Arquivo da tag: machismo

Visibilidade Trans

Em uma conversa sobre a visibilidade trans uma menina fez a seguinte observação:

“O que mata é a situação da prostituição, ser negro, ser pobre, ou seja, o de sempre. Homens brancos com grana podem transicionar pro que quiserem e vão ficar de boa”.

Deixei claro para ela que “de boa” era um exagero inaceitável. Dizer que outras condições de precariedade social, como a pobreza e a cor da pele, são elementos que agravam a marginalização dos sujeitos não nos autoriza a dizer que as transições de pessoas mais privilegiadas vão ocorrer com tranquilidade.

Eu nunca vi alguém trocar sua identidade sexual dando risada ou com leveza no coração. Isso é uma fantasia, mas pode acobertar uma brutal crueldade. Você pode passar por isso com mais ou menos sofrimento, mas nunca “de boa”, tranquilamente, fazendo festa. E digo mais, o que torna a transição um pouco mais tranquila para o transexual não será a cor da pele ou o dinheiro do sujeito, mas o suporte da família e do seu círculo de afetos. Ali mesmo, na mão amiga e compassiva é vai residir toda a diferença entre o sofrimento e a aceitação.

Ninguém sai do armário sob uma chuva de purpurina; as pessoas saem “chutadas”, mas esse chute é o sujeito que dá em si mesmo, premido pela angústia de viver uma vida dupla. Na questão da identidade de gênero a questão é ainda muito mais grave, pois não se trata apenas da orientação sexual (que pode ser absolutamente privada) mas tem a ver com a persona pública desse indivíduo, e a pressão social sobre ele será muito mais forte, cruel e até mordaz.

É óbvio que a cor da pele e a pobreza colocam elementos de agravamento sobre este cenário, mas acredito ser profundamente injusto com o sofrimento das pessoas brancas e de classe média dizer que sua passagem foi “fácil” ou “tranquila”. Não é, e basta conversar 15 minutos com alguém que passou por este processo para ver o quanto ele pode ser doloroso e desafiante.

Se a visibilidade trans pode nos oferecer alguma lição que seja esta: não participe de competições sobre quem é a maior vítima, separando o transexual branco, do preto, do classe média, do milionário e do pobre. Todos enfrentarão uma sociedade preconceituosa e cruel. Nenhum deles estará livre disso, mesmo que alguns tenham preconceitos que se somam e se intensificam. Todavia, o acolhimento deverá ser para todos, inobstante o grau objetivo de sofrimento que nós, erradamente, arbitramos.

Deixe um comentário

Arquivado em Ativismo, Pensamentos

Gênesis

É evidente que aqui não há nenhuma novidade: a novela da Record que fala do Gênesis da Bíblia recebeu críticas por ser “machista”. Mas eu pergunto: é sério que alguém acha possível que uma novela sobre o surgimento da humanidade num livro patriarcal e machista como a Bíblia poderia ser diferente? Acham mesmo que haveria como fazer uma versão “inclusiva”, “neutra” ou “feminista” da criação do mundo como narrada nos textos do velho testamento?

E se fizessem, não seria uma monstruosidade ainda maior???

Vamos ser justos; não se pode cobrar da Bíblia que suas metáforas não refletem os valores do mundo de hoje. O que se pode fazer a respeito de uma obra que celebra a visão do nascimento da humanidade sob a ótica do patriarcado nascente é não assistir – como eu faço – mas é absurdo pedir que um monumento ao patriarcado seja transformado no seu oposto, perdendo totalmente sua essência.

Em uma crítica que apareceu nas redes sociais um articulista usa o argumento do “anacronismo” das visões machistas da novela, mas para mim o faz de forma totalmente equivocada. Diz ele: “É simplesmente inaceitável que, em pleno 2021, com mulheres em postos de comando em todo o planeta, uma obra de grande apelo popular insista nesse tipo de mensagem”.

