Arquivo da categoria: Ativismo

Caridade

“Quero vê qual profissional da saúde que vai atender domiciliar nas favelas de suas cidades, de forma gratuita e sem infra estrutura! Mandem fotos.”

Por quê profissionais deveriam atender de graça em favelas??? Por acaso professores entram de graça em favelas para dar aula? Bombeiros apagam incêndios sem salário? Policiais garantem segurança sem pagamento? Por que tratar profissionais da saúde como vestais, infensos às necessidades humanas?

Vamos deixar bem claro: Não existe nenhuma contradição entre humanização do nascimento e qualquer recorte de classe e/ou raça. Humanização é direito humano reprodutivo e sexual para todos, e não apenas para uma parcela da população que pode pagar por estes serviços. Entretanto, também é dever do Estado, e cabe a NÓS cobrarmos que tais deveres sejam cumpridos e nossos direitos respeitados.

Médicos, parteiras ou doulas não são monges; são profissionais que devotam tempo e dinheiro nas suas formações. A falta de profissionais humanizados em áreas pobres e carentes NÃO É culpa dos raros profissionais que enfrentam suas corporações e a ignorância provinciana da nossa mídia financiada pela elite, mas do Estado frágil e dominado pelas corporações financeiras, que relega essa parcela majoritária da população carente à própria sorte.

Transferir a responsabilidade da atenção à saúde dos negros, pobres, favelados e destituídos para os profissionais não é justo ou honesto. “Saúde é um direito do povo e um dever do Estado”, como diz nossa carta, tão jovem e tão depauperada. Assim, é importante reconhecer que os bravos profissionais que enfrentam um sistema injusto e cruel deveriam ser aplaudidos, e não tratados com desdém ou desconfiança. A eles devemos o exemplo para a mudança necessária. Sua coragem e resiliência devem ser exaltadas e celebradas.

A entrada da saúde, educação, policiamento e saneamento nos bolsões de pobreza desse país jamais poderá depender de caridade, mas da ação conjunta e POLÍTICA da sociedade organizada, através da escolha de pessoas DESTAS COMUNIDADES – como Marielle!! – e destes estratos sociais para serem as dignas e legítimas representantes de suas reivindicações comuns.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Distopia do parto

“Quando o absurdo se torna a regra nós perdemos a capacidade de perceber o quão distante estamos do normal. No Brasil se alguém relatasse que um hospital tem 70% de partos vaginais todos soltariam foguetes e comemorariam, mas isso significaria também que a taxa de cesarianas deste mesmo hospital estaria entre o DOBRO e o TRIPLO do valores recomendados pela OMS. Que fique claro: este lugar sequer existe.

A atenção ao parto inserida na medicina e no capitalismo produziu um monstrengo que, de tão deformado, impede que se perceba sua forma original. Uma construção social feita da matéria prima dos medos, controle social e submissão, envolta no tecido puído e desgastado do patriarcado decadente. Ou, seguindo a ideia de Baudrilhard, um mundo material que desapareceu deixando em seu lugar apenas um mapa, imagem deformada da verdade, que desenhamos de acordo com nossas conveniências egoísticas. O real desapareceu para fazer surgir uma distopia autocida.”

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Medicina e medo

Heis aqui algo que denuncio há 30 anos: “Médicos são treinados a SE proteger em primeiro lugar, e só depois disso a resguardar a saúde de seus pacientes“. Este é um problema ético basilar em uma profissão que é regulada pelo medo, pelas pressões e pela mão do capitalismo.

A disfuncionalidade do sistema é evidente e escandalosa. Pacientes, enquanto consumidores de produtos e serviços, são estimulados a um consumo abusivo, insensato e perdulário. Para constatar isso basta ficar 20 minutos sentado na sala de espera de uma emergência. O nível de equívocos por parte de pacientes e médicos é inacreditável.

Os profissionais também estimulam o uso exagerado dos seus próprios serviços ao determinarem regras sem evidências científicas que as embasem, através de chavões como “consulte seu médico regularmente“, ou “não esqueça de fazer o exame preventivo” e mesmo com os famosos Setembro isso, Outubro aquilo, Dezembro etc… colocando aí qualquer cor e fazendo pacientes frequentarem serviços especializados movidos pelo medo culturalmente instilado por estas campanhas publicitárias.

Realmente, a responsabilidade dos administradores dos sistemas de saúde é inequívoca. Aliás a ideia corrente que os chama de “praga” é maldosa, mas não está muito longe da verdade. Entretanto, como direi mais adiante, trocar administradores não resolveria a questão, apenas criaria outra crise. É preciso ir muito mais além, e modificar uma cultura médica anacrônica, alienante, objetualizante e cientificamente defasada.

Médicos são, via de regra, muito medrosos. Se borram de medo dos seus conselhos profissionais. Não ousam arriscar sua pele, e para isso não se importam de arriscar a dos seus pacientes. A cesariana é um bom exemplo dessa disfuncionalidade. Todo obstetra sabe que os riscos são maiores em curto e longo prazo com a realização de uma cesariana – tanto para a mãe quanto para os bebês. Precisaria ser muito alienado – ou inescrupuloso – para negar as evidências claras e insofismável a esse respeito. Entretanto, é inegável – e facilmente constatável – que a cesariana é MUITO MAIS SEGURA para os profissionais, exatamente porque a cultura tecnocrática criou o mito da “transcendência tecnológica” e com isso produziu uma atitude profissional chamada “imperativo tecnológico” que diz que “na existência de uma tecnologia, ela deve ser usada“, inobstante sua inutilidade ou mesmo o aumento dos riscos para o paciente com sua utilização. Médicos são premidos pelo medo a usar recursos para além da natureza, como operar e medicar, mesmo quando as evidências mostram que não fazer nada seria a melhor escolha. O resultado é uma epidemia de cesarianas, uso irrestrito de uma tecnologia que deveria ser usada apenas na exceção, e o aumento de mortes em decorrência dos maiores riscos envolvidos.

Os Conselhos de Medicina (CRMs), por sua vez, são órgão de proteção da corporação, e não dos pacientes ou da boa prática médica, como os próprios clientes dos serviços de saúde são levados a pensar. Para lá afluem médicos sequiosos de poder ou que trabalham em áreas complexas, onde precisam de “carta branca” para atuarem – a qual pode ser conseguida tornando-se um julgador de médicos. Os conselheiros são temidos por usarem seu poder como uma arma apontada contra inimigos ideológicos e contra todo aquele que questione o poder abusivo da medicina. Geralmente os profissionais que trabalham no Conselho são os que falharam no objetivo de conquistar poder através da sua prática, seja na atuação privada ou na academia. São violentos, sem grande brilho profissional e abusam do poder de aterrorizar colegas. São como policiais de ronda, sabedores de suas limitações, mas ávidos para exercer seu poder sobre o cidadão comum. São os tiranos dos “pequenos poderes

Parafraseando Napoleão Bonaparte, “São tantos os detalhes e as questões subjetivas envolvidas num atendimento médico que nenhum profissional está livre de ser massacrado por um conselho que antagoniza suas ideias ou posturas”. (“Há tantas leis que ninguém pode se julgar livre de ser enforcado” – Napoleão). Sem dúvida, a forma como um caso qualquer será visto nestes tribunais profissionais dependerá de fatores extra-médicos como poder, influência, dinheiro e – acima de tudo – o quanto o caso em debate vai ofender os pilares sagrados da relevância social do médico. O que julga os médicos é sempre o sentimento de ameaça que os conselheiros percebem em sua prática, e não o dano que possa causar aos pacientes.

Marco Bobbio no livro “O Doente Imaginado” fala muito dessas questões políticas e econômicas determinando a conduta médica, deixando a saúde e a segurança dos pacientes em plano secundário. A propaganda médica, os medos dos tribunais, a pressão insana a que são submetidos tudo isso produz uma medicina bizarra, onde o elemento chave para a sua compreensão é o MEDO, e a ideia de que médicos e pacientes estão distantes, julgando-se mutuamente como inimigos em uma arena de ameaças.

