Arquivo da categoria: Ativismo

Mensageiros Solitários

Fui lavar as mãos no lavabo de casa e percebi a pequena estatueta de vidro por sobre o balcão fazendo companhia à saboneteira e aos livros empilhados. O brilho imponente do objeto me jogou imediatamente para um espaço da memória distante e para uma cidade do interior do Brasil onde ela foi feita. A estatueta foi um presente que ganhei após fazer uma palestra em um hospital, algo que se repetiu mais de uma centena de vezes nos últimos 10 anos.

No último dia de estada na cidade a simpática esposa de um colega me ofereceu o objeto como presente pela minha exposição do dia anterior para um grupo de médicos, enfermeiras, e doulas da cidade. O tema foi “Amamentação e o continuum da Humanização“.

Este colega havia passado recentemente por uma espécie de “epifania humanizadora”, a exemplo de tantas outras que eu testemunhei em minha vida. A partir de experiências traumáticas pessoais ele conseguiu desfazer a capa de insensibilidade que construiu por sobre a atenção ao parto e percebeu o quanto dos seus insucessos eram devidos à inadequação e ao anacronismo de sua prática profissional. Acreditem, esta é a autocrítica mais penosa e dolorida. Também ele havia descoberto esta e tantas outras verdades ao se aproximar da prática das enfermeiras obstetras, as quais lhe ensinaram o valor superior do cuidado e da delicadeza. Marsden, Michel e eu mesmo passamos pela mesma experiência.

Suas ideias eram grandiloquentes e entusiásticas. Com vívida alegria me levou por um “tour” no novo centro obstétrico do pequeno hospital onde, por iniciativa sua, uma banheira de parto estava sendo instalada, assim como vários aparelhos simples e funcionais para o auxílio ao parto humanizado. Ele era puro entusiasmo. Na condição de diretor havia conquistado poder para fazer as mudanças. Falava dos partos ocorridos após sua “conversão” e as lágrimas lhe escapavam dos olhos. Disse que aquela pequena cidade em breve seria um polo de boas práticas para toda a região, a começar pela abolição das episiotomias de rotina, o parto na água, o trabalho das parteiras profissionais, as doulas, os acompanhantes, etc. Seu entusiasmo e sua energia eram contagiantes.

Despedi-me de sua família com a sensação do dever cumprido e com a esperança de que aquela cidade simpática do interior do Brasil pudesse realmente se tornar um exemplo para todo o estado – quiçá o país – irrigando com humanização a aridez tecnocrática daquelas maternidades.

Passam alguns poucos anos e encontrei a doula que estabeleceu o contato inicial entre o colega entusiasmado e eu. Perguntei-lhe como estava meu amigo e como iam os planos de renovação da maternidade e do centro obstétrico.

Sua resposta não poderia ser mais esclarecedora. Disse em apenas algumas palavras, mas que foram um grande ensinamento e uma importante aula de humildade.

– Não sobrou pedra sobre pedra, Ric. Mudou a direção do hospital e ele foi retirado da chefia da maternidade. O novo diretor mandou destruir tudo o que havia sido feito. Desfez a banheira de parto, impediu o trabalho livre das doulas e acabou com a relação de cooperação com as enfermeiras obstetras. Ao ser indagado o novo diretor disse que havia sido pressionado pelos médicos, os quais há tempos estavam insatisfeitos com as mudanças. Sinto muito.

“Mudanças de cima para baixo”, pensei. Meu colega, em seu surto humanizante, estava à frente do seu tempo. Estava inclusive adiante das próprias gestantes a quem desejava ajudar. Bastou ele ser afastado e tudo se perdeu. “Atire no mensageiro”, deviam ter dito seus colegas obstetras ao diretor. Sem ele a liderar as mudanças não haveria massa crítica e muito menos lideranças femininas para dar continuidade às suas mudanças. O tiro foi certeiro; com o mensageiro derrubado a mensagem se apagou junto com a última chama de entusiasmo que carregava.

Ficou doente, teve um AVC e se aposentou,  completou ela com resignação. Agora teremos que começar do zero.

Suspirei fundo e respondi que não seria do “zero”, pois agora já sabiam que nenhuma revolução pode florescer confinada em uma única cabeça. Agora já é possível entender que a luta precisa surgir do coração de cada mulher oprimida por um sistema violento e arbitrário. Se lutadores como o meu colega são importantes e bem-vindos muito mais essencial é cultivar um movimento que não dependa de uma única alma liberta e esclarecida. É preciso formar uma consciência tal que a troca de um líder não afete a progressão das mudanças.