Pois eu afirmo que NÃO HÁ como mudar as histórias e as alegorias da Bíblia sem acabar com ela. Existem versões humorísticas como o sensacional “A Vida de Brian”, do Monty Python, os os vários esquetes da “Porta dos Fundos” (ao meu ver também hilários), mas eles não se propõem a fazer uma novela sobre o Gênesis, a Vida de Cristo ou sobre os 10 Mandamentos, apenas paródias críticas sobre estas histórias – o que me parece sempre super válido.

Retalhar uma obra escrita há centenas ou milhares de anos é algo criminoso. Para mim é como fazer um filme sobre Moby Dick de Herman Mellville – mantendo todo o enredo e todos os personagens – mas mudar o final da nova versão fazendo o Capitão Ahab ficar amigo da baleia e não tentar matá-la, pressionado pelos ativistas da vida animal e até pela ameaça de boicote protagonizada pela PETA. Quem sabe até reescrever o “Sítio do Pica-Pau Amarelo” e transformar a tia Anastácia na proprietária do mesmo, para fugir do estigma de inferioridade social da população negra. Ou mesmo proibir obras controversas como Lolita pelo seu conteúdo sexual.

Não se pode fazer isso com obras artísticas; elas são representantes dos valores que circulavam pelo campo simbólico de sua época. Critiquem seus conteúdos, denunciem suas amarras aos preconceitos do tempo em que foram escritas, mas não as mutilem para servir aos propósitos de outros momentos e contextos.

A Bíblia é mesmo assim, e só o que se pode fazer é deixar claro que se trata de uma alegoria escrita há milhares de anos, cujas metáforas só podem ser lidas de forma simbólica, e que este livro carregava valores sociais bastante diversos daqueles que valorizamos agora.

Para ler o artigo referido, clique aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

O Hiper Macho

Sempre achei que os puros homossexuais seriam estes, ao estilo Donovan, porque neles existe a masculinidade exclusiva, hiper masculina, certeira, indubitável, positiva, com a veneração do falo e a total supressão do feminino.

Nessa perspectiva masculinista o gay efeminado, delicado, suave, frágil seria “apenas” um sujeito que adora mulheres a ponto de imitá-las em seu gestual e na preferência por homens; ele não seria o “gay genuíno”. O guerreiro, o gladiador, o super atleta seriam os reais paradigmas masculinos máximos, onde as mulheres representariam a falta de tudo quanto valorizam e admiram.

Donovan é o melhor exemplo de um mundo sem diversidade, pobre em tudo o que a mulher é capaz de oferecer enquanto pensamento e sentimento feminino. Suspeito que por trás de tanta masculinidade está um sujeito com um medo terrível do que significa a pergunta que cada mulher nos apresenta.

Pensamento engraçado: imaginar o Donovan atendendo um parto ou cuidando de um bebê. No meu ponto de vista o mundo de Donovan seria tão miserável quanto uma sociedade de Amazonas.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

No meu tempo é que era bom…

Frequento grupos onde pessoas da minha idade celebram fatos da nossa infância e adolescência, que coincidiu com a ditadura militar, o surgimento da TV e a transformação social que o mundo experimentou pela guerra fria.

Vez por outra aparece um texto saudosista, falando de um tempo sem “frescuras” e sem “mimimi“, dizendo que na época atual damos valor demais aos direitos e menos aos deveres, que somos uma geração “floco de neve” e que criamos discussões sem propósito sobre temas irrelevantes.

Não há dúvidas que há exageros. Afinal, “como impedir que o vento bata portas mal fechadas”, como dizia Pablo Milanez, fazendo estrondo com os gritos represados? Como evitar a volúpia que se segue à contenção?

Exaltar acriticamente um passado idílico com nossas lentes seletivas só pode resultar em uma salada de frutas de racismo, misoginia, lgbtfobia misturados com o culto do “tempo perdido”, do passado perfeito e da destruição da cultura atual pelo “excesso de direitos”.

Minha adolescência foi maravilhosa, e não há porque negar isso, mas exatamente porque eu era branco, heterossexual e de classe média. Seria absurdo – ou má fé – julgar a sociedade onde eu vivia apenas pela minha estreita perspectiva. Não é justo avaliar nenhuma cultura pelos relatos dos cronistas sociais que observam o mundo ao seu redor dentro de sua bolha de privilégios.

