Novo Amor

 

1434811242434

Esta semana uma paciente veio me contar de um novo amor.

Novo, recém parido. A descrição que ela me fez da novidade foi muito interessante, instigante e curiosa. Por instantes pude reviver as sensações inebriantes de sentir-se vivamente apaixonado. A perda no espaço e no tempo, a angústia, a saudade, o medo, a cegueira, a surdez, a impulsividade e a deliciosa sensação de estar se incinerando nas chamas da paixão. Se algo existe que pode nos tirar do prumo, esta é a sensação de estar sendo consumido pelo desejo.

É algo que “dá dentro da gente e que não devia, que desacata a gente, que é revelia, que é feito uma aguardente que não sacia, que é feito estar doente de uma folia, que nem dez mandamentos vão conciliar, nem todos os unguentos vão aliviar e nem todos os quebrantos, toda alquimia”.

Feliz daquele que se permite desmanchar nestas chamas, queimar nestas labaredas, sentir na pele o sopro gélido de um olhar fugidio e banhar-se na lava incandescente de um beijo.

Quem dera a vida, por curta que fosse, pudesse oferecer àqueles que por ela passaram, um pedaço desse paraíso, uma fatia desse calabouço e uma dose dessa aguardente.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s