A verdadeira revolução do parto virá das mulheres, ou não virá.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Invasão Fascista

É verdade que a decisão sobre o aborto acaba sendo tomada por um punhado de homens brancos, burgueses e ricos que conhecem as clínicas clandestinas “classe A” para levar suas mulheres, namoradas, filhas ou amantes. Esta decisão nunca está na mão da mulher negra e pobre que será submetida ao risco e à indignidade das agulhas, pílulas do mercado ilegal e dos aborteiros da favela.

Entretanto, muitas dessas mulheres votaram no pastor sedutor e no empresário falastrão, os mesmos que agora roubam sua esperança de dignidade e segurança na atenção à saúde. Só existe uma forma justa de mudar esse cenário: encarar a invasão da direita fascista evangélica como uma real ameaça às mulheres e seus direitos.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Política

Congressos Médicos

 

Li com atenção e cuidado o texto do meu querido amigo e psicólogo Alexandre Coimbra do Amaral (veja aqui) sobre um congresso de Medicina de Família que ele havia participado alguns dias antes. Seu relato é de vívido encantamento com a convivência entre médicos e agentes de saúde, o respeito à amamentação, o contato com outros discursos, a abordagem corajosa e respeitosa da questão de gênero e a quebra do paradigma do “palestrante como dono de um saber”, rompendo sua verticalidade e propondo um ambiente de trocas horizontais, onde a plateia era constantemente convidada a participar do debate e questionar as idéias propostas.

O texto emocional, sensível e otimista escrito pelo Alexandre desnuda dois aspectos fundamentais: em primeiro lugar aponta para a esperança de uma medicina mais integrada com os outros saberes e menos encastelada no Olimpo das castas superiores. Em segundo lugar a dura realidade de reconhecer que este tipo de congresso é uma ínfima amostragem, um grão de areia perdido na praia dos congressos médicos. Arrisco afirmar que 99% dos médicos nunca ouviram falar de um ambiente de saudável encontro profissional como este e suspeito que a imensa maioria, ao ler este relato, sentirá desconforto com a promiscuidade descrita em suas poucas linhas.

A Medicina não é apenas um saber construído pelos milênios de contato com a dor e o sofrimento, onde a ciência é tão somente a ferramenta mais nova; ela é principalmente um sistema de poder – o biopoder – que age para moldar a sociedade de acordo com os valores vigentes. De uma certa forma ela é uma potente mantenedora e disseminadora dos valores do patriarcado. A Medicina é conservadora e “careta”, e não por acaso seus próceres são assim escolhidos. Basta olhar uma foto dos representantes da corporação – quase a totalidade de homens, brancos e de classe média alta – para adivinhar quais valores impregnam seu entendimento da arte de curar.

Congressos de Medicina de Família (já palestrei em alguns) e de humanização do nascimento (algumas centenas) são fatalmente marginais; situam-se à margem do poder e surgem como sua sombra. Onde quer que o autoritarismo e o dogmatismo médico prevaleçam lá estarão aqueles que discordam dessa visão de mundo e que ousam apresentar sua alternativa. Entretanto, o moedor de carnes da escola médica – como ritual transformativo – vai moldar os médicos para o que desejamos que se tornem: legítimos defensores dos nossos valores a quem, em troca, daremos um assento especial no Olimpo das castas. Somente uns poucos corajosos ousarão questionar as normas e códigos que regem sua prática. São eles os hereges e párias, a quem a corporação olhará com desdém e tratará como ameaças.

Para mudar os médicos é necessário mudar a sociedade e os valores nela inseridos, pois que aqueles são o reflexo desta cultura, e a ela respondem.

Em um futuro distante, a Medicina ainda vai existir, pois que ela também se expressa como “fraternidade instrumentalizada”, porém os encontros daqueles que se preocupam com seus resultados e seus rumos estarão muito mais próximos da descrição do Alexandre do que os festivais de vaidade e mercantilismo que testemunhamos hoje em dia.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Barulhos de fundo

Não é fácil e posso entender quando o peso nos faz vergar os joelhos. Eu só entendi o bullying que sofri durante 30 anos quando parei de atender, pela mesma razão que a gente só percebe o silêncio quando alguém desliga o ventilador e interrompe o barulho. O bullying na minha vida era o “ruído de fundo” que, de tão constante e insistente, parecia inseparável do cotidiano. Só o desligar de todas as máquinas me deu sua verdadeira dimensão. É possível compreender a angústia daqueles que desistem no meio da batalha ou que lamentam terem um dia escolhido a pílula vermelha. Entretanto, isso em nada muda a necessidade da luta ou sua urgência, apenas trocamos os personagens.
 
