Zebras

 

Uma idéia que escutei do professor Peterson da Universidade de Toronto a respeito das zebras pode explicar o funcionamento de muitos dos grupos que participamos. As zebras tem listras que poderiam ser entendidas como “camuflagem”, produzidas pelo processo evolutivo para se esconderem dos predadores. Entretanto, é fácil perceber o quão inútil seria essa camuflagem no lugar onde elas vivem, a savana. Uma zebra pode ser vista a centenas de metros em contraste com a vegetação verde ou amarelada de seu pasto. Não parece ser razoável que o processo evolutivo determinasse esta função para as listras.

O leão, sim. O maior dos felinos tem um corpo camuflado que se metamorfoseia com o ambiente, ficando da mesma cor da grama seca.

Há alguns anos, o mistério das listras das zebras parece ter encontrado uma explicação. Estudiosos que investigavam o comportamento social destes animais tinham enorme dificuldade em acompanhar o seu comportamento individual porque, quando tentavam segui-las em seu trajeto, logo as perdiam de vista, confundidos pela semelhança com outros elementos da manada. A solução encontrada foi capturar os animais e colocar neles uma marca, uma pintura na perna ou um piercing na orelha, para que assim diferenciados pudessem ser identificados e acompanhados de longe.

O resultado foi surpreendente e dramático. Os animais marcados eram exatamente aqueles escolhidos pelos leões para serem atacados, e a conclusão óbvia era de que as marcas os deixavam mais facilmente identificáveis pelos predadores. Assim, perceberam que as listras da zebra funcionam como um elemento de confusão para os grandes felinos, e não de camuflagem com o meio ambiente circundante. Os leões perseguiam as zebras diferentes, as reconhecíveis, as que se destacam da paisagem hipnótica das listras.

Os humanos também se comportam assim. Assumimos posições ideológicas e discursos hegemônicos muitas vezes contra as nossas próprias crenças, mas movidos por um sentimento de auto preservação. Adotamos determinados discursos e práticas que nos garantem proteção pelos nossos iguais, pois uma opinião que destoa – ou desagrada – essa maioria pode nos colocar em evidência, levando a ataques tanto de dentro quanto de fora dos nossos grupos.

Assumir posturas contra-hegemônicas demanda coragem e sacrifício. Significa colocar em sua fala a marca da diferença e da afronta ao senso comum, o que torna o sujeito o alvo perfeito para os mais diversos ataques. Por outro lado, são exatamente estes sujeitos que, no relógio lento da cultura, produzirão os saltos quânticos de progresso, mesmo que às custas da dor e da segregação a que inevitavelmente serão submetidos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s