Travessia

estrela_mar_praia

Pouco passava das 7 horas quando iniciei minha tradicional caminhada entre Torres e Cidreira. O dia prometia ser quente e seco. Nenhuma nuvem algodoava o azul sobre minha cabeça. A pedra da Guarita mantinha-se no mesmo lugar que eu havia deixado de última vez que a vi. Abusadamente adentrando o Atlântico separa esteticamente a Rio Grande do resto do Brasil, como uma fortaleza. Do lado de cá a monotonia das praias retas e carentes de relevo. Do lado de lá a exuberância litorânea que o Criador ofereceu ao Brasil. Em compensação pelas nossas praias insossas elas estão curiosamente claras e limpas, o que não dá para afirmar dos nossos vizinhos catarinas.

Minha história com o “Caminho de Cidreira” começou há 36 anos. Munido de uma faca , duas laranjas, um boné e três dinheiros saí caminhando pela RS 40 em direção ao mar. A distância que separa Porto Alegre do oceano Atlântico é de 108 km. Imaginei que seguindo a “estrada da praia” mais cedo ou mais tarde chegaria lá. Não tinha mais do que 19 anos, estava começando a faculdade de medicina e não tinha feito nenhum planejamento. Impulso diriam alguns; cabeça oca, diriam outros.

A viagem foi muito menos extenuante do que eu imaginei. Nenhuma bolha nos pés, nenhuma dor muscular insuportável. As benesses da juventude, o vigor, o ímpeto, as carnes duras. O sol não maltratava; era companheiro. Aliás, num mundo sem celulares e sem internet, só a brisa, o barulho dos carros e o sol me mostravam o caminho adiante.

Na primeira noite dormi no banco da faculdade de agronomia, mal saindo da cidade e ingressando em Viamão. A caminhada fora tão mal planejada que sequer os melhores horários foram escolhidos. A segunda noite, dormi em um galpão abandonado ao lado de um posto de gasolina. Na terceira noite…. não dormi. A excitação de finalmente encontrar o mar foi tanta que continuei caminhando madrugada adentro, chegando na Praia do Pinhal quase ao amanhecer. Sim, eu também cresci visitando a casa da dona Vera, que viria a ser minha sogra já falecida. “Mas agora o Pinhal, não tem mais a gente lá, e eu volto pra lembrar, que a gente cresceu, na beira do mar”, como diria a música, do Cidadão Quem, muitos anos depois. Voltei de ônibus pagando dois dos três dinheiros que eu tinha. O resto do dinheiro gastei com água e pastel.

Na volta encontrei minha mãe preocupada. “Que houve com seu cabelo?”, perguntou. A parte que saía para fora do boné estava queimada e com uma cor estranha. Olhei no espelho e achei bizarro. Resolvi descolorir o cabelo inteiro com água oxigenada, que era a coisa mais gay que a um menino hetero era autorizado fazer. Em minha opinião ficou “tri”, mas não gostaria de ver nenhuma foto minha daquela época.

Quando completei 40 anos de vida resolvi repetir o sonho da juventude. Desta vez com menos vigor e mais planejamento decidi que ao invés de caminhar pela estrada meu trajeto seria acompanhando a linha do mar. Saindo de Torres meu destino final seria a 120 km de distância do ponto inicial, na praia de Cidreira, cidade irmã de Pinhal, que muito frequentamos nos anos leves da adolescência. Desde então tenho feito a caminhada sempre que consigo uma brecha na agenda de nascimentos. O menino que se jogava de janelas continuava inquieto. Agora, 36 anos depois eu voltava a olhar a Pedra da Guarita para mais uma travessia.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s