Arquivo da categoria: Violência

Realidade em preto e branco

Copacabana, anos 70

Mais uma imagem que mostra o apartheid do Rio de Janeiro, e de resto o que ocorria em todo o Brasil. O Rio é uma cidade mestiça, com muitos negros e mestiços, mas a praia sempre foi de exclusividade dos brancos. Os negros e pardos aparecem nestas imagens apenas como serviçais, empregados, trabalhando onde os outros descansam e/ou se divertem.

Para aqueles que diziam não haver racismo nesta época eu apenas lembro que a expressão deste problema social só ocorre quando existe algum tipo de tensão e conflito. Nessa época havia a “paz do silêncio”, quando a questão racial era escamoteada e escondida. Até mesmo os negros sobreviviam se adaptando a uma sociedade que não foi construída para eles, de mulatas do Sargentelli a jogadores de futebol.

Cada um olha para essas imagens e extrai delas o que deseja. Eu não posso evitar o choque de ver a construção racista do nosso país. Não quero abrir polêmica, apenas lembrar do racismo em que vivíamos ao mesmo tempo que sofríamos a repressão de um regime brutal. As imagens concordam comigo.

Mas… sim, como era bom ser branco e de classe média no Rio dos anos 70.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Educar sem telas

Para mim o debate “educar sem telas” é semelhante ao debate “educar sem violência” com o qual convivemos nas duas últimas décadas, pelo menos. Quando este assunto surgiu no nosso meio as reações eram muito semelhantes. Achava-se inviável; argumentava-se que as pessoas não conseguiriam impor “respeito”, prevenir “erros” ou evitar “mau caminho” sem que fosse usada a força e – mais do que isso – a violência, que é a força usada para submissão. Há 30 anos acreditava-se que sem as palmadas seria impossível educar e colocar as crianças nos “eixos”.

Não há dúvida que a palmada funciona. Sua eficiência é incontestável. Uma criança que apanha aprende a se calar diante da força bruta, baixar a cabeça e obedecer. Criamos gerações de homens e mulheres ensinados a ver no uso da violência uma solução para dilemas e embates. O resultado vemos agora.

Todavia, cabe perguntar: o que conseguimos com isso? Resposta: uma sociedade que reproduz estas ideias.

Sobre as telas, apesar de serem agressões diversas, a mesma lógica pode ser aplicada. É inegável que um celular e um tablet com jogos e músicas hipnótica “funcionam”, assim como a TV igualmente funcionou para a minha geração. As crianças entorpecidas pelas cores, imagens e sons param de observar o mundo ao redor e focalizam no jogo. Entretanto, cabe mais uma vez perguntar: a que custo? As mesmas perguntas sobre o uso abusivo de TV agora recaem sobre os pequenos computadores de mão.

Pesquisas já mostram inúmeros malefícios com seu uso em termos de cognição, aprendizagem e questões afetivas. Por certo que a limitação do uso é um grande desafio, em especial porque não temos mais as mães do passado que devotavam toda a sua vida a cuidar dos filhos. Hoje são mulheres ativas com múltiplas funções e tanto elas quanto os pais sofrem a sedução cotidiana de oferecerem uma tela aos filhos como “tempo de descanso” para quem os cuida.

Esta é, por certo, uma decisão extremamente complexa, mas não há mais como – a exemplo das palmadas – questionar os malefícios da exposição superlativa. Organizar a melhor forma de disciplinar o (inevitável) contato é a grande decisão a ser tomada.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Cadeia

A camiseta dessa moça é a grande ironia, que ninguém imaginava que viesse ocorrer. A diferença é que o presidente não vai usar uma camiseta “Sara está presa”, muito provavelmente porque – é possível e eu acredito – os mais de 500 dias de Lula na prisão o ensinaram sobre o erro gigantesco de sua gestão carcerária. Lula, por certo, não acredita mais no encarceramento como solução para as tensões sociais e a criminalidade. O aumento da massa carcerária nos governos Lula e Dilma (imitando o mesmo fenômeno nos governos “liberais” dos Clinton) é uma mácula que os próximos governos progressistas precisam eliminar.

