Betting on Zero

 

Há 25 anos eu fui convidado por um grupo de colegas do hospital onde eu trabalhava para participar de uma reunião a respeito de um “novo modelo de negócios” que poderia render milhões. Alguns colegas foram, eu não. Não acredito, inclusive hoje, que eu poderia vender coisa alguma na vida; seria uma tremenda perda de tempo. O mais entusiasmado entre eles era um colega pneumologista, que voltou da reunião absolutamente apaixonado pela ideia, e completamente envolvido pelo clima da proposta.

A reunião era da Amway, uma ideia “revolucionária” onde você não precisava vender nada, apenas convencer outras pessoas a vender por você. Você seria um gerente, um coordenador de equipe, o cabeça, o organizador. O chefe. O que poderia ser mais sedutor?

A regra do sucesso? Nunca desistir, mesmo quando parece estar fracassando. O método de convencimento? Ora, ainda hoje é usado por igrejas no mundo inteiro: a promessa da redenção. Lembro de encontrar meu colega uns dias depois e dizer a ele que este modelo se parecia demais com uma “pirâmide”, e que não seria possível em um modelo como esse que todas as pessoas se beneficiassem. “Não é uma questão de de talento ou empreendedorismo, mas de matemática”, expliquei a ele.

Ele ficou furioso com a minha observação. Sua resposta foi:”Eu estava enganado quanto à sua capacidade de se envolver em um negócio maravilhoso como este, mas agora estou desconfiado da sua capacidade intelectual“. Essa é a resposta óbvia de alguém que “viu a luz” em uma espécie de viagem astral e não aceita que outros não a tenham visto. Meu colega levantou-se e saiu indignado da sala.

Nunca mais falei sobre ele sobre esse episódio e alguns meses depois eu mesmo saí do hospital. Quando encontrei um amigo em comum muitos anos depois lhe perguntei se o nosso amigo ainda estava envolvido no “negócio” para o qual tinha nos convidado. Meu colega respondeu que ele havia abandonado um ano depois e que foi “uma grande decepção, a qual não gostaria de comentar”.

Digo isso apenas porque ontem assisti o documentário da Netflix “Betting on Zero” e achei muito bom, pois me parece um documentário que fala mais do que o gigantesco modelo de negócios e sonhos da Herbalife, mas vai além e nos faz questionar as bases do capitalismo: a ilusão disseminada de que, se você tiver méritos e resiliência, poderá ser um vencedor, mesmo quando as regras do jogo são predeterminadas e na sua mão jamais haverá cartas boas para apostar. O capitalismo está na estrutura filosófica que sustenta estes negócios através da promessa escatológica de redenção.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s