Avatares

Na imagem, Sophia Loren e Jayne Mansfield em um evento da Paramount em 1955

Acho interessante que essa moda de fazer “avatares” de si mesmo, como imagens idealizadas, defeitos suprimidos, exaltação de qualidades, sorrisos enigmáticos e poses fatais, se adapta bem ao tipo de mundo em que se vive – onde a ficção de si mesmo é apresentada como folhetim diário nas postagens do Instagram. E vejam, não há crítica moral alguma a essa tendência, até porque ela seria totalmente hipócrita, basta dizer que qualquer um se deixa seduzir por uma imagem melhorada. Por mais falsa que possa ser, é apenas mais uma capa de imagens irreais que colocamos sobre nós mesmos.

Entretanto, o que eu só percebi agora é que esta empresa coloca todas as mulheres com dois números de sutiã a mais. Sem exceção, elas ficam voluptuosamente adornadas pelos mais maravilhosos amortecedores que a natureza jamais criou. Ou seja: o capitalismo sabe que, por mais que o mundo siga em sua trajetória no rumo das estrelas, e por mais que tentemos fugir do essencialismo dos gêneros, a gente continua querendo uma chance melhor – mesmo que ilusória – de captar o olhar alheio para os nossos atributos sexuais.

Jamais deixamos de ser símios sem pelos…

Publicidade

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s