Desculpas

Há alguns dias o jornalista Juca Kfouri fez um comentário que soou desrespeitoso ao Santos FC. Ao criticar o futebol apresentado pelo clube praieiro no jogo contra o Fluminense o jornalista se referiu ao ataque santista como “Ninguém FC”, o que deixou os torcedores e dirigentes furiosos. Juca, como se sabe, é um renomado cronista de futebol e um torcedor confesso do Corinthians.

O que me chama a atenção nesse episódio é que, passada a réplica de dirigentes e torcedores indignados, esperava-se que o jornalista viesse ao microfone – ou publicasse em sua coluna – trazendo palavras como “Peço desculpas à nação santista pelas minhas palavras que soaram ofensivas. Deixo claro meu respeito e blá, blá, blá…”. É isso que todo mundo faz; é assim que se exige de pessoas públicas, que façam uma mea-culpa pública pela interpretação negativa que fizeram de suas palavras.

Pois Juca, passados alguns dias, escreveu a resposta que se segue, editada para conter apenas o essencial.

“Estamos com uma audiência extraordinária à espera de um pedido de desculpas que não virá porque eu são sou imbecil a ponto de desfazer da história do Santos, (….), jogou como “ninguém”. Como “ninguém”, foi exatamente isso que eu disse. Quem não entendeu, não quer entender, leva ao pé da letra, vá para a escola, estude e entenda o que é uma ironia. E não espere que eu peça desculpas pelo que eu, rigorosamente, não fiz.”

Em outras palavras: ele se negou a pedir desculpas para pessoas que quiseram interpretar suas palavras de forma viciosa. Ele não se achou no dever de pedir perdão pelo uso que os outros fizeram de uma figura de linguagem usada em uma partida de futebol. “Quem não entendeu, não QUER entender”, disse ele (grifo meu). Essa negativa em entender o que o outro quis dizer é a chave da questão, e por isso mesmo as desculpas não fazem sentido.

Essa situação envolvendo Juca Kfouri acontece todos os dias nas redes sociais ao colocarmos pessoas contra a parede exigindo que se desculpem por suas manifestações, tendo como régua as interpretações que outros fizeram de suas palavras. Por isso vejo a resposta correta e digna do Juca como um sinalizador: chega da opressão da geração “woke”. Chega de pedir desculpas para quem se sentiu ofendido – porque assim o desejou. Chega de pedir desculpas por expressões corriqueiras que são desvirtuadas em sua origem, na sua história e na sua intenção apenas para fomentar vitimismo. Chega de ter medo de falar o que se pensa com medo das patrulhas.

Os debates contemporâneos foram nivelados para o nível mais infantil da história. Tratamos uns aos outros como crianças da pré-escola, onde todos se ofendem, tudo machuca sentimentos e as palavras ferem de acordo como as ouvimos – e não pela intenção de quem as proferiu. Chega de pedir perdão de forma humilhante pela opinião e pelas expressões usadas, como se pudesse haver progresso humano sem atritos e palavras fortes de crítica.

Parabéns ao Juca – um dos poucos jornalistas que vi denunciando a promiscuidade obscena entre jornalismo e publicidade – pela coragem de não voltar atrás em suas palavras e por não tratar seu leitores e ouvintes como crianças frágeis, facilmente ofendidas e mimadas. Sua atitude, ao se negar a pedir desculpas pelo que não fez, é sinal de liberdade e autonomia jornalística.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s