Fabíola

Culpa-e-da-mulher.html

 

Li uma suposta carta de Fabíola sobre o triste episódio ocorrido na saída de um motel, mas creio – pela forma como foi escrita – que se trata de uma missiva apócrifa. Melhor que seja, pois achei decepcionantes as suas palavras. Depois de ler a mensagem eu fiquei pensando nas possibilidades de continuidade da vida depois daquele fato trágico e pensei que a melhor alternativa seria o silêncio. Entretanto, se uma explicação pública se tornasse obrigatória ou necessária, o que eu diria?

É praticamente impossível responder o que “deveria” ser dito por ela, pois só ela pode saber o quanto lhe dói. Mais ainda: como aquilatar o que uma mulher sofre diante desta situação? O máximo que eu poderia fazer seria a “transposição” masculina do sofrimento de uma mulher, mas isso é sempre uma aproximação. Ser traído por uma namorada em um mundo patriarcal é diferente de sê-lo por um namorado neste mesmo contexto machista. São acontecimentos que se tornam diferentes pela imersão em uma cultura que penaliza de forma diversa essas experiências.

Por esta razão é difícil me colocar “no seu lugar”. São dores diferentes, repercussões díspares e um resto da vida com caminhos muito distintos.

Todavia, fosse colocado nessa situação e tendo que responder, não tentaria me esconder atrás das frases que eu ouvi por aí. “Ah, os homens sempre fizeram e nada lhes acontece”; ou “ela era uma mulher desprezada”; nem mesmo “trair não é crime”, etc. Acho que acusar os outros – no caso, os homens – não é uma resposta justa. É escapista e mimetiza as respostas históricas que os homens sempre utilizaram para estes “deslizes”.

Eu teria uma mensagem, porém não quero que ela seja vista como a correta; é apenas o que eu diria. Tampouco acho que exista uma frase ou declaração certa a se fazer, e ainda acho o silêncio a melhor opção. Mas, diante da premência de oferecer uma resposta, ela seria assim:

“Sim, errei. Não posso justificar o que fiz sob nenhum aspecto. Minha atitude pode ser humanizada, entendida, contextualizada, analisada e até perdoada, mas não posso justificar a tristeza que causamos (lembrem, eu não estava sozinha) a tanta gente, principalmente àqueles que muito amamos. Sei também que a divulgação das cenas e as agressões que sofri são PIORES do que minhas atitudes, mas para isso existe a lei e ela será acionada. Eles que lidem com o mal que causaram, enquanto eu lidarei com o tanto que causei.

Sim, eu errei. Entretanto uma pessoa é mais do que seus erros ou suas virtudes. Sou mais do que minhas fraquezas e fragilidades. Sou mãe, mulher, profissional e cidadã e não apenas uma “pecadora útil”, cujos erros servem para oferecer aos outros a ilusão de que são mais virtuosos do que realmente são. Qualquer rótulo colocado será injusto e reducionista; sou muito mais do que qualquer nome que me ofereçam.

Meu erro está sendo pago de forma desproporcional, mas o mundo patriarcal cobra esse preço injusto das mulheres. Nossa sexualidade nunca é plenamente nossa; precisa sempre passar pelo controle de um outro, seja no sexo ou até mesmo quando vamos parir, e quando burlamos essas “leis” o céu desaba sobre nossas cabeças.

Peço desculpas pela dor que causei. Realmente não precisava ser assim, mas o que está feito… está feito. Espero que um dia possam entender que sou uma mulher igual a qualquer outra, cujas falhas serviram ao gozo sádico de um público sedento de sangue. Agora, passado o escândalo, peço que me esqueçam e deixem que eu viva minha vida em paz.”

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s