Travessura

Jack Pritchard e Paul MacDonald eram os editores principais do Williams Obstetrics – o mais importante livro texto de obstetrícia à época – quando esses acontecimentos ocorreram, ambos ligados ao famoso Parkland Memorial Hospital de Dallas – Texas. Digo “famoso” apenas porque meus professores de obstetrícia eram tão apaixonados por este hospital – uma Meca da obstetrícia tecnocrática dos anos 70/80 – que o Centro Obstétrico do Hospital de Clínicas da minha cidade teve a arquitetura desavergonhadamente copiada deste hospital. Pritchard não contava mais de 33 anos de idade ao assumir esta posição, o que explica muito do texto. Essas duas edições são totalmente “Parkland”, texanas, e são conhecidas como as mais arrogantes.

Algo muito curioso ocorreu quando a 15ª edição do Williams Obstétrica chegou às livrarias. Os leitores mais atentos perceberam que ela apresentava uma inserção no índice geral da obra onde se lia: “Machismo, masculino, quantidades variáveis, págs 1-993”. Ficou evidente que essa nota demonstrava que alguém considerava a medicalização do corpo das mulheres como um ato claramente machista, inserido na narrativa demeritória da Medicina a respeito de suas funções específicas – menstruar, gestar, parir, amamentar e cessar a produção hormonal na menopausa.

A 16ª edição tinha à frente os mesmos editores – Pritchard e MacDonald – e de novo se encontrou uma sutil (e até então misteriosa) crítica à perspectiva sexista do texto. O índice não apenas voltava a conter um “recado” como sua abrangência se intensificara. Lá se podia ler: “Machismo, masculino, quantidades volumosas, págs 1 – 1102”.

Tanto na 15ª como na 16ª edições o intervalo se refere jocosamente à totalidade do livro, citando sua primeira e última páginas. Por algum tempo se questionou de onde haveria surgido a criativa crítica social travestida de “travessura”. O enigma não é difícil de solucionar, bastando ver os agradecimentos finais constantes em ambas as edições:

“Finally, no amount of thanks can express our gratitude to Ms. Signe Pritchard for her myriad contributions beginning with manuscript and ending with index.”

É de Signe Pritchard, esposa do conhecido professor, a correção final do livro, e a ela deve ser dado o crédito pela inserção das famosas entradas de índice que nos alertaram sobre o sexismo que emanava de cada página da obra de seu marido. Na 17ª edição do Williams Obstetrics houve a adição de mais um editor, prof. Norman Grant, e é provável que sua chegada tenha impedido que nessa edição a famosa notação se mantivesse. Ela ficou restrita a estas duas edições históricas em que a face machista do texto foi denunciada.

A Signe somos devedores de uma singela homenagem. Apesar de ser uma simples professora de inglês que viveu a vida inteira à sombra do seu marido, médico famoso e reconhecido, ela teve uma ideia maravilhosa que revelou a nascente inconformidade das mulheres com as descrições defectivas que a medicina – um potente braço ideológico do patriarcado – fazia em seus livros texto, em especial aqueles de ginecologia e obstetrícia, potentes disseminadores de uma ideologia que colocava as mulheres como seres imperfeitos e mal elaborados, cópias mal acabadas do masculino.

A “brincadeira” de Signe Prichard, em verdade, se tornou uma bela história de coragem e criatividade.

Veja mais sobre “Medicina e Machismo” aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s