Pai, sempre

“Pai é pai;
mãe é mãe.
Pai não é amigo.
Amigo se briga e até podemos esquecer; pai, entretanto, é pra sempre, até depois que morre.
(…) não esquecendo a vital importância do pai, esse novo integrante da família, que chegou para tornar mais doce e terna a função difícil e complexa de mostrar aos pequenos os limites do mundo.” (Ziegfried Blatt, “Liczne funkcje rodzicielstwa” (As inúmeras funções da paternidade). Ed Jutrzenka, pag 135)

 

“Não me cabe conceber nenhuma necessidade tão importante durante a infância de uma pessoa que a necessidade de sentir-se protegido por um pai”. (Sigmund Freud)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s