O grande problema, para mim, é o fato de que não é suficiente que se modifiquem os administradores, e que se lhe capacite a atuação para que seja mais científica e embasada. Isso apenas não funcionaria, assim como a oficialização da “humanização do nascimento” como prática padrão nos hospitais do Brasil poderia gerar caos e até mesmo tragédias, pelo simples fato de que os próprios PACIENTES ainda não estão prontos para uma medicina centrada na ciência e no uso racional de recursos – entre eles a tecnologia.

Para que isso seja realidade é necessário que ocorra uma revolução cultural, de baixo para cima, onde os médicos e administradores serão forçados pelo novo paradigma a revisitar os seus conceitos e práticas.

Para finalizar, o comentário sobre a frase de John Kenneth Galbraith “Toda a revolução é um pontapé em uma porta podre” feita pelo meu amigo, o professor Francisco Ferreira Carmo: “As pessoas acham que a revolução é dar o pontapé… sou da opinião que é fazer apodrecer a porta.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina

Vacinas à jato

Está todo mundo comemorando um remédio produzido às pressas, sem controle, sem avaliação de segurança, sem padrões mínimos de efetividade garantida e após uma onda de desinformação e pânico mundiais que foi no mínimo “estranha”? Isso me lembra o Tamiflu, que gerou milhões de dólares para a empresa farmacêutica do Donald Rumsfeld, e que agora sabemos tinha a mesma eficácia do AAS…

Não acham que estão comemorando um “negócio da China”, mas não para nós? Quem vai lucrar com o nosso medo, mais uma vez?

Lembram da pílula do Câncer que foi detonada até no Fantástico por não seguir as normas e os tempos determinados pela boa pesquisa médica para um uso seguro e uma eficiência comprovada? Pois agora, os mesmos que detonaram seu uso saúdam quando em poucos DIAS uma empresa israelense avisa que tem uma vacina para o corona vírus.

Coerência, Senhor, coerência.

Parece que o que vale mesmo são os zilhões de dólares de lucro pela venda de uma droga sem eficácia ou segurança comprovadas que chega ao imaginário popular após uma “campanha” muito consistente de pânico mortal pelos inimigos invisíveis de sempre. Primeiro instala -se o pânico; depois vende-se a cura sem nenhuma comprovação, apenas premidos pela urgência. Antes foi o Tamiflu a enriquecer muita gente, agora serão vacinas feitas nas coxas.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Medicina, Violência

Doula é Conexão

Percebam que os grandes estudos envolvendo o trabalho de doulas, como na África do Sul e nos Estados Unidos, utilizaram amigas, tias, irmãs, parceiras, mães e sogras sem qualquer tipo de preparo ou formação específica. O “efeito doula” ocorria a despeito de qualquer conhecimento técnico operacional. Não há nenhuma obrigatoriedade – pelo menos no que diz respeito às evidências científicas – de que doulas tenham formação na área da saúde, que conheçam ciclos femininos, entendam da anatomia envolvida, aprendam a fisiologia do parto ou mesmo que tenham educação formal. Doulas podem ser (e muitas são) analfabetas, e mesmo assim serem doulas maravilhosas .

O efeito positivo das doulas não se dá pela via técnica ou cognitiva. Seu efeito ocorre majoritariamente como apaziguadoras de tensões, pela identificação com a mulher e sua crise vital e através do suporte incondicional que oferecem. Todo o resto – as massagens, posturas, posicionamentos, técnicas de alívio da dor, acupressura etc – são o verniz intelectual, uma fachada racional que pode ser extremamente útil, mas que jamais será o centro da ação das doulas ou a razão essencial para o sucesso obtido com o auxílio que prestam.

Um médico pode ter todos os equipamentos e as técnicas, mas se não tiver o conceito de “fraternidade instrumentalizada” como norte de sua atuação jamais deixará de ser um “técnico em medicina”. O mesmo ocorre com as doulas; sem a vinculação emocional, afetiva, psicológica e espiritual as doulas não passam de “auxiliares técnicas”, cuja eficiência sempre poderá ser barrada pelos corpos que se fecham pela falta de sintonia.

O segredo da doula está nessa vinculação emocional, profundamente feminina. Toda técnica será meramente acessória e poderá até ser inútil caso não venha acompanhada da conexão psíquica e íntima que ocorre no parto entre uma doula e a mulher em suas dores.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto