Ripples

 

A primeira vez que fui ao Rio meu filho tinha 1 ano e meio de vida. Entrei com ele e sua mãe em um ônibus para Botafogo e fomos assaltados antes mesmo de sentar, quando o ônibus se preparava para sair. Três garotos entraram e um deles puxou da cintura um revólver. Roubaram meu relógio e uns cruzados. O valor corrigido de ambos não passaria hoje de 50 reais, mas foi a primeira vez que sofri um assalto e uma ameaça dessa forma. Eu tinha 23 anos na época.

As vezes penso que os três meninos meliantes já morreram, o que é bem provável. Eles tinham entre 15 e 18 anos. Pretinhos, mirradinhos, bonitos. Não houve nenhum contato e sequer violência física, mas fui atingido no peito por uma sensação de fragilidade e impotência. Eles apenas ordenaram: “Passa o relógio e o que tiver no bolso“. Só isso.

A lembrança desse fato voltou à minha memória hoje. O roubo em si foi insignificante, mas o que me incomodou durante semanas foi o estrago que produziu em mim. A raiva, a sensação de impotência, o susto, os dentes trincados, os desejos de vingança e o pensamento fixo na cena me acompanharam por vários dias. Como uma pedra jogada em um lago que produz ondulações por muito tempo. Lembro de ter visto os mesmos sentimentos destrutivos muitos anos depois no rosto de um colega anestesista que havia sido assaltado nas férias. O orgulho de macho ferido, a impotência, o ódio, a raiva, as expressões malignas eram todos muito piores que as bugigangas e os poucos pilas roubados.

Estas lembranças me atingiram porque quando ocorre um fato brutal – como as agressões às mulheres dos últimos dias – as reverberações destes eventos são horríveis e continuadas. O fato se repete todos os dias em muitas outras mulheres que despertam suas dores antigas, as quais cumpre extravasar, numa catarse que as redes sociais amplificam de forma intensa e dolorosa.

Não me cabe questionar a validade destes relatos, pois talvez a expulsão destes demônios a partir de um fato alheio possa ajudar as vítimas cujas vozes se calaram. Todavia, me resta lamentar o quanto de dor ainda produzimos nesse planeta, e o quanto ainda se mantém guardado e calado dentro de tanta gente.

Espero somente, solitário em minhas fantasias, que os três garotos cariocas que um dia encontrei do lado oposto de uma arma sejam hoje homens de valor, pais, parceiros, amigos, talvez avós como eu. Espero que tenham encontrado uma saída para suas vidas, assim como espero que a dor que emerge de tantas mulheres que sofreram nas mãos de seus algozes sirva para que um dia tenhamos plena consciência da importância de respeitar a todos.

Não são esperanças tolas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s