Trotes

Trote Universitario

Pode ser que eu esteja ficando mesmo muito velho, eis uma hipótese a se considerar. Entretanto, eu tenho uma opinião a respeito de trote universitário. Eu acho muito chato. Chato mesmo, irritante e me incomoda ver a maneira como continua sendo conduzido. Aqui em Porto Alegre eles iniciaram de novo, no centro da cidade, o trote com tinta, farrapos, roupas ridículas e pedidos de “esmola”. Todos sabemos que a “esmola” irá para a cerveja dos veteranos, que vão se divertir alcoolicamente com a humilhação dos calouros (e a colaboração dos incautos).

Sim, eu também sei que os calouros não se importam, e isso faz parte do exibicionismo dos “geniais” alunos que passaram na universidade federal.
Mas eu pergunto: “E o que eu tenho a ver com isso?” Terei eu que patrocinar a cerveja de marmanjos, filhos de papai, classe média alienada, que fazem esse tipo de trote chato, cafona, exibicionista, brega e desagradável? Quando os universitários se aproximam eu respondo com um sorriso e um abano, mas fico pensando que ainda prefiro dar as moedas para um sem teto do que financiar a beberagem de universitários ricos. E isso sem falar das tragédias que, vez por outra, acontecem. Lembram do rapaz japonês em São Paulo, na piscina? Uma tragédia, que foi fruto deste tipo de abuso. Eu acho que este tipo de “rito de passagem” poderia terminar, pelo menos neste formato.

O triste é ver a perpetuação do modelo. Os próprios “bixos”, depois de passado o trote, já ficam imaginando a “vingança” com os calouros do próximo ano, num circulo vicioso sado-masoquista que só pode terminar quando alguém tiver a coragem de se levantar e dizer: “Gente, isto aqui é um modelo brega e sem graça. Está na hora de amadurecer esse processo. Vamos fazer uma coisa mais produtiva. Quem sabe agradecer o fato de estarmos numa universidade pública, financiados pelo povo, que paga a nossa entrada aqui. Não haverá uma forma mais politicamente madura de passar por esse rito?”

O trote PÚBLICO é o que me irrita… cortaram o meu cabelo em casa quando eu passei. Sei que isso era também um tipo de exibicionismo da minha parte, mas não me importei porque não foi forçado e nem agressivo. Fazia parte da brincadeira da família e dos amigos. Mas expor publicamente os alunos me parece grosseiro e desnecessário. Mostra apenas uma face sádica daqueles que estão na universidade.

Cena presenciada pelo meu sobrinho na esquina da Av. Ipiranga com a Ramiro Barcelos. Os “bixos” pedindo esmola para os carros que paravam no semáforo e sendo expulsos pelos pedintes “donos do ponto”, pois os calouros estavam afastando os seus “fregueses”. É ridículo ver meninas de classe média aos berros com os mendigos, pelo acesso aos carros. É muito tolo isso, e mostra a profunda alienação dos estudantes com o significado de entrar em uma universidade. Existe um afastamento completo da noção de responsabilidade social que carrega um estudante que chega ao ensino superior. E isso se expressa desde cedo, na própria entrada na Universidade, com o tipo de ritual que se impõe. Como diria a professora Robbie Davis-Floyd, um ritual se compõe de 3 elementos básicos: repetição, padronização e simbolismo, todos eles presentes no trote. Mas o simbolismo de um ritual nos leva ao âmago dos valores propostos por uma sociedade, e o simbolismo do trote, com sua necessária humilhação e degradação, nos mostra que os valores dessa sociedade são individualistas e egocêntricos, e não valorizam a participação dos “escolhidos” na melhoria das condições de vida da população que os sustenta na universidade.

Eu gostaria de saber quantos alunos efetivamente curtiram ser pintados e quantos foram constrangidos, e só permitiram o trote para poderem ser aceitos por seus pares. E o pior para mim não é o trote, mas a humilhação e a desconexão com com a sociedade ao redor. As vezes eu encaro os trotes da mesma forma que vejo os casos de assédios; quem vê de fora parece consentido, mas no fundo existe uma pressão para que a pessoa se comporte de uma determinada forma. Sei que posso estar exagerando, mas já vi pessoas me descrevendo trotes exatamente assim. Um constrangimento para se comportar como um palhaço, caso contrário os veteranos não terão um bom conceito de você.

Ok, ritualizemos as conquistas e as passagens, mas de uma forma mais civilizada, nobre e inteligente. Por isso eu admiro o “trote solidário” que meu filho está promovendo na sua faculdade, a Ciência da Computação: doação de sangue. Este é um exemplo entre tantos outros do que se pode fazer de positivo para integrar alunos em sua “nova casa”, a universidade. Sem humilhações, sem degradação e sem exibicionismo do tipo “passei na faculdade, olhe para mim como sou maravilhosa(o)“.

Apenas participação na sociedade, fraternidade e solidariedade.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Os comentários estão desativados.