Bullying

A ênfase dos massacres de crianças em escola, realizadas por um aluno que chega lá armado, está sendo colocada no bullying, quando deveria ser colocada na banalidade do acesso à uma arma. Já imagina se todo mundo que sofreu algum tipo de bullying na escola pega em armas e sai matando? Aliás… que NÃO sofreu isso na escola é porque estava FAZENDO isso. A escola é – e sempre será – um local de profunda selvageria. Não se trata da falha em controlar a brutalidade das crianças, pois que elas são naturalmente cruéis. A diferença é que, nesse caso, um dos milhões de adolescente que sofre com as gozações do colegas todos os dias teve acesso à arma do pai e matou seus desafetos. Dizer que o bullying é o responsável pela tragédia é fugir do fato que algo que poderia ser resolvido com “te pego na saída” e um nariz sangrando será uma dor que marcará para sempre a vida de todos.  Só não acontecem mais casos porque crianças não tem acesso a armas. Só por isso. E quanto ao bullying ele é NATURAL no ser humano. A crueldade das crianças é um fato. Podemos coibir violência física, agressões explícitas, deboches contumazes e agressões grupais, mas a criança precisa aprender a se proteger por si mesma, com as armas que dispuser. Faz parte do aprendizado para a vida. Façam o que eu fiz há alguns meses em Porto Alegre: fiquem parados por volta do meio dia numa saída de uma escola pública para verem CENTENAS de casos de “bullying” que acontecem entre meninos e meninas, apenas porque esse contato e essa violência são naturais nas crianças.

Imaginar uma escola sem bullying é uma ilusão, mas não pela incompetência dos pais (ou da escola), mas pela própria estrutura do espírito humano. No meu tempo de escola fui vítima e agressor, mas entendo esses fatos como adaptações naturais da alma que nasce ao mundo que nos rodeia. O filme “Moonlight” é um exemplo de como um menino conseguiu sobreviver a um mundo angustiante e constritivo.

Eu entendo nossa fantasia de apaziguamento. Nos dói ver crianças brigando, oprimindo ou sofrendo agressões e humilhações. Entretanto, imaginar que as crianças não sejam violentas e cruéis é como olhar para dois carneiros da montanha na época do acasalamento e pensar: “Puxa, por que ficam batendo cabeça assim? Tem fêmea pra todos, ora. Não podiam simplesmente conversar e dividir entre eles? Pra que essa violência toda?

É claro que uma escola não pode ESTIMULAR ou ser CONIVENTE com o bullying. Ele precisa inclusive ser punido. Todavia, imaginar que com isso o exterminamos é ingenuidade. Mesmo com crianças vigiadas por um panopticom – ou amarradas – o bullying vai se expressar pela fofoca, a depreciação, os apelidos humilhantes e toda forma de violência moral. Os professores mais espertos e vividos sacam isso e sabem quando vai rolar uma briga. Qual a estratégia? Deixam brigar um pouco para arrefecer o surto de testosterona. Vigiam de longe e não permitem que se machuquem. Coíbem exageros. O erro é imaginar que seja possível domar a alma humana.Os problemas na escola sempre foram resolvidos assim. Não há como passar por essa selva sem sair de lá todo machucado, como todos nós.

Evidente que é função do professor impor limites aos alunos e coibir os abusos mas isso não pode nos levar a uma ilusão pedagógica totalitária!!! “Na nossa escola as crianças nunca brigam“…. eu teria muito medo disso!!! Mas, vamos combinar que o bullying feminino nas escolas é MUITO pior. Imensamente mais violento. Eu tive menino e menina na escola. As disputas de poder (e o bullying é apenas isso) são simplificadas nos homens. Três ou quatro sopapos e os meninos são amigos para sempre e se tornam grandes amigos. Isso se torna motivo de risadas para sempre em algumas situações. Com as meninas, pela falta do componente corporal exonerativo, a violência é quase totalmente moral. E as meninas pegam MUITO pesado. As discriminações, as fofocas, as exclusões dos círculos, as humilhações são muito comuns. Mas, faz parte do desenvolvimento sobreviver a essa selva. Antes de existir a escola os embates eram na comunidade, nas aldeias e nos grupos; a escola apenas organiza o ringue.

Não acho sofisticação alguma que a violência entre as meninas não seja corporal, acho muito mais cruel. Os homens nessa cultura tem uma possibilidade que é – via de regra – sonegada às mulheres. Com isso a violência é muito mais profunda e muito mais dolorida. Prefiro mil vezes um nariz sangrando de que ser humilhada diante das amigas.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos, Violência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s