Cultura de Paz

Essa frase acima nos lembra que em situação de conflito os homens são conclamados a atuar em defesa da sociedade e do grupo sob ameaça. Não é a toa que no meu estado dizer-se “da fronteira” significa reafirmar sua masculinidade. E por quê? Ora, por que os limites nacionais são sempre zonas de conflitos e lutas onde a masculinidade é chamada para proteger os mais frágeis e o país. Produz-se assim uma cultura guerreira e – inevitavelmente – machista.

Reparem como os ícones dos filmes americanos são sempre esses brutamontes musculosos é estúpidos. Stallone, Schwarznegger, Jason Statham, Dwayne Johnson (The Rock) são cópias do mesmo mito, o macho poderoso que salva-nos a todos. Eles florescem em culturas guerreiras que exaltam a guerra e a dominação como modelo social. Isso também ajuda a explicar porque uma cultura guerreira, como os mujahedims e talibãs, acaba se tornando violentamente machista.

Portanto, não haverá tão facilmente uma sociedade de exaltação – ou pelo menos de respeito – ao feminino sem abandonarmos nossa índole guerreira. O caminho para a equidade dos sexos transita obrigatoriamente pelo abandono da guerra como forma de relação entre os povos. Para que uma sociedade respeitosa com as mulheres possa florescer no Afeganistão é importante a partir de agora implantar nesta sociedade uma cultura de paz.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s