Rituais médicos

Quando vejo protocolos de utilização de ultrasonografias durante a gestação, em especial escritos por médicos com especialização em medicina fetal ou imagem, eu sempre desconfio que as recomendações partem de um profissional com um viés absolutamente desviado por sua formação. Em verdade, a introducao (ou manutenção) de uma tecnologia qualquer aplicada à gestação deveria partir de um ponto bem específico: demonstrar quais as referências bibliográficas que justificam seu uso de rotina em gestações de baixo risco e o impacto que elas produzem no bem estar materno e fetal. Isto é: quantas vidas de mães e bebês salvamos com a introdução desses procedimentos e quantos problemas são evitados NA PRÁTICA (e não teoricamente) com sua realização rotineira.

Apenas acho importante lembrar que não cabe a mim trazer evidências sobre a falta de benefícios como exames ou cirurgias. No caso das ecografias, aqueles que modificam o status quo é que precisam comprovar que uma tecnologia tremendamente dispendiosa e potencialmente arriscada produz inequívocos benefícios às mães e seus bebês. Isto é: há 30 anos que aguardo pacientemente os trabalhos comprovando que as ultrassonografias utilizadas de rotina na gestação produzem incremento na qualidade do pré natal e que se refletem numa melhoria das condições de mães e bebês. Minha preocupação durante estas décadas de convívio com esse exame foi que sua aplicação cria uma série de expectativas, receios, angústias, custos elevados e alienação na relação mãe bebê (que passa a se estabelecer com um intermediário tecnólogico) sem jamais ter comprovado impacto positivo na saúde de ambos.

A pergunta é bem simples: se um ato divino (ou demoníaco) exterminasse de uma só vez todas as máquinas de fazer “beep” ultrassonográficas, qual seria o resultado para a saúde dos envolvidos depois de um período de, digamos, um ano? Sabemos que a saúde (financeira) dos Sr Siemens e do Sr Toshiba melhoram muito com esse exame, e que uma gigantesca corporação de profissionais de diagnóstico por imagem vivem da aplicação desse exame, mas…. é para o bem estar deles que existe a medicina e a tecnologia usada em seu nome? Ou é para impactar positivamente a saúde dos pacientes? Pois os estudos sté hoje realizados nos mostram que o impacto é…. ZERO.

Enquanto não for provado que ecografias produzem efeito positivo usadas rotineiramente todas as pacientes deveriam ser informadas de sua inutilidade e potencial risco, até que alguma novidade sobre o tema surja mostrando uma marcada melhora nos resultados.

Todavía, o que continuo achando interessante debater, e o fiz nos mais de 30 anos de clínica obstétrica, é como tratar um fenômeno social (como a ecografia) que não possui benefícios médicos, mas atinge em cheio o imaginário social sobre a gravidez. Ao meu ver deveria ser uma abordagem restritiva semelhante àquela adotada com a postectomia (circuncisão) a tonsilectomia (retirada de amígdalas) e a episiotomia (corte vaginal na vulva durante o parto), que são todas cirurgias ritualisticas e mutilatórias da medicina ocidental (para diferençar da circuncisão feminina, a clitoridectomia, que é oriental) que não tem base científica que sustente sua aplicação mas cujo uso é regulado pelos mitos que as cercam. Todas elas são realizadas em momentos cruciais (nascimento, adolescência e parto) como marcadores de passagens psíquicas relevantes.

As ecografias funcionam da mesma forma, como um “passaporte” oferecido pelo “oficial obstétrico” que representa a ordem médica e o controle sobre o corpo. Funciona como o Rx nos aeroportos, cujo fim explícito é vigiar e punir, mas no que tange ao parto nossos exames são oferecidos sob o manto encobri dor da “seguranca” e da “prevenção”.

Hoje em dia as gestantes são prisioneiras desse controle sobre suas gestações, que não lhes oferece segurança mas as mantém atreladas ao controle profissional.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Parto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s