Usufruto

A cultura enxerga o corpo da mulher como usufruto de todos, por isso é exposto, vendido, adorado, perseguido e manipulado. Já o corpo da mulher grávida é de todos, menos dela mesma. A sociedade diz: “A gravidez é um evento grandioso demais para ser confiado às mulheres. O fato de elas guardarem para nós os bebês não pode lhes garantir o direito de tratar seus corpos-cofres como bem desejam”.

Um corpo grávido é um bem social, enquanto a grávida é um estorvo e um risco ao nosso patrimônio.

Jeffrey  Edmonds, “Atirem no Mensageiro – Crônicas à beira do abismo“, Ed. Vulture, pág 135 (no prelo)

Jeffrey Edmonds é um ginecologista americano, nascido em Seattle em 1980. Escreveu muitos estudos e trabalhos relacionados a parto e nascimento sob uma perspectiva sociológica e com viés psicanalítico. Em seu livro descreve os embates pela desmedicalização da saúde – em especial no parto e amamentação – que se chocam contra os interesses corporativos e do próprio capitalismo como forma de organização econômica da sociedade. Deixa claro que a humanização do nascimento só terá plenitude na sociedade com a suplantação do capitalismo, visto que as forças que lutam contra o parto humanizado são as mesmas que sustentam o capitalismo e sua vertente neoliberal. Assim, insere a luta pelas mulheres (parto e amamentação) e a luta anticapitalista (solidariedade e democratização da saúde) num mesmo corpo e demonstra que estas lutas precisam estar unificadas para obter sucesso. Mora em Seattle e coordena o núcleo local de “Socialist Doctors for America”.

Publicidade

Deixe um comentário

Arquivado em Citações, Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s