Encarceramento = racismo.

Sara Winter não deveria ser presa. Deveríamos estabelecer medidas sérias e bem controladas de reparação social. Cadeia e perda da liberdade apenas para assassinos e perversos, gente cuja presença na sociedade é uma ameaça REAL à vida de outras pessoas. A prisão de Sara apenas reforça o punitivismo tacanho que caracteriza o nosso judiciário.

Sara provavelmente tem problemas mentais e emocionais graves, como fica claro em sua biografia, mas é apenas uma bufona, não representa um real perigo com seu exército Brancaleone. A sua prisão tem um interesse midiático, para reforçar a autoridade de um STF acovardado e pusilânime, mas foi quase um pedido explícito de Sara. Ao ver seu projeto de milícia fracassar só lhe restava a imolação pública como propaganda final. Queria ser heroína, e para alguns será…

As esquerdas deveriam desconfiar sempre que sua alegria está vinculada a uma decisão do judiciário politizado e partidário que temos. Lembro (faz pouco tempo) de figuras das artes com cartazes de apoio a Bretas, ou de artistas da Globo dando suporte a Moro. Nosso judiciário tem lado, e não é o das esquerdas. Festejar suas decisões apenas por diversão é um erro estratégico. A prisão espetaculosa de Sara pode ser amanhã a de um líder do MTST ou do MST, bastando para isso que um juiz do STF acorde de mau humor.

O discurso tão usado do “bota na cadeia” é um apanágio da direita. As pessoas que usam estas expressões por certo que não fazem ideia do que seja uma penitenciária no Brasil. Nunca se deram ao trabalho de ver a foto de uma cela superlotada e nunca estudaram o terror que é sobreviver nas condições desumanas de uma prisão de terceiro mundo. Jamais questionaram o preceito básico do direito penal que afirma que “nenhuma pena pode ser pior que o crime cometido”.

Mas… o que pode ser pior que o inferno? Aliás, foi um general ignorante e racista, truculento e boçal, quem imortalizou a brutalidade da ditadura militar no Brasil exclamando: “eu prendo… e arrebento”.

Prender, colocar na cadeia, aprisionar e encarcerar sempre foi a narrativa da direita, em especial da extrema direita e do fascismo. Sei também que os totalitarismos da cortina de ferro também usaram desse artifício. São estes tiranos que exaltam o poder coercitivo do Estado para estraçalhar as dissidências na busca por um pensamento único. Todavia, eu esperaria da esquerda um passo adiante, rompendo o ciclo nefasto do “vigiar e punir” e acabando com a arbitrariedade das prisões determinadas pelos interesses ou pelo ódio do juiz, como assistimos na Lava Jato.

Entretanto, nosso rancor (compreensível) ainda vai manter o enredo. Agora é nossa vez de sair às ruas gritando “Sara está presa”, dando risadas do seu infortúnio e fazendo chacota, sem perceber que mantemos o círculo do ódio girando, só esperando a vez de nos atacar mais uma vez. Tolamente, colocamos nas mãos de juízes e promotores venais o poder discricionário de quem sofrerá a humilhação e o horror de adentrar os calabouços deste país. E, vale sempre a pena lembrar, a pena pesa sempre muito mais se você for de esquerda, preto e pobre.

Valha-me Valois…
Salve-nos Kenarik…
Nos ajude Igor Leone.

Abolicionismo penal já!!!

Deixe um comentário

Arquivado em Política, Violência

Tragédias cotidianas

Não quero ler sobre esse fato do menino que faleceu aqui no Estado. Escutar os relatos me causa dor e angústia. Parece muito com aquela outra historia, igualmente brutal, do menino do Norte do estado, cujo pai é um cirurgião. Muito triste, muito desesperador.

