Crimes cibernéticos

Navegando pela internet, mais especificamente pelo Facebook, encontrei o anúncio de uma mala de viagens que imediatamente me chamou a atenção. Sempre me interessei por malas porque durante a minha vida adulta passei anos a fio viajando para apresentar meu trabalho em lugares muito distantes no mapa. Muitas vezes imaginei como seria uma mala “perfeita” para o tipo de viagem que eu fazia: um fim de semana para viajar na sexta, dar aulas no sábado e domingo, e estar de volta na segunda feira pela manhã. Esta que vi me chamou a atenção (vide abaixo). Era pequena o suficiente para ser levada para a cabine, forte, multifuncional, bela, prática, resistente e totalmente adaptada às necessidades modernas, como espaço para celular, gaveta para notebook, bateria recarregável embutida, etc. Um show de produto, mas por certo que deveria sair muito cara.

Fui olhar o preço: 12 prestações de R$ 24,35, no total um pouco mais 280 reais. Pior ainda: este era o preço de duas malas, duas pelo preço de uma!! Claro, um preço absurdo e irreal, o que apenas me fez sorrir por imediatamente reconhecer um truque conhecido do Facebook. Um “bait“, uma isca para quem se acha muito esperto e quer comprar algo barato demais para ser verdade. Uma mala como aquela custaria bem mais de 300 dólares. Mais um produto com o rótulo “O golpe está aí, cai quem quer”.

De qualquer forma continuei na página de vendas para analisar melhor a qualidade do produto. Por certo que o anúncio era falso e fantasioso, mas o produto realmente existe. Quando procuramos em sites de venda sérios encontramos o valor real que ele custa. Entrei no site de vendas falso e fiquei olhando os detalhes da mala até que encontrei um lugar onde se lia: “quem usou aprovou”. Ali encontrei o depoimento curto de alguns consumidores do produto. O primeiro era um jovem bonito de 20 e poucos anos chamado André Luiz. Seu comentário simples dizia “Excelente material, uma das melhores que já tive”, nada inusitado para uma publicação de pós venda como se faz no Mercado Livre ou Ali Express. Como eu já sabia que se tratava do comércio falso e criminoso daquele produto usando uma “isca” (um preço irreal), e movido por meu indefectível espírito curioso, resolvi fazer uma busca reversa com a foto do rapaz na Internet, apenas para saber se este era seu verdadeiro nome.

Para minha surpresa (nem tanto) ele não se chama André e sim Vinícius Augusto de Souza, um engenheiro agrônomo que foi assassinado por uma dupla de criminosos há alguns anos (em 2019) numa cidade do interior do Mato Grosso. Aparentemente se tratou de uma execução, pois os dois criminosos encontraram o rapaz na lanchonete e imediatamente saíram atirando.

Na mesma página de comentários aparece outro jovem dando um belo depoimento. Diz ele: “Material top, custo benefício maravilhoso, só agradecer!!”. No site ele se chama Gabriel Barbosa. Realizei em sua fotografia a mesma pesquisa reversa de imagem e novamente encontrei um detalhe macabro. Em verdade ele se chamava Murilo Henrique dos Santos, tinha 25 anos, morava em Jaú e morreu em 2020 ao cair de uma cachoeira e bater a cabeça contra uma pedra, tendo sido retirado sem vida do local pelo corpo de bombeiros da cidade.

A terceira pessoa a dar depoimentos usa óculos escuros, um boné com uma estrela vermelha e recebeu o nome de Andressa Martins, mas não foi possível encontrar sua imagem na internet, por isso não descobri seu verdadeiro nome. Ou seja, não contentes em roubar pela internet, fraudar consumidores, realizar crime cibernético ludibriando a boa fé das pessoas – que desejam comprar um produto verdadeiro e existente – eles colocam imagens de pessoas mortas como testemunho da qualidade dos produtos à venda.

Não é apenas uma desonestidade; além de ser crime é um brutal desrespeito com a família dessas pessoas, que podem encontrar o rosto de seus entes queridos participando de golpes pela internet. Desta forma, comprar um produto anunciado pelo Facebook se torna uma profunda estupidez, mas também nos faz desacreditar um pouco mais no gênero humano.

Veja abaixo o endereço criminoso:

https://fb.watch/fqsUTn2LV5/

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s