Como estás?

Hei de estar na alvorada; quando for chamado lá eu hei de estar.

Assim cantavam os “Arautos de Rei”, conjunto gospel que eu ouvia em casa quando pequeno. Eles eram a versão dos “King’s Heralds” americanos e suas músicas formam o playlist da minha infância. Talvez por isso eu me lembre tanto das letras. Outra, ainda mais significativa, era assim:

Se a morte vier hoje te buscar, como estás (como estás) com teu Deus?

Não parei de pensar nessa pergunta durante meio século. Para mim sempre houve esta urgência. Se a morte vier me buscar hoje à tarde, o que terei a dizer nos portais celestiais?

Vejo Pedro em seu trono, balançando as chaves na minha frente. “O que você fez dessa oportunidade incrível de habitar um corpo, sentir suas dores, amar, sofrer, buscar, fugir, temer, gozar, mentir, chorar? O que deixa como semente? Uma palavra, uma idéia, filhos, livros, jardins?”

Se a morte vier hoje me buscar vou pedir desculpas por tudo que deixei de fazer por medo ou vaidade. Os beijos não dados, as palavras engolidas, a piada genial cujo timing passou, o abraço que não rolou. Tanta coisa deixada para trás por não me dar conta do tempo curto dessa aventura de vida.

Ahhhh… os bebês nascendo. Essa é a memória que ficará para sempre.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s