Pior ainda é o fato de que a gente acaba se revoltando, sentindo raiva e indignação, mas o ódio é um ácido que corrói o próprio frasco que o contêm. Odiar é destrutivo, envelhece o corpo e calcifica a alma.

O que se segue a esses crimes é quase tão ruim quanto a morte em si: uma onda de identificações, ódio, ressentimentos eruptivos, raiva incontida e sentimentos de vingança. Esse clima é horrível. Eu lembrei agora imediatamente do julgamento dos Nardoni quando pessoas saiam de suas casas e iam para a frente do fórum com cartazes de “assassinos”, “pena de morte”, etc. Eu pensava: “O que move essas pessoas? Sãoo pessoas comuns, que souberam do caso pela TV!! Que gozo condenatório é esse?“. Depois eu pensava na turba ensandecida que gozava vendo os leões comendo criminosos no Circus Romano ou gargalhava olhando as bruxas sendo queimadas pela inquisição e penso que tais personagens continuam a existir nos dias de hoje, com cartazes no lugar de archotes, mas com a mesma raiva doentia a escorrer pelo canto da boca.

Pelo menos agora vejo pessoas se perguntando “o que leva uma mulher a cometer um ato de tamanha violência?“. Pois esta pergunta, que nos impele à empatia, é o que nos livra dos dedos apontados, da dureza, da inexorabilidade. Tentar se colocar nos sapatos de um criminoso e perceber o mundo através de seus olhos é uma tarefa tão difícil quanto sublime.

Espero apenas que esse menino tenha paz e essa mãe a justiça.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Argumentos sobre o abraço

De todos os argumentos para defender a atitude de Dráuzio existem dois com os quais não concordo, mas que são usados por gente da esquerda amiúde.

O primeiro se refere à ideia de que Dráuzio não sabia o crime cometido por Suzy – no que eu acredito. Entretanto, as pessoas afirmam que, caso soubesse, não deveria fazer a matéria. Pois eu discordo. É exatamente nos extremos da perversidade onde encontramos a face mais terrível do ser humano. E o que mais nos causa horror é que nesse recanto sombrio da alma humana sempre encontramos um espelho. Se Dráuzio se negasse a abraçar por saber do crime, estaria sendo o juiz que insistiu em não ser.

Em segundo lugar vejo as pessoas dizendo que Dráuzio estava ali como médico. Ora, é evidente que não. Dráuzio é médico, mas sua ação NÃO foi médica, foi jornalística. Sua atitude como funcionário da Globo foi realizar uma reportagem, não uma ação profissional médica. Uma consulta médica não se propõe a ser espetacular e pública. Também não se presta a ser “Fantástica”, mas procura garantir intimidade, profundidade e – essencial!! – privacidade. O objetivo da entrevista não era semiótica, no sentido de descobrir causas e auxiliar um paciente em suas dificuldades, mas procurava expor um problema comum de prisioneiras trans. Dráuzio foi jornalista – como tantas vezes foi – mas não o médico de Suzy naqueles momentos em que ocorreu a matéria.

Pode-se arguir que ele se portou como “cientista e pesquisador”, mas mesmo neste caso ele falhou terrivelmente ao expor seu entrevistado ao risco. Mesmo nas entrevistas de pesquisa os colaboradores precisam ser protegidos através do anonimato. Suzy agora corre riscos na penitenciária por ter seu passado exposto. Cientistas pesquisadores sequer precisam ser médicos para coletar dados.

O abraço de Dráuzio não foi uma ação de um médico; foi um ato humano de empatia, compaixão e afeto. Não julgar não é uma virtude médica, mas uma ação humana digna de elogios.

Eu tenho facilidade em desenvolver empatia com todos esses bandidos cujos rostos são estampados nos telejornais para o gozo do ódio coletivo. A razão para isso é porque – sem dúvida alguma – eu não me considero muito diferente deles. O que nos difere – a mim e aos criminosos – é uma série de pequenos e grandes privilégios, alguns evidentes e outros escondidos nos detalhes de uma vida. Um pai existente, um teto, água corrente, energia eletrica, uma mãe amorosa, irmãos, ética, livros, bons exemplos, escola, comida… enfim, detalhes que só nos ocorrem quando os perdemos.

