Bombas de Tempo

Esta é uma história dos meus tempos de estudante.

Uma paciente chegou ao hospital com intensas dores abdominais. Vinha do interior trazida pelo marido e tinha entre 60-65 anos. O abdome era muito volumoso e reagia ao toque. Todo ele era timpânico e o som lembrava os atabaques africanos. “Tum, tum, tum”. Os exames de sangue estavam normais, mas o raio x foi definitivo: bolhas gasosas enormes por todo o intestino. Fechado o diagnóstico: obstrução intestinal aguda, por volvo (intussuscepcão) ou torção. O famoso “nó nas tripas”.

Foi levada com rapidez ao bloco cirúrgico onde foi preparada a sala para a cirurgia. Quando fui pintar sua enorme “pança” com solução degermante pude ver a longa cicatriz longitudinal que nascia acima do púbis, desviava do umbigo e se aproximava do osso externo. Por certo não era a primeira vez que ela enfrentava um bisturi, e rezei para que desta vez tivesse sucesso como das outras vezes.

Tão logo o cirurgião passou a lâmina do escalpelo abrindo o abdômen as alças intestinais pularam para fora, como balões de hélio de uma festa surpresa liberados de uma caixa. A tarefa agora era percorrer sua longa extensão até encontrar o ponto obstruído.

Era uma torção. No emaranhado das “tripas” havia inúmeros filamentos brancos entre cada volta do intestino, que faziam as suas paredes externas aderirem umas às outras, tornando a limpeza difícil e a investigação demorada.

Breubas“, falou o cirurgião. “Muitas breubas. Foi por isso que ela torceu esta alça“, disse ele mostrando o ponto exato em que o intestino estava colapsado.

Breuba” era o apelido dado às aderências internas do abdômen, relacionadas aos processos inflamatórios prévios e criadas pelo organismo como elementos de reparação. São as “cicatrizes internas”, filamentos de fibrose que se grudam nas alças do intestino dificultando a cirurgia.

Depois de desfeita a torção terminamos a cirurgia com sucesso. No dia seguinte fui visitar a nossa paciente no quarto e lhe perguntei qual a razão da cicatriz antiga que ela tinha no abdômen. Estava na ficha, mas eu não tinha acesso a ela.

– Ahn doutor, aquela é a cicatriz das cesarianas. Tive quatro delas há muitos anos na minha cidade. Os bebês ou estavam enforcados no cordão ou então a placenta estava muito velha. Nunca consegui ter filho de parto normal.

Sorri das velhas desculpas furadas para as cesarianas mas me chamaram a atenção as circunstâncias do caso. Aquela senhora chegou em mau estado ao hospital, na iminência de uma ruptura das alças intestinais. A causa dessa emergência foi um abdome cheio de cicatrizes internas fibróticas que prejudicavam o trânsito intestinal e produziram, por fim, uma torção quase fatal das alças. Na origem do seu quadro estavam antigas cirurgias provavelmente mal indicadas (a se crer no relato da senhora), feitas apenas por conveniência do cirurgião e por um genuíno desprezo pelo processo fisiológico de parir. Intervenções feitas há mais de três décadas – e sem real necessidade – foram as causadoras dessa emergência, que poderia ter custado a vida da paciente.

Muitas de nossas ações médicas tem efeitos em longo prazo. O dietilbestrol causa câncer de células claras de fundo vaginal em adolescentes cujas mães o utilizaram na gravidez; mais de 10 anos de distância separavam a causa do efeito. A ingestão de algumas drogas e muitos procedimentos são “bombas de tempo”, cujas manifestações ocorrem até décadas mais tarde. O mesmo se pode dizer dos eventos psíquicos que, surgidos na idade pré-verbal, produzem manifestações para além da vida adulta. Portanto, para afirmar que uma intervenção é segura não basta apenas sobreviver a ela pois suas repercussões podem levar muitos anos para serem percebidas, e muitas vezes sequer conseguimos reconhecer seu fino laço de causalidade.

Mas é certo que, caso a nossa intervenção não tivesse sucesso, ninguém teria coragem para colocar a verdade no atestado de óbito de uma sexagenária:

“Causa da morte: cesarianas.”

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s