Arquivo da tag: Simone Beauvoir

Cultura de Paz

Essa frase acima nos lembra que em situação de conflito os homens são conclamados a atuar em defesa da sociedade e do grupo sob ameaça. Não é a toa que no meu estado dizer-se “da fronteira” significa reafirmar sua masculinidade. E por quê? Ora, por que os limites nacionais são sempre zonas de conflitos e lutas onde a masculinidade é chamada para proteger os mais frágeis e o país. Produz-se assim uma cultura guerreira e – inevitavelmente – machista.

Reparem como os ícones dos filmes americanos são sempre esses brutamontes musculosos é estúpidos. Stallone, Schwarznegger, Jason Statham, Dwayne Johnson (The Rock) são cópias do mesmo mito, o macho poderoso que salva-nos a todos. Eles florescem em culturas guerreiras que exaltam a guerra e a dominação como modelo social. Isso também ajuda a explicar porque uma cultura guerreira, como os mujahedims e talibãs, acaba se tornando violentamente machista.

Portanto, não haverá tão facilmente uma sociedade de exaltação – ou pelo menos de respeito – ao feminino sem abandonarmos nossa índole guerreira. O caminho para a equidade dos sexos transita obrigatoriamente pelo abandono da guerra como forma de relação entre os povos. Para que uma sociedade respeitosa com as mulheres possa florescer no Afeganistão é importante a partir de agora implantar nesta sociedade uma cultura de paz.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Racismo invisível

O sucesso do negro no Brasil é crime hediondo, insuportável. Digo também que o sucesso do nordestino pobre com dedo faltando também machuca aqueles que não aceitam a ascensão das camadas mais baixas da sociedade. Por isso Lula é atacado e Fernando Henrique, o “príncipe”, poupado. Por isso Pelé foi duramente ofendido (chamado de “ser humano desprezível”) no seu aniversário por seus problemas familiares (o reconhecimento de uma filha fora de seus casamentos), mas Simone, socióloga francesa, chique e branca, jamais foi atacada por sua defesa da pedofilia. Ou quando citam Marie Curie e não falam do abandono de seus filhos. Não, elas eram brancas demais para merecer o mesmo tipo de ataque destrutivo que o Rei do Futebol recebe há tantos anos. Afinal, para elas vale a regra: “os gênios são esquisitos mesmo”.

Não esqueçam que, antes do caso da filha que faleceu de câncer, Pelé era acusado de não ter ajudado Garrincha diante de suas mazelas com o alcoolismo e a falta de dinheiro – como se Pelé tivesse obrigações com o craque das pernas tortas. Isto é: Pelé jamais teria perdão, e o crime poderia ser escolhido dependendo do gosto do acusador.

Sim, diante da chuva de ataques ao Pelé por suas fragilidades e seus pecados, e diante da constatação de que isso nunca foi feito com os defeitos de Ayrton Senna (entre outros ídolos esportivos) fica inegável para mim que há também – mesmo que de forma inconsciente – um ataque a um “negro metido a besta”, que nunca aceitou seu lugar.

O racismo se assemelha à violência obstétrica nesse ponto: tanto mais forte quanto mais inconsciente e mais disseminado silenciosamente pelos “costumes”. E veja: pode-se ser racista travestido das melhores intenções, assim como as piores violências de gênero contra as gestantes podem ser cometidas ilustradas com a famosa frase “aceite, é o melhor para você”.

Para ver a fala de Emicida sobre o tema no “Papo de Segunda” do GNT, clique aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos