Arquivo da tag: paternidade

Pedagogias

  • Ele chega cabisbaixo, choramingando e visivelmente irritado.
  • O Pedro está me chamando de burro!!
  • Saia de perto do seu irmão, António.
  • Mas ele me chamou de burro e feio…
  • Você não deve brincar com ele agora. Qual sua dúvida?
  • Mas eu não quero que ele me chame assim!!!

Nesta cena banal e corriqueira se encerra uma escolha essencial entre duas abordagens pedagógicas, e quem já teve filhos pequenos poderá entender bem qual é. Pedro, nessa história é o protagonista, mesmo fora da cena. Ele inseriu o fato novo, a acusação, a provocação. Antonio reage e se coloca na defensiva. Procura um juiz para interceder. Existem duas possibilidades. Uma exógena e outra endógena.

A opção “exógena” faz você sair do que está fazendo e tratar a acusação em si. Chama Pedro, lhe dá um “pito”, diz para não chamar seu irmão assim, coloca-o de castigo. Todavia, esta estratégia exalta o fato, valoriza-o, empodera a acusação e aceita o protagonismo de Pedro. A tentação de “inticar” com o irmão, fazer tudo de novo e voltar a ser o centro das atenções é, via de regra, irresistível. Pedro, depois de tanta exaltação, voltará a ser protagonista

A opção “endógena” é muito mais difícil, complexa e custosa, e só pode ser feita quando as crianças já têm algum tipo de maturidade. Ela se baseia em refutar a acusação, desmerecer a ofensa e retirar Pedro de sua posição de protagonismo. Ao invés de uma atitude protetiva para António – que o coloca na confortável posição de vítima – a abordagem será desmerecer as acusações, tratando-as como sendo carentes de sentido. Com isso, Pedro deixa de ser o centro das atenções, sua fala perde valor e sentido e o processo de resolução vai ocorrer endogenamente, no reforço da auto estima de António.

  • O Pedro está me chamando de burro
  • Você não é burro, António.
  • Mas ele me chamou de burro e feio.
  • Você não é nenhum dos dois. É lindo e esperto. Qual sua dúvida sobre isso?
  • Mas eu não quero que ele me chame assim!!
  • E você vai dar atenção ao que os outros dizem ou vai acreditar no que você mesmo sabe?

A questão é que esta matriz de reação se mantém durante toda a vida, em especial durante a vida adulta, quando continuamos nos posicionando diante dessas escolhas. Por certo que o modelo exógeno é o único que temos quando somos muito pequenos e precisamos da proteção alheia. Já o modelo endógeno se inicia quando somos capazes de reforçar nossas próprias capacidades ao invés de depender do suporte dos outros.

Quando vejo reações defensivas aos ataques do “outro lado”, seja ele qual for, meu primeiro pensamento é “humm, sentiu o golpe“. A defesa de si mesmo, ou de suas ideias, diante de qualquer ataque demonstra essencialmente fragilidade e falta de confiança. É o menino que corre para a mãe ou o pai quando chamado de “feio”. O que ele pede é um abraço e alguém que lhe afirme suas qualidades, quando ele mesmo se sente impotente para isso isso.

Assim, o modelo “exógeno” funcionará em curto prazo e para quem está – ou é – muito frágil, mas o modelo “endógeno” será sempre mais efetivo para estabelecer o crescimento e a autoestima, seja de sujeitos, ideias, projetos ou revoluções.

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Diploma

“Se fosse necessário curso ou aprendizado especial para o exercício da paternidade e da maternidade ainda seríamos um aglomerado de bosquímanos humanoides vagando pela savana africana. Não se constrói a parentalidade por processos cognitivos – mesmo que eles sejam sempre bem vindos – mas por elementos muito mais primitivos e arcaicos como a pulsionalidade afetiva que nos liga à reprodução e à maternagem.

Exigir cursos ou diplomas como condição para tornar-se pai ou mãe é acreditar que o amor pelos filhos pode ser aprendido com a leitura de livros e apostilas e – pior ainda – que para ser um bom pai ou mãe é necessário um certificado na parede”.

Amália Sturnberg, “Echoes of Hallibur”, ed. Parnasus, pag. 135

Deixe um comentário

Arquivado em Citações

Dia dos Pais

Desde muito cedo, a criança é um depósito de desejos parentais. Em verdade, bastam poucos segundos para que a alma da criança, tal qual uma massinha colorida de modelar, seja manipulada, manuseada e constituída pela voz e o olhar de sua mãe. Desses sussurros, palavras e frases cortadas a criança é jogada dentro da linguagem e ali ficará enclausurada, condenada a um mundo de símbolos e significados. Também esse encontro a tornará prisioneira de um amor que, tanto é essencial para a vida quanto é sufocante e limitante.

Para estas, que sobreviveram pela dádiva do amor a elas dispensado por este ser mitológico que é a mãe, a melhor forma de sobreviver à primeira infância é ter em seu caminho uma pedra. Uma gigantesca rocha a obstaculizar seu caminho. Pétrea, dura, forte e ígnea, capaz de interromper esse amor, impedindo a continuidade de uma relação perfeita, para que essa criança possa encontrar – por si mesma – o caminho do amor maduro.

O nome dessa pedra é pai. “Pai, tu és pedra, tu és rocha, e sobre teus ombros construirei minha vida. Tu serás o grande exemplo para nortear meu caminho. O maior aprendizado que levarei de ti é que essa função será uma construção eterna, uma tarefa infinda, um trabalho imperfeito e sem fim.”

Grato por existir.

(Na foto, meu pai Maurice, meu avô Samuel, meu filho Lucas, e eu. Todos pais, cheios de erros e imperfeições, repletos de equívocos e falhas, mas que ainda assim merecem que seu trabalho na seara da paternidade seja – por um dia apenas – reconhecido.)

Deixe um comentário

Arquivado em Histórias Pessoais, Pensamentos

Dia dos Pais

Sim, acho muito errado usar esse dia para esses ataques aos homens e aos pais, mas parece que as mídias sociais ficam recheadas de mensagens negativas sobre eles. Apenas peço que usem os outros dias para isso. Nunca vi alguém publicar algo destrutivo, ressentido e agressivo contra mães e mulheres no dia das mães. “Ah, mas não existe mãe ruim”.

Existe sim. Muitas. Milhares, milhões. Mães que abandonam, que maltratam e que espancam. Mães que até matam. Mas elas são a ÍNFIMA MINORIA das mães. A IMENSA MAIORIA das mães é feita de mulheres devotadas e amorosas com seus filhos e sua família, e no dia dedicado a elas não seria justo tratar o todo por uma parte tão insignificante.

Pois a maioria dos pais ao meu redor se preocupa com seus filhos, com as suas crianças e se dedica a elas. A maioria diria com toda a força dos pulmões “mulheres e crianças primeiro!!” diante de uma tragédia. Não pensaria meio segundo em arriscar a vida em nome dos filhos.

Entretanto, muitas mulheres aproveitam esse dia para atacar o masculino e a paternidade e o usam para despejar seu ressentimento contra todos os pais. Não poderei jamais ver isso com bons olhos. Façam isso nos outros dias. Aproveitem o dia dos pais para elogiar os bons pais que existem. Aproveitem para reconhecer NESSE ÚNICO DIA, as qualidades da paternidade. Quem não tem bons exemplos no seu pai ou seu marido fale genericamente, dos outros pais, do genro, do sogro, de quem quiser. Respeitem um dia entre 365 de um ano.

Esperem SÓ ATÉ AMANHÃ para odiar de novo com todas as forças esses “miseráveis” que andam por aí, “inúteis depósitos de testosterona”.

Só hoje, por favor….

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Emoções Compartilhadas

Amamentação e Cama Compartilhada

Todos haverão de concordar que um tempo de cama compartilhada auxilia tanto a mãe na tarefa de amamentar quanto tranquiliza o bebê – para quem sua mãe e “o mundo” são a mesma coisa. Concordamos também que, em nome da autonomia da criança, esta proximidade de corpos deve ser abandonada em algum ponto da infância. O problema é estabelecer este ponto de corte, esta castração simbólica do poder da criança sobre o corpo da mãe, pois que a nossa própria maturação enquanto sujeitos dependerá desse afastamento.

Eu já fui bem radical sobre esse tema logo após me graduar. Achava justo que esse corte fosse o mais precoce para auxiliar na autonomia e independência das crianças. Também acreditava que a amamentação devia ser interrompida num ponto determinado, por volta dos dois anos, pelas mesmas razões. Pensava, com honestidade, que era função social do médico educar as mulheres a fazer esta separação da forma mais rápida, olhando para o desmame e a colocação no berço como a retirada de um band-aid emocional, uma muleta que devia ser abandonada.

O tempo foi me deixando mais maleável, sem dúvida. Hoje prefiro acreditar que, com raríssimas exceções, mães e bebê acabam encontrando um consenso sobre amamentação e cama compartilhada. Chega um determinado momento em que os dois se “olham estranho”, lançam um sorriso que preenche o espaço entre ambos e percebem que aquela relação, com tamanha proximidade, não cabe mais para eles. Assim se dá um desenlace amigável e ambos passam para uma nova fase da sua relação.

Percebi também que muito do que eu dizia sobre o tema era uma composição complexa entre racionalizações e conteúdos psíquicos inconfessos e inconscientes. Para mim é inegável que a cama compartilhada e a amamentação são movimentos eróticos entre os personagens da “cena primária”, nos quais os homens são fatalmente excluídos. Muito das teorias sobre o tema são produzidas sob essa pressão patriarcal. Para os homens, as emoções ativadas diante dessa cena são angustiantes e conflituosas, mesmo quando existe a alegria esfuziante e genuíno afeto envolvido nesse encontro. No meu caso, era óbvio o quanto a manutenção dessa ligação parecia embaraçosa, mas levou muito tempo para perceber o quanto havia de preconceito e bloqueios pessoais envolvidos.

A medicina, como representante e mantenedora dos valores patriarcais, sempre terá uma postura conservadora, tanto na expropriação do parto – desde sua entrada na atenção – quanto no afastamento das mães de suas crias, exatamente porque este afeto denuncia e desafia os poderes patriarcais estabelecidos.

Manter essa união “mãebebê” sob máxima proteção e cuidado deveria ser a tarefa mais sagrada de todos os cuidadores, pois que os efeitos desse contato harmonioso perduram por toda a existência, fortalecendo a saúde física e mental dos sujeitos. Infelizmente, nossos próprios medos e fragilidades impedem que este encontro seja o mais suave e tranquilo possível.

Nossa missão enquanto profissionais do parto e da puericultura deve ser a proteção da fisiologia e do contato, fugindo sempre que possível da artificialidade e do afastamento. Para isso é preciso que cada cuidador se permita encantar com a magia de uma mãe amamentando seu filho e repousando ao seu lado com total segurança e liberdade.

Deixe um comentário

Arquivado em Parto