Quando eu vejo essas pessoas, os deserdados, os párias, os feios, sujos e malvados, honestamente não consigo enxergar nada de tão distante do que sou em essência, apenas diferenças nas rotas que seguimos guiados pelas circunstâncias e pelos contextos.

Acho que o ódio ao criminoso fala muito mais das nossas fraquezas e fragilidades do que das perversões que ele cometeu.

Continuarei achando sua atitude humana, correta, justa, afetuosa e compassiva. Entretanto, ele não a fez por ser um profissional médico, mas por ser um bom ser humano.

Claro que Suzy é TAMBÉM vitima!!!! Que maniqueísmo insensato!! Parece pergunta pra casal que se separa: “de quem foi a culpa?”.

Ora, todos somos vítimas e algozes de muitas coisas na vida. Um casal, via de regra, se separa por uma miríade de fatores, onde as posições subjetivas se alternam entre a vítima e o opressor, atuando com mudos silêncios, raivas, decepções e solidão que ambos compartilham. Um crime horroroso também tem suas origens, muitas vezes recheada com fatos obscuros e inconscientes.

Suzy é vítima do preconceito por ser trans, gay, pobre, negra e marginal. Mas ao mesmo tempo é CRIMINOSA por ter cometido um crime hediondo que a muitos chocou. Vítima e criminosa, qual a dificuldade de entender que somos seres com múltiplas facetas?

O erro infantil de uma parte vingativa da direita bolsonarista é imaginar que sua condição de vítima a desculparia dos erros cometidos. Que tolice!! Apenas mostra que erros – mesmo os mais brutais – podem ser a culminância de uma corrente gigantesca de circunstâncias, contextos, traumas, dores, ressentimentos, violência e dramas terríveis, dos quais a nossa vidinha de classe média não nos permite sequer imaginar.

O fato de ela também ser vítima de inúmeros crimes cometidos contra si não a inocenta de nada, mas a humaniza.

O problema do crime da Suzy e sua questão central, como sempre… é o perdão. A imensa maioria das pessoas acredita que perdoar alguém é o mesmo que inocentá-lo dos seus crimes. Errado; perdoar não significa negar crimes ou minimizar sua gravidade. Perdoar é um ATO SOLITÁRIO e subjetivo. Para além disso, o ato de perdoar é uma demonstração de liberdade em relação ao criminoso.

Quem perdoa de verdade está simplesmente dizendo: “Eu lhe entendo. O que há de humano em mim compreende o que há de humano em você”. Isso jamais significaria negar a violência de um crime, muito menos a reparação que tais crimes demandam. Significa apenas que a distância humana que separa qualquer um de nós do mais doentio dos criminosos pode ser colocada em perspectiva. Somos muito mais parecidos entre nós do que imaginamos. Assumir posturas duras e inexoráveis é criar a ficção arrogante de que jamais faríamos o que um criminoso faz – ou um dia fez.

Mentira. Se cada um tivesse andado mil quilômetros calçando as sapatilhas desses meninos sem pai, sem paz, sem proteção contra os abusos, sem amor, sem afeto, sem condições econômicas mínimas e ainda envoltos em uma sociedade que premia o sucesso e despreza o fracasso, jamais teria coragem de apontar tantos dedos para quem sucumbiu ao crime e ao delito.

Portanto, o perdão é o reconhecimento humilde da proximidade que temos com os que caíram no abismo do crime. Abraçar um estuprador ou assassino significa mais do que dizer da nossa solidariedade com sua solidão e sua dor; significa também aceitar a fragilidade das diferenças entre nós e o detento, entre as “pessoas de bem” e os criminosos.

A recusa em entender isso significa não apenas a dificuldade em compreender o que leva alguém a delinquir, mas também a incapacidade de reconhecer a proximidade humana que todos temos com quem erra.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Violência