e firme combate da sociedade, mas o ódio aos homens e o desprezo pelos valores masculinos – explícito ou implícito – é considerado normal e mesmo exaltado como algo positivo e construtivo. Ódio não constrói nada, mas quando é que vamos incorporar essa verdade na nossa prática?

Falsa Simetria” é um mantra feminista. Ele equivale ao “holocaust card” que eu falei anteriormente. Quando se reclama que Israel mata, despedaça e humilha covardemente os palestinos, imediatamente um oportunista aparece com a “cartinha do holocausto” e coloca na mesa, imaginando ter em mãos as cartas definitivas que terminam qualquer debate. “Mas como queres falar de massacre contra mulheres, crianças, escolas e hospitais na Palestina, se os judeus foram massacrados na segunda guerra mundial em mais de 6 milhões. Isso é uma falsa simetria. Essas mortes em Gaza não são NADA comparadas ao que sofremos”. Com esse discurso QUALQUER arbítrio, assassinato e barbárie fica automaticamente justificado e perdoado.

Algumas feministas sempre usam esta retórica vitimista (mas que lucra com sua posição sofredora) para justificar o ódio e o preconceito contra o masculino e os homens, usando o fato (verdadeiro e digno de ser combatido ao extremo) de que muitas mulheres são discriminadas, mortas, abusadas e sofrem preconceito. Usam esse fato horroroso não para angariar simpatizantes – inclusive os poucos homens verdadeiramente dispostos a combater as amarras do patriarcado – e combatê-lo, mas para JUSTIFICAR os SEUS PRECONCEITOS (contra os homens serem doulas, contra homens terem guarda compartilhada, para exercer a nojenta alienação parental, etc…) dizendo que “isso é mimimi de macho, quem sofre mesmo somos nós”.

No campo do trabalho existem tarefas MORTAIS (o que faz com que a expectativa de vida dos homens seja MUITO menor do que a das mulheres em, qualquer lugar do mundo) que historicamente os homens realizaram, mas que as mulheres ainda continuam achando que “é natural que eles carreguem esse peso, afinal, eles são homens“. Quando uma mulher diz para o marido ir ver “que barulho foi esse na garagem“, isso é natural, afinal nesse EXATO momento (de perigo) ele é (oportunisticamente) o “homem da casa“. Mas experimente ver um marido dizer para uma mulher ir lavar a louça, afinal, essa é a “tarefa da mulher da casa“….

Ah, é mimimi de macho, não é? Mas… se as  verdadeiras defensoras da igualdade  de gênero (ou da equidade, se preferir) deveriam combater os preconceitos em TODAS as frentes, e não apenas naquelas que lhes oferecem vantagens.

Por último, eu acho que o diferencial biológico feminino torna as mulheres psicologicamente e culturalmente distintas dos homens, pois cultuam valores e modelos diferentes na tradução do mundo. Como dizia meu colega Max, “Carregar um filho no ventre não é uma tarefa impune“. Há um preço a pagar (e isso nada tem a ver com tarefas domésticas) e uma consequência: o surgimento da dor, da angústia e do amor.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Violência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s