Sim, era permitido chamar de “viado” e de “negão”, e talvez seja verdade que muitos negros e homossexuais sequer se sentissem ofendidos. É possível que muitas meninas não se importassem em ser tratadas e consideradas apenas pela sua aparência. Todavia, é impossível saber quantos realmente levavam as brincadeiras com humor e quais eram os que apenas engoliam a humilhação para não serem excluídos do grupo. Escutar hoje como eles se sentiam naquela época talvez possa nos surpreender.

Minha geração era muito cruel com os diferentes, e não há nada a lamentar que esse tempo tenha passado. Também nossos hábitos eram terríveis, no aspecto da saúde. Sim, sobrevivemos ao “Fleet”, à bala Soft, carros sem cinto de segurança e às tintas com chumbo mas muitos dos amigos que hoje morrem de câncer começaram sua contaminação cumulativa naqueles tempos. Muitos dos que morreram cedo pelos acidentes de trânsito também não estão aqui para deixar seu depoimento. Não há o que celebrar.

Abandonar paulatinamente o machismo, a violência contra a mulher, o racismo estrutural, os agrotóxicos, a educação pela violência e a segregação racial é algo a ser comemorado, mesmo que seja necessário reconhecer que muito ainda precisamos trilhar. Acreditar que o seu tempo era “o melhor” apenas denuncia falta de perspectiva e incapacidade de se adaptar ao mundo de transformações.

Acredite… o mundo hoje é melhor do que já foi, apesar dos nossos erros

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Modas

ISSO SIM QUE ERAM MULHERES DE VERDADE

Basta aparecer uma mulher – ou um homem – vestido com as roupas dos anos 50 ou 60 para a gente dizer que no tempo atual perdemos nosso senso estético. “Naquele tempo as mulheres eram muito mais femininas”, é uma frase bem cliché para estes momentos.

Cada época tem sua beleza, e não há beleza superior pois que estas são construções sociais. Via de regra achamos mais bonitos os homens e as mulheres da nossa época, de quando descobrimos nossa sexualidade, ou até antes. Fixar-se na beleza e seus significados de uma época passada é natural, mas é apenas uma percepção subjetiva. Afirmar “no meu tempo é que…” só revela nossa dificuldade de adaptação a novas estéticas e novos valores, e não uma real qualidade das coisas do passado.

A moda, a música, os valores morais, são construções sociais, mutantes, dinâmicas e que refletem os valores sobre os quais nos assentamos. Não faria sentido que as mudanças sociais e tecnológicas não viessem a imprimir transformações na estética e nos comportamentos, mas isso não significa que as coisas de hoje são “melhores” ou “piores” do que as do passado, apenas que se adaptam às transformações e os entornos sociais.

A sociedade – o outro – dita as regras através dos costumes. Somos prisioneiros disso em certo nível. Por isso mesmo existem as “modas”, as “tendências”, no vestir, no falar, no pensar, na ciência, no próprio enxergar. Imaginar a absoluta independência do sujeito ao olhar da sociedade seria absurdo e irreal.

Em verdade é até possível arriscar um enfrentamento em alguns assuntos mais superficiais, como o tamanho do biquíni, a sunga de crochê ou o ritmo do momento, mas os valores mais profundos ligados ao patriarcado e ao capitalismo – vigas mestras da sociedade – são guardados de forma muito cuidadosa, pois que asseguram a estrutura da sociedade como a conhecemos.

Em tese um homem ou uma mulher se veste “como quiser”. Na prática são tantos os condicionamentos e barreiras que acabamos vestindo e usando os padrões ditados pela cultura.

As mulheres do meu tempo eram charmosas, elegantes e tinham sua sensualidade, mas é tolice dizer que hoje as meninas e meninos, envoltos em outros valores e contextos, também não a tenham. O melhor é aceitar que esta perspectiva é apenas minha forma particular de ver o mundo, e não “o padrão”, que lamentavelmente se perdeu no tempo.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos