Propinas

 

Notas sobre uma instituição tipicamente americana:
 
Minha crítica a esse instituto tipicamente americano de dar “tips” (gorjetas, propinas) para as tarefas mais braçais e diretas vem de longa data. Lembro bem de um filme com Brad Pitt em que ele tenta oferecer uma ajuda em dinheiro a uma dupla de árabes que ajudaram sua mulher a se salvar e a expressão de assombro de ambos ao rechaçar a oferta. “Como assim me dar dinheiro por fazer minha obrigação? Como poderíamos agir diferente?”.
 
Já pensou que ninguém dá gorjeta para médicos, advogados e engenheiros? Também ninguém da gorjeta para o cozinheiro, que igualmente ganha muito mal. Entretanto, a gente dá gorjeta para o garçom, o entregador de pizza e o taxista. No fundo a cultura da gorjeta é um tratamento preconceituoso e que desonera o patrão. E digo mais… assim como acabou no mundo todo também está acabando nos Estados Unidos. Esta semana li um artigo na Time sobre a mudança nesse cenário partindo de redes de restaurante que estão adotando uma estratégia que “nunca ninguém pensou” (irony on): incluem a gorjeta na conta. Propinas não passam de um anacronismo.
 
É como a adoção do “preço inglês” nos anos 30-40 em substituição à livre negociação. Antes as lojas não colocavam preço no produto e tudo era negociado diretamente, como ainda hoje ocorre em lugares como as Medinas de Marrakesh. Tente imaginar entrar numa loja de eletrodomésticos e “negociar” o preço com o vendedor. O problema é que essa estratégia toma tempo demais e por causa disso se adotou o chamado “preço inglês” que nada mais é do que o preço fixo do produto. Isso poupa energia e tempo, mas deixa a compra-venda menos artística e folclórica.
 
Não há nenhuma razão para que a tradição das gorjetas se mantenha nos tempos modernos, mas a argumentação de que tal relação tem que continuar existindo porque “os salários são baixos” é a mais absurda possível. Ora… lutem por melhores salários!!!
 
Imagine contratar uma secretaria ou uma balconista e lhe dizer “O salário é baixo mas batalhe umas gorjetas que você pode ganhar melhor”. Mas… como se “batalha” uma gorjeta? Ora… com as armas do constrangimento. Na verdade os trabalhadores (verdadeiramente mal pagos) raciocinam assim: é mais fácil pressionar e constranger o consumidor do que lutar contra os patrões poderosos. Essa é a receita para a exploração: empurrar a culpa pelos baixos rendimentos para o mais frágil na relação. No caso, aqueles consumidores que temem um motorista rude, um atendimento constrangedor ou uma comida mal feita e mal servida.
 
Ah… mas falar isso aqui nos Estados Unidos é como questionar a virgindade de Nossa Senhora dentro do Vaticano.
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s