Arquivo da tag: ecografia

Aventuras tecnológicas

Eles copiaram até o nome que eu dei a este tipo de exame, mas de forma cínica. O preço a ser pago por essa aventura tecnológica ainda não foi totalmente avaliado. Mexer em valores e segredos tão ancestrais sem nenhuma vantagem médica pode ter consequências deletérias que nao foram ainda analisadas em profundidade.

Acho mesmo que a civilização ocidental ainda não se deu conta do que significa o afastamento do ser humano de sua essência mais íntima. Invadir o útero dessa forma, fazendo da gestação e do nascimento um espetáculo e uma diversão, retira desse evento o que carrega de misterioso, mágico e sagrado

A questão é que tais elementos são formativos do sujeito. Somos a soma dos desejos sobre nós projetados, e não o ultra-som despejado sem nossa autorização. Não há como encarar da mesma forma uma gestação assim banalizada e outra onde nossos elementos mais profundos, inconscientes e ancestrais são levados em conta e respeitados.

A banalização desses exames retira das mulheres a soberania sobre seus corpos, escravizando-as à tecnologia e gerando um ciclo de dependência sem fim. Romper essas amarras e libertar-se de tais grilhões é tarefa difícil, mas que se faz com apoio, informação, evidências científicas e reforço da autoestima.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Parto

Rituais médicos

Quando vejo protocolos de utilização de ultrasonografias durante a gestação, em especial escritos por médicos com especialização em medicina fetal ou imagem, eu sempre desconfio que as recomendações partem de um profissional com um viés absolutamente desviado por sua formação. Em verdade, a introducao (ou manutenção) de uma tecnologia qualquer aplicada à gestação deveria partir de um ponto bem específico: demonstrar quais as referências bibliográficas que justificam seu uso de rotina em gestações de baixo risco e o impacto que elas produzem no bem estar materno e fetal. Isto é: quantas vidas de mães e bebês salvamos com a introdução desses procedimentos e quantos problemas são evitados NA PRÁTICA (e não teoricamente) com sua realização rotineira.

Apenas acho importante lembrar que não cabe a mim trazer evidências sobre a falta de benefícios como exames ou cirurgias. No caso das ecografias, aqueles que modificam o status quo é que precisam comprovar que uma tecnologia tremendamente dispendiosa e potencialmente arriscada produz inequívocos benefícios às mães e seus bebês. Isto é: há 30 anos que aguardo pacientemente os trabalhos comprovando que as ultrassonografias utilizadas de rotina na gestação produzem incremento na qualidade do pré natal e que se refletem numa melhoria das condições de mães e bebês. Minha preocupação durante estas décadas de convívio com esse exame foi que sua aplicação cria uma série de expectativas, receios, angústias, custos elevados e alienação na relação mãe bebê (que passa a se estabelecer com um intermediário tecnólogico) sem jamais ter comprovado impacto positivo na saúde de ambos.

A pergunta é bem simples: se um ato divino (ou demoníaco) exterminasse de uma só vez todas as máquinas de fazer “beep” ultrassonográficas, qual seria o resultado para a saúde dos envolvidos depois de um período de, digamos, um ano? Sabemos que a saúde (financeira) dos Sr Siemens e do Sr Toshiba melhoram muito com esse exame, e que uma gigantesca corporação de profissionais de diagnóstico por imagem vivem da aplicação desse exame, mas…. é para o bem estar deles que existe a medicina e a tecnologia usada em seu nome? Ou é para impactar positivamente a saúde dos pacientes? Pois os estudos sté hoje realizados nos mostram que o impacto é…. ZERO.

Enquanto não for provado que ecografias produzem efeito positivo usadas rotineiramente todas as pacientes deveriam ser informadas de sua inutilidade e potencial risco, até que alguma novidade sobre o tema surja mostrando uma marcada melhora nos resultados.

Todavía, o que continuo achando interessante debater, e o fiz nos mais de 30 anos de clínica obstétrica, é como tratar um fenômeno social (como a ecografia) que não possui benefícios médicos, mas atinge em cheio o imaginário social sobre a gravidez. Ao meu ver deveria ser uma abordagem restritiva semelhante àquela adotada com a postectomia (circuncisão) a tonsilectomia (retirada de amígdalas) e a episiotomia (corte vaginal na vulva durante o parto), que são todas cirurgias ritualisticas e mutilatórias da medicina ocidental (para diferençar da circuncisão feminina, a clitoridectomia, que é oriental) que não tem base científica que sustente sua aplicação mas cujo uso é regulado pelos mitos que as cercam. Todas elas são realizadas em momentos cruciais (nascimento, adolescência e parto) como marcadores de passagens psíquicas relevantes.

As ecografias funcionam da mesma forma, como um “passaporte” oferecido pelo “oficial obstétrico” que representa a ordem médica e o controle sobre o corpo. Funciona como o Rx nos aeroportos, cujo fim explícito é vigiar e punir, mas no que tange ao parto nossos exames são oferecidos sob o manto encobri dor da “seguranca” e da “prevenção”.

Hoje em dia as gestantes são prisioneiras desse controle sobre suas gestações, que não lhes oferece segurança mas as mantém atreladas ao controle profissional.

1 comentário

Arquivado em Parto

Chuviscos

Eu mesmo percebi isso há 25 anos.

Ninguém diz, porque é feio, mas ecografias e MAPs tem os mesmos objetivos simbólicos: oferecer ao médico um elemento “comprovável” e palpável da fragilidade na relação mãe-feto que justifique uma intervenção intempestiva. Em verdade essa – a intervenção – era a intenção do cuidador desde sempre, mas sabemos o quanto afeta o imaginário de uma mulher sufocada por seus medos os pontos chuviscados de uma ultrassonografia ou os aclives e declives dos traçados de uma monitorização. Depois de um comentário sobre “dips” ou sobre “percentil” qual mulher manteria a confiança e o sangue frio para seguir adiante nos seus planos?

Se é verdade que estes exames podem ser úteis em circunstâncias específicas, mais verdade ainda é de que seu uso se volta para a proteção dos profissionais e a moldagem do parto em um evento que precisa ser bom para quem o cuida e não para quem o faz acontecer.

São armas de convencimento e persuasão profundamente eficazes.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina

Tipos de Ultrassom

O ultrassom é outra novela capitalista. Existem três tipos fundamentais: ultrassons médicos, sedativos e recreativos.

Os ultrassons MÉDICOS  possuem como característica “uma pergunta, uma resposta e uma ação“, sendo esta última diretamente ligada à resposta oferecida pelo exame. São exames raramente feitos, mas são os únicos justificáveis.

Os ultrassons SEDATIVOS são subproduto da indústria do medo. As pacientes durante o pré natal são tão danificadas emocionalmente pelo modelo médico que passam a desconfiar de sua capacidade de produzir bebês saudáveis. Por esta razão, precisam de um reforço visual, uma comprovação do bem-estar fetal pela via tecnológica. As lágrimas na sala de ecografia não são – via de regra – de alegria, mas de alívio.

Os ultrassons RECREATIVOS são para olhar, espiar, socializar o bebê e para descobrir seu gênero antes do nascimento. Hoje em dia são exigidos pelas famílias como um ritual tecnológico de apropriação e introdução social do “nascituro”. Uso essa palavra controversa de propósito, exatamente porque as ecografias contribuem para a noção contemporânea do “feto como sujeito”, que tanto estrago traz às mulheres, tanto no debate sobre o direito ao aborto quanto na ocorrência de uma perda gestacional. É sabido também que tanto este tipo de ultrassom quanto o “sedativo” são incapazes de produzir melhora nos resultados perinatais.

Em verdade, as ecografias na gravidez como método de RASTREIO (em mulheres com gestações saudáveis) não oferecem nenhuma vantagem para mães e bebês do ponto de vista do decréscimo da morbi-mortalidade materna, fetal e neonatal. São “brinquedos eletrônicos” que, na imensa maioria das vezes,  não  justificam – com resultados positivos – a quantidade enorme de recursos neles aplicados.

Deixe um comentário

Arquivado em Medicina, Parto