Preconceito de classe

A fala do promotor Januário (foto acima), um primor de elegância e sofisticação, foi a parte dos diálogos da Vaza Jato que mais expõe o componente de preconceito de classe presente na perseguição ao ex presidente. O que era insuportável para estes janotinhas (de terno importado e mesada de 50k) era o fato de que Lula era povo, era gente, era migrante nordestino, corintiano e gostava de cerveja. Lula, aos olhos dessa catrefa, tomava pinga, não acondicionava corretamente os vinhos, falava errado, cuidava mal do “seu” sítio e sua mulher usava vestidos bregas.

A maioria não confessa, porque essa é uma chaga moral, mas Lula jamais foi aceito por esses engravatados – e boa parte da classe média – porque, pela primeira vez na história do Brasil, o presidente teve a cara e a história de seu povo. Isso, para esses europeus deslocados, é inaceitável e uma afronta aos “cidadãos de bem”.

Marilena Chauí tem razão sobre os adjetivos que lança à nossa classe média brasileira.

Deixe um comentário

Arquivado em Política

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s