“Não chores meu filho, não chores, que a vida é luta renhida. Viver é combate que aos fracos abate, mas que aos fortes e bravos só sabe exaltar.” (Ijuca Pirama)

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Não me obrigue a…

 

Li mais uma matéria sobre o “direito de não amamentar” e que se coloca ao lado de tantas outras que li nos últimos anos queixando-se de uma espécie de “patrulha” por parte do ativismo da amamentação. Essas queixas atuam como sombras de qualquer movimento social que promova uma mudança nas suas estruturas. Se você cria um movimento de boa alimentação perceberá imediatamente o surgimento de sua sombra, “não me obrigue a comer vegetais”, ou “eu como junk food e sou feliz”. Coloque aí parto, feminismo, poluição, sexo livre, liberdade de expressão e democracia. Todos têm suas sombras, criadas uma fração de segundos após o surgimento dos movimentos que combatem.

Não há dúvida que estes movimentos tem suas razões, até porque é impossível que a paixão que estimula o surgimento de movimentos sociais não crie também exageros e visões afuniladas, aquelas que tentam traduzir o mundo todo a partir de uma única questão humana. É função desses contra-movimentos servir de anteparo aos exageros naturais. São, portanto, úteis no progresso das ideias.

Entretanto, é importante entender como se situam esses movimentos que tentam criticar a amamentação e qual seu sentido. Conheço essa retórica desde que começamos a lutar contra os abuso de cesarianas e no combate à violência obstétrica há 25 anos. Logo percebi que, mesmo diante do escândalo internacional de termos 85% de cesarianas no setor privado, ainda havia espaço para escritos, relatos e discursos alinhados com “não me obrigue a um parto normal”, como se o nosso problema não fosse a taxa pornográfica de cirurgias de extração fetal, mas relatos esparsos e sem comprovação de alguma mulher sendo impedida de ser operada como desejava.

A acusação recorrente que surge de forma recorrente é de que os defensores da humanização não se importam com o sofrimento das mulheres que não pariram e/ou não amamentaram. Ora… o sofrimento de qualquer mulher nos é importante, mas o FOCO de nossa luta é o fracasso do parto e da amamentação para aquelas mulheres que assim o desejavam. Essas são mulheres traídas pela cultura e que recebem apoio das militância do parto e da amamentação, mas de forma cíclica vejo estes movimentos sendo acusados de criar cartilhas de “parto correto” ou “leite correto”, o que deixa as que não conseguiram deprimidas e desconsideradas. Essa acusação é simplesmente falsa.

Para mim essas manifestações representam – em grande proporção – o sentimento de culpa por parte de quem, desejando amamentar, assim não conseguiu. O sentimento de falha – por algo que sequer tem culpa – acaba gerando uma reação de ataque àqueles que defendem a amamentação. O pior efeito colateral dessa inadequação é colocar naqueles que lucram com o desmame a máscara injusta de “lutadores pela liberdade de escolha”.

Minha tese é que nós, que lutamos pela humanização, precisamos escutar essas mulheres; em verdade devemos escutar qualquer mulher, pois todas tem algo muito importante a dizer. O erro é achar que a insistência para amamentar é o “problema”, quando na verdade é um exagero inerente a qualquer luta por mudança de um cenário sombrio . Não, o problema é o desmame, o machismo, o abuso de cesarianas, a falta de democracia, a violência policial. O problema é o racismo, e não algum branco que foi barrado em uma banda de pagode, ou um homem que se sentiu ofendido por uma queima de sutiãs (pra ver como minha iconografia é dos anos 60). Todavia, é claro que a queixa de uma mulher que se sentiu constrangida em sua decisão de não parir ou não amamentar é justa e deve ser levada em consideração.

É preciso escutar o discurso que essas pessoas trazem, sem dúvida, mas sem cair no erro de acreditar que existe um real problema de constranger pessoas a amamentar quando o grande drama nesse país ainda é o desmame precoce e nossa luta por elevar a média de amamentação para além de míseros 54 dias.

Também precisamos debater excesso de cesariana, machismo, comida envenenada e tantas outras causas nobres sem medo de ver suas sombras surgirem